1000 vezes chicoteado, a 50 barris de petróleo de cada vez

Jornalismo cidadão das primeiras cinquenta chicotadas recebidas por Raif Badawi, um blogger saudita que é mesmo liberal, como os do séc. XIX:

Convinha perceber que quando se diz fundamentalismo muçulmano se deveria dizer wahhabismo,  a religião de estado na Arábia Saudita e arredores deste lado do golfo, fundada no séc. XVIII  por Mohammed ben Abdelwahhab e não por Maomé mil anos antes.

A Arábia Saudita tem sido a mãe desse fundamentalismo e não passa de um califado mas com muito mais petróleo. E o petróleo é o verdadeiro deus que governa as teocracias da tal superior civilização ocidental, a nossa, dizem eles, enquanto verificam a cotação do brent.

Viva a falta de respeito, humor não é ofensivo

Gregório Duvivier

Um dos problemas de morrer é esse: vão falar muita asneira a seu respeito. E você já nem pode se defender. Não bastou serem fuzilados, os cartunistas do “Charlie Hebdo” foram vítimas de um massacre póstumo.
Pessoas de todas as áreas de atuação lamentaram a tragédia, MAS (não entendo como alguém, nesse caso, consegue colocar um “MAS”) lembraram que o humor que eles faziam era altamente “ofensivo”.
Poucas coisas irritam mais do que a vagueza desse termo “ofensivo” quando usado intransitivamente. Ofensivo a quem? A mim, definitivamente, não era. “Eles não deviam ter brincado com o sagrado”, alegam alguns. MAS (aqui sim cabe um “mas”) o que define o humor é exatamente isso: a brincadeira com o sagrado.
Discordo de quem pede respeito pelo sagrado. Para começar, acho que a palavra respeito é uma palavra que não cabe. Uma vez, vi o Zé Celso pedir a um jovem ator que não o tratasse por “o senhor”, mas por “você”. O ator disse que não conseguia porque tinha muito respeito por ele. E ele respondeu: “Não me interessa o respeito. O que me interessa é a adoração.”.
O espaço da arte não é o espaço do respeito, mas o espaço da subversão, ou então da reverência, do culto. Do respeito, nunca.
No mais, tudo é sagrado para alguém no mundo. A maconha, a vaca, a santa de madeira, o Daime, Jesus e Maomé: tudo merece a mesma quantidade de respeito, e de falta de respeito. Continuar a ler “Viva a falta de respeito, humor não é ofensivo”

Sky Bad News

skynews_censorship
Marco Faria

A SkyNews‬ fez uma escolha péssima: a autocensura (é, de resto, a pior forma de censura).
A Sky News deixa de ser um órgão de informação livre, a partir do momento em que já cedeu ao medo (das audiências, dos telespectadores e da influência de certas minorias).
“A religião muçulmana proíbe qualquer representação pictórica de Alá ou do seu profeta, Maomé”, lê-se. Sim, mas estamos na Europa, não?
O Reino Unido, até que as placas tectónicas mudem de posição, fica na Europa. Amanhã, será o quê? Que não se mostre no ecrã uma mulher a conduzir um Rover, porque isso é ultrajante? Ou que uma mulher tire um doutoramento, porque devia ter a escolaridade mínima ou ficar-se pelo bê-a-bá? Quem escolhe a Europa para viver tem de conhecer as regras e tradições europeias. Vêm do tempo das Luzes e da Tolerância (o túmulo de John Locke deve estar a dar voltas). O que fazemos quando nos deslocamos a um país muçulmano, quando temos de respeitar os seus costumes (nalguns casos, levar uma bíblia ou um crucifixo é um crime, e convidam-nos a deixar os nosso símbolos no aeroporto, sob pena de nos ser vedada a entrada no seu território). Ninguém é obrigado a comprar o “Charlie Hebdo” ou a ver blocos de notícias. Há o poder de escolha. Já a escolha da Sky News aproxima-se de linhas perigosas.

O Tempo e a Barbárie

10917881_759292304164159_2137125869331547430_n
No início do século XVI (1506), numa Igreja de Lisboa, em tempos de crise, esperava-se um milagre que aliviasse as duras dores do tempo. Ao notar que um raio de luz se projectava no crucifixo da igreja, a multidão logo bradou por milagre. Porém, um cristão-novo (judeu obrigado à conversão ao catolicismo – para os mais esquecidos da História) fez notar que se tratava apenas do reflexo da luz que iluminava o templo. Começou aqui um dos mais arrepiantes e sangrentos episódios da nossa História. Arrastado o “blasfemo” para a rua, logo ali foi brutalmente espancado. Foi o início de uma chacina que se espalhou pela cidade e soltou a mais fanática barbaridade.

O grande Damião de Góis, cronista do reino e um espírito livre, relatou assim este horroroso episódio: Continuar a ler “O Tempo e a Barbárie”