Feliz 2015

Golden 2015 Happy New Year Greeting Card With Sparking Spot Ligh

Décadas de investimento público para isto

“Emigrem”, disse o idiota. Quem recebe a mão de obra sem custo de formação agradece. Eis um país mais empobrecido decorridos 42 meses de mentira, avalizada pelo faz de conta de belém.

Iluminação de Natal em Campolide

Cabaz_002

Na memória de muitos de nós, 2014 ficará marcado como um ano de escassez. Dos que têm sorte, claro, pois outros há que têm a miséria deste ano marcada na carne. Ou nos olhos que se fizeram sombrios à custa de tanta pobreza. O País está mais pobre. Os jovens não têm emprego, os trabalhadores viram os seus direitos subtraídos e os idosos estão cada vez mais desamparados. [Read more…]

2014 e a degenerescência do ensino público

Santana Castilho*

É obra a que este Governo, marcado pela arrogância e contumaz na mentira, produziu em três anos e meio de desgoverno: um empobrecimento e uma emigração sem paralelo recente, finanças e economia centradas na transferência de capital para o estrangeiro e, sobretudo, um sistema de ensino público em desagregação, dilacerado pelo retrocesso inimaginável, fria e calculadamente promovido, medida após medida.

O lapso da funcionária da Escola Secundária Alberto Sampaio, de Braga, quando em dia de Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades, vulgo PACC, tratou professores vexados por “meninos” e lhes ordenou que fizessem “fila indiana sem stress”, tem o valor simbólico de um triple play: a natureza ideológica de uma política, o claudicar de uma classe profissional e a baixeza de um ministro.

Em três anos e meio desta legislatura foram retirados ao financiamento do ensino público 3.294 milhões de euros e despedidos colectivamente 30.464 professores. O ano de 2014 destaca-se do conjunto por ter exacerbado os dois ódios de estimação de Nuno Crato: a escola pública e a Ciência, onde, de uma penada e com uma avaliação trapaceira, foi liquidado o trabalho criterioso de Mariano Gago. Alguns episódios, de entre tantos, merecem destaque no balanço do ano, por reveladores de um modo de estar e fazer política. [Read more…]

A Grécia dá uma oportunidade à democracia

Giannis Varoufákis, 30-12-2014, trad. Carlos Leite, em Atenas

Há algo que não está certo nesta nossa Europa.
No momento em que o processo constitucional duma democracia europeia parecia conduzir, justamente, a eleições (como na Grécia desde o Outono), a Comissão Europeia, diversos Governos e todos os comentadores em geral, apresentaram a perspectiva de eleições (momento culminante do processo democrático) como uma corrida para o desastre; como uma calamidade que deve evitar-se a todo o custo.

Quando as eleições se tornaram inevitáveis, os mesmos decisores políticos começaram a pregar aos cidadãos desta pequena e orgulhosa nação sermões sobre como devem votar. E quando esses mesmos eleitores pareceram interessados em votar de maneira diferente, as autoridades europeias avisaram logo que seja qual for o Governo que resulte dessa votação o mesmo deverá executar fielmente os acordos que o Governo anterior celebrou com a União Europeia — que qualquer ideia de os renegociar deve perecer imediatamente. [Read more…]

Dona da EDP bloqueia produtos da Google

Assim se vende a democracia por cá, quando se fecham os olhos à origem do dinheiro.

Um Equívoco Democrático em Ruílhe

“Natal “impõe-nos” a tolerância! Transforma-nos e faz-nos perceber, que vivemos efectivamente em comunidade”

Esta é uma das frases que se pode ler na mensagem de Natal da página da Assembleia de Freguesia de Ruílhe (Braga), assinada que está pelo seu jovem presidente, Hugo Miguel Vilaça Martins.
Por ocasional coincidência, estas frases – mas assinadas por vários autores – aparecem, por exemplo, nos sites da JF Avanca (Estarreja) e JF São Miguel (Açores), assim como também no site da JF da Salga (Açores) e no da JF de Gême (Vila Verde).
Enfim, um texto emotivo, pessoal, pessoalizado mas assinado por muitos autores em simultâneo em geografias muito distintas.
No caso de Ruílhe, uma mensagem aparentemente duplicada (quem plagiou quem?) tinha aparecido no mesmo site oficial da AF de Ruílhe há um ano, no Natal de 2013. Na altura como agora, foi publicamente chamada a atenção para o facto por vários cidadãos na página de facebook daquele orgão democrático.
A façanha da duplicação de textos emotivos mas com autores diferentes repetiu-se agora e ontem, novamente, tal foi comentado na mesma página. E, novamente, o jovem presidente da Assembleia de Freguesia de Ruílhe não terá gostado do reparo e, num esquema evolutivo e perigoso, removeu vários comentários sobre este assunto, inclusive o meu comentário.
Não contente, o presidente deste orgão democrático, Hugo Miguel Vilaça Martins, bloqueou totalmente o acesso a pelo menos duas pessoas que educadamente havia feito o comentário.

