Olá, este é o Borat

borat_cultural_learnings_of_america_for_make_benefit_glorious_nation_of_kazakhstan_2006_5776_wallpaper
Se o Aventar fosse cobarde como a Oxford University Press é no seu país, esta imagem do Borat não poderia ser publicada no nosso país ao abrigo das leis do país sob pena de estar a ofender pessoas de outro país, ainda que elas não sejam obrigadas a ler as coisas publicadas noutros países ao abrigo da lei desses países.
Mas o Aventar não é a maior editora académica do mundo, o Aventar é apenas, e talvez, o mais abrangente e mais plural blogue de Portugal. Rege-se pelas leis gerais da nossa República, não as do reino da Arábia Saudita.

Os gatos e os deuses

10428082_759856084107781_8613804603295961157_n
Por esta altura, os meus amigos já perceberam que gosto de gatos, que vivo com gatos (notem como evito dizer”tenho gatos”). Não sou o único, estou bem acompanhado. É interminável a lista das pessoas que admiro que têm – ou tiveram – gatos. A coisa vem de longe e nem sempre é uma história feliz.

Há dez mil anos, na Suméria e na Babilónia, nos locais onde os homens primeiro se foram sedentarizando, os bichanos começaram a conviver com os humanos, fazendo um controlo de pragas que aqueles aprenderam a admirar. Aqui se foram criando os primeiros laços entre homens e gatos, aqui se foram criando as primeiras lendas. Uma delas conta que os gatos nasceram do espirro de um leão, sublinhando o parentesco entre os dois felinos.

Um provérbio indiano dirá, depois, que os deuses criaram os gatos para que o homem pudesse ter o prazer de acariciar um tigre. Mas é no Egipto antigo que o gato atinge o estatuto mais ilustre. Não admira – lá vem a economia…-, já que, sendo a grandeza e o poder do Egipto assente, em grande medida, na produção de cereais, desde cedo foi percebida a importância dos gatos no controlo da ameaçadora e ruinosa rataria. Daí, a sua sacralização. A deusa Bastet era representada com cabeça de gato. Depois, a aproximação dos gatos às residências familiares dos egípcios e a sua própria sedentarização transformaram-no no símbolo do próprio lar.

Assim, o gato passou a ter um estatuto de membro da família, chorado na morte como se fosse um deles, mumificado tratado em morte como se uma pessoa fosse. As penas para quem matasse um gato podiam ser graves, indo até à própria morte. Os gregos e os romanos têm, também, uma relação cordial com os bichanos. Na idade Média, porém, as coisas mudaram completamente. O Papa Gregório IX decretou, do alto da sua santidade, que os gatos eram seres diabólicos e deviam ser exterminados. Segundo as inteligentes e profundas reflexões teológicas do tempo, os gatos eram bruxas transformadas e quem fosse visto a ajudar um gato era denunciado à Santa Inquisição, com os desastrosos resultados que se adivinham. [Read more…]

Pixel Pancho

Pixel Pancho in Miami

Art Basel Miami 2014.

Quer explorar uma piscina olímpica, e equipamentos anexos, pela módica quantia de 2300 euros mensais? Vá ao Porto.

piscina_porto_campanhaAntónio Alves

Num negócio muito pouco transparente, a Câmara do Porto cedeu os direitos de superfície sobre a Piscina de Campanhã, a título gratuito pelo período de 25 anos, ao FC Porto. Essa é condição essencial, a cedência dos direitos de superfície, para que o FC Porto pudesse ter aberto no passado dia 16 de Dezembro um concurso público urgente para a realização de obras de recuperação da infra-estrutura assumindo-se este clube desportivo como dono da obra. É também condição essencial para que o FC Porto possa candidatar-se a fundos do QREN para financiar os custos das citadas obras. [Read more…]

Democracia social, social democracia e Passos Coelho

Este Governo tem uma intenção, cada vez mais clara, de se libertar das funções sociais do estado, na medida em que para este “gentinha” o estado é mínimo, reduzido às funções de soberania: justiça, segurança, defesa.

Saúde é para privatizar (enquanto morrem pessoas nas urgências abrem privados como cogumelos); educação é para “partir” pelas autarquias, para depois chegarem também ao mercado e aos privados. A segurança social está quase “morta” e a caridade fica nas mãos das IPSS.

Esta é a matriz de Passos Coelho e dos ultra-qualquer coisa que fazem equipa com ele. Gostava muito que o verdadeiro PSD – Social Democrata fizesse alguma coisa (pequena que seja) para evitar esta tragédia. Confesso que não sei se existe esse verdadeiro PSD, mas quero acreditar que sim.

É que Democracia não é só votar de 4 em 4 anos. Democracia é não morrer na urgência. Democracia é ter proteção no desemprego e na doença. Democracia é ter uma Escola Pública que permita a mobilidade social porque quem nasceu pobre, não tem que morrer pobre.

Papá, estás aí?

Elsa Wolinsky

Papa-t-es-la-par-Elsa-Wolinski_desenho de Zep

Papá, estás aí? Estás-me a ouvir?
Se estás aí manda-me um sinal. Faz-me um desenho.
Pois é, não me ouves, já desconfiava.
Desde que morreste, digo a mim própria que já deverás saber se Deus existe ou não.
Toda a gente te imagina no céu, com raparigas nuas, a meterem-se contigo. Mas eu sei o que estarás a fazer. Terás pedido uma caneta para desenhares uma mesa, folhas e uma lâmpada. E depois, agora, desenhas uma sósia da mamã para que ela esteja contigo, mesmo aí em cima. Ah, e depois fizeste uma cama para a tua sesta. Para os Wolinski, a sesta é sagrada.
Sabes, durmo na tua cama. Espalhei o meu perfume pelo teu quarto que cheirava demasiado a ti. É estranho deitar-me no teu lugar. Mas estou bem contigo, entre os teus lençóis. A mamã ofereceu-te umas calças, não tiveste tempo de as experimentar. Já agora, papá, aproveito, será que posso usar as tuas camisolas de caxemira? [Read more…]

Não é verdade

aquilo que Fernanda Câncio escreve: “As pessoas provocam e há reações“. Em português europeu, quando as pessoas provocam, há reacções. Efectivamente: reacções.

Falta de sentido de amor

650x437x746_jpg_pagespeed_ic_djffoesosf

Carlos Ruas, http://www.umsabadoqualquer.com/

Aceito que haja pessoas sem sentido de humor. Nem todos tiveram a sorte de receber o treino adequado: é necessário interiorizar verdadeiramente a tolerância e, sobretudo, compreender, por estranho que possa parecer, que o humor não é para se levar a sério. Assim, um humorista pode ser processado ou, pior do que isso, ignorado. A partir daí, reacções como o insulto ou o homicídio que tenham por alvo os autores de piadas são casos de polícia e não se fala mais nisso. [Read more…]