Quem perde com este comportamento despótico e fascista?

Perde a freguesia de Ruílhe, perdem os ruilhenses. Merecem melhor, merecem o melhor possível.
Perde a democracia portuguesa ao ver-se violentada por um jovem, mais jovem que a própria democracia. E isto é particularmente assustador.
Perde o presidente da Assembleia de Freguesia de Ruílhe. Perde a oportunidade de se livrar de um embaraço escusado, retractando-se e, com isso, elevando-se a ele e ao orgão a que preside.
Em democracia, falhar é muito normal (só não falha quem nada faz); insistir no erro é pedante.
Fico a aguardar o pedido de desculpas. Fascismo nunca mais.

Um homem não faz uma percentagem

Morreu um homem no Hospital de São José, depois de ter estado seis horas à espera de ser atendido. Não sei se terá morrido por ter estado seis horas à espera de ser atendido, porque nem sempre o que é posterior é consequência.

Recentemente, o tempo de espera nas urgências dos hospitais aumentou. Diante de uma frase destas, a única solução razoável é ser-se ingénuo e perguntar: mas uma urgência não implica, exactamente, que o tempo de espera diminua e rapidamente? Se isso não acontece, de quem é a culpa (quando algo põe em causa a saúde das pessoas, só se pode usar a palavra culpa)?

A verdade é que os profissionais de saúde continuam a fazer referência à falta de recursos humanos nos hospitais e centros de saúde. Recentemente, o Hospital de Amadora-Sintra foi autorizado pelo governo a angariar médicos recorrendo a manobras que oscilam entre o leilão e a negociação, quando qualquer hospital deveria ter pessoal suficiente para cobrir as necessidades e não dedicar-se a tapar buracos em ocasiões de maior aperto.

Não tenho a sorte de ter a certeza de que haverá vida para além da morte. Depois da morte, apenas a morte está garantida e antes dela nem a vida é certa. Acredito em poucos milagres ou talvez num único: a vida de cada indivíduo é sagrada e, portanto, a vida de uma única pessoa é uma religião. Se há gente a adoecer ou a morrer por incompetência, descubramos os incompetentes e não esperemos por castigos no Além, porque há o enorme risco de não existirem. [Read more…]

Cartas de amor quem as não tem

José Sócrates e Mário Soares trocam correspondência na prisão

Os fascistas estão fartos de anti-fascistas

camelo lourenco miguel relvas
O Canalha Lourenço quer um Tarrafal. Já sabíamos, eu só o queria frente-a-frente com alguém de esquerda, e um moderador musculado.

Acabou a corrupção em Portugal

corrução

Excerto de O Economista Português

Sim, sim, já se sabe que o chamado acordo ortográfico (AO90) não prescreve a eliminação de consoantes articuladas, ou seja, as que se pronunciam (e até admite que umas consoantes possam ser articuladas ou não e, portanto, escritas ou não). É verdade que, com o AO90, por exemplo, facto deverá continuar a escrever-se facto, pelo menos no caso das pessoas que pronunciam o C, o que corresponde à maioria dos portugueses, sendo de ressalvar, talvez, os que pronunciam “atorze” quando querem indicar o dobro de sete.

Não é menos verdade, no entanto, que, apesar de tudo isso, há uma epidemia de quedas indevidas de consoantes, o que torna possível ler garrafais “contatos” em cartazes e descobrir frequentes questões “de fato” no Diário da República, para não falar em “patos de silêncio” ou em “patos com o diabo”, vade retro. [Read more…]

Ecos de mudança

ovelha negra

Enquanto a sociedade portuguesa se mantém fiel ao cancioneiro “hooliganista” que educadamente nos relembra a adaptação futebolística desses tão nossos “brandos costumes” – “levais no cu e não dais luta” – em Espanha e na Grécia os movimentos anti-sistémicos avançam e posicionam-se na pole position para as próximas legislativas. Se já não era novidade que o fenómeno Podemos lidera as intenções de voto no país vizinho, na Grécia cozinha-se uma autêntica revolução no sistema político com o Syriza a ombrear com o bloco central grego na disputa das próximas legislativas, antecipadas para 25 de Janeiro.

[Read more…]

Geração Z

pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel

 

Aos nossos leitores

aventar-almouco--2014

Cinco anos e quase cinco dias depois, voltámos ao mesmo local 007 do crime num almoço de confraternização dos que escrevem o Aventar, aqui erguendo um brinde aos nossos leitores.

Entretanto o próximo repasto ficou conversado para a zona de Évora, falta-nos escolher o restaurante e consultar o regulamento dos serviços prisionais.

Fundamentalismos católicos apostólicos romanos

Hopkins

(Imagem: Anthony Hopkins, padre exorcista em O Ritual)

Em Valladolid, uma adolescente de 16 anos com problemas de ansiedade e transtorno alimentar foi submetida a 13 exorcismos a pedido dos próprios pais, pedido rapidamente atendido pelo arcebispado que remeteu o caso para o único exorcista autorizado a levar a cabo estes estranhos e anedóticos rituais. Pelo caminho, a jovem submetida a esta prática paranóica e absurda tentou o suicídio. Várias vezes.

[Read more…]

DEFCON 4

The russians are angry.

Como “um macaco numa floresta tropical”

O Kim gosta de ti!

A História do PS em dois minutos e meio

É ouvir António Arnaut a desancar forte e feio no regulamento dos serviços prisionais que Sócrates assinou e agora o impede de receber livremente encomendas.

O neoliberalismo não é um slogan – histórias de uma ideia poderosa

Afinal o que é isso do neoliberalismo? João Rodrigues, em quatro colóquios que tiveram lugar na Cultugeste, disseca a História da corrente ideológica que hoje, discretamente, domina o mundo. Quatro magistrais lições que podem ser ouvistas na respectiva página, da qual republico a primeira por ter um erro de edição no original.

Chronicle na Éireann (crónica da Irlanda) – 1

water-charges-2-2Manifestação contra a taxação da água

Neste momento, a água no mercado doméstico da Irlanda é um bem sem ter o preço baseado no consumo. Existem impostos indirectos que colmatam as necessidades financeiras decorrentes da distribuição de água mas consumir mais ou menos água não é uma variável na equação aquífera.

Não é actualmente. [Read more…]

Paciência chinesa

underwear23n-4-web

No caso do chinês que roubava lingerie e foi apanhado porque o tecto falso onde a escondia não aguentou as duas mil peças gamadas, fascinou-me esta imagem. Alinhar tanto soutien e cuequinha meticulosamente, por cores, é obra.

Mota Soares: soldado, ladrão, democrata, cristão

mota_soares.paginaNo dia 10 de Novembro, Pedro Mota Soares declarou o seguinte: “Hoje um casal com filhos pode receber quase 330 euros de rendimento mínimo, pode ter um conjunto de apoios de abono de família de 35 euros, pode ter um conjunto de apoios escolares de 276 euros, pode ter um apoio à renda de 280 euros, pode ter um apoio de transporte de cerca de 45 euros e chega ao final do mês com um rendimento de 950 euros.”

Pedro Mota Soares é ministro da Solidariedade. Há quem pense que isso faz tanto sentido como imaginar Hitler na presidência de uma hipotética Associação de Amizade Alemanha-Israel, mas a verdade é que Pedro Mota Soares é mesmo ministro e da Solidariedade também. Para que haja ainda menos humor, é importante lembrar que pertence a um partido democrata-cristão.

Uma alma mais ingénua ainda poderia pensar que Mota Soares estaria revoltado com o facto de haver famílias que sobrevivem com apenas 950 euros, mas parece que, segundo o ministro, isso é dinheiro a mais, constituindo, até, um “risco moral” porque pode levar os beneficiários a não procurar emprego. Aliás, não seria de espantar que alguém atribuísse o aumento do desemprego à falta de vontade de trabalhar, o que quereria dizer que os preguiçosos se multiplicaram desde que Passos Coelho chegou ao governo. [Read more…]

Um conto de Natal por Santana Lo(L)pes

amen

(foto: blogue Voar fora de casa)

Vem a foto em cima a propósito de recentes declarações de Pedro Santana Lopes, o primeiro nesta fila de devotos praticantes da palavra do Senhor que, no seu artigo de 17 de Dezembro no Jornal de Negócios, nos trouxe uma bela história de embalar na qual o seu partido têm mais dificuldade de acesso aos grandes grupos económicos portugueses do que o seu congénere socialista. Será um conto de Natal de um homem que reza na companhia de Dias Loureiro, Miguel Relvas e José Luís Arnault? Ou apenas uma perninha eleitoralista com Belém no horizonte?

[Read more…]

Passaram 100 anos…

-Decorria a brutal primeira guerra mundial, os combatentes, desobedecendo a ordens superiores, após os seus governos terem ignorado um apelo do Papa, para observação duma trégua natalícia, decidiram realizar eles a trégua. Existem relatos de árvores de Natal, troca de prendas entre inimigos, até jogos de futebol entre alemães e ingleses em terra de ninguém. Para lá da fé individual de cada um, Natal também é uma época de paz e boa vontade.
-Fonte:wikipédia

The truce began on Christmas Eve, December 24, 1914, when German troops began decorating the area around their trenches in the region of Ypres, Belgium, for Christmas. They began by placing candles on trees, then continued the celebration by singing Christmas carols, most notably Stille Nacht (Silent Night). The British troops in the trenches across from them responded by singing English carols.

The two sides continued by shouting Christmas greetings to each other. Soon thereafter, there were calls for visits across the “No Man’s Land” where small gifts were exchanged — whisky, jam, cigars, chocolate, and the like. The artillery in the region fell silent that night. The truce also allowed a breathing spell where recently-fallen soldiers could be brought back behind their lines by burial parties. Proper burials took place as soldiers from both sides mourned the dead together and paid their respects. At one funeral in No Man’s Land, soldiers from both sides gathered and read a passage from the 23rd Psalm:

The Lord is my shepherd. I shall not want. He maketh me to lie down in green pastures. He leadeth me beside the still waters. He restoreth my soul. He leadeth me in the path of righteousness for his name’s sake. Yea, though I walk through the valley of the shadow of death, I will fear no evil.

The truce spread to other areas of the lines, and there are many stories of football matches between the opposing forces. The film Joyeux Noël suggests that letters sent home from both British and German soldiers related that the score was 3-2 in favour of the Germans.

In many sectors, the truce lasted through Christmas night, but in some areas, it continued until New Year’s Day.

The truce occurred in spite of opposition at higher levels of the military. Earlier in the autumn, a call by Pope Benedict XV for an official truce between the warring governments had been ignored.

British commanders Sir John French and Sir Horace Smith-Dorrien vowed that no such truce would be allowed again. (However, both had left command before Christmas 1915.) In all of the following years of the war, artillery bombardments were ordered on Christmas Eve to ensure that there were no further lulls in the combat. Troops were also rotated through various sectors of the front to prevent them from becoming overly familiar with the enemy. Despite those measures, there were a few friendly encounters between enemy soldiers, but on a much smaller scale than the previous year.

 

“Eu Sou Cristo, Não Sou Cristão”


Boas compras!
Feliz Natal!

Estou a Chegar

Estou a chegar, vou de comboio.

No sexto Natal do Aventar…


Desejo a todos, amigos, colegas, leitores, comentadores e coisos, o melhor possível. Feliz Natal.

A todos

Os leitores e autores do Aventar desejo um Feliz Natal.

Os Maquinistas Portugueses…

maquinistas_portugueses

Concretizam há décadas a essência da palavra “solidariedade”. (via maquinistas)

Não há pai para Marques Mendes

SH e Marques MendesMarques Mendes em jantar comício na Trofa (fotografia@Notícias da Trofa)

Na minha terra, a Trofa, a mitologia social-democrata local alude a Luís Marques Mendes como “o pai do concelho“. Motivo? Em 1998, quando a elevação a concelho acontece, Marques Mendes era o líder parlamentar do PSD e apoiou as aspirações dos trofenses. Claro que, como poderão imaginar, o interesse de Marques Mendes não residia propriamente nas aspirações independentistas dos trofenses mas antes no facto de Santo Tirso, a autarquia que governava a Trofa, ser território socialista. Juntou-se o útil ao agradável.

[Read more…]