Agora a vida vale menos de 21 euros

transferir

Pelo menos, assim parece.

Na semana passada assistimos a um doente implorar pela sua vida porque não lhe compravam um tratamento de cerca de quarenta mil euros. Depois desta triste cena (não critico, obviamente, o senhor nem o seu desespero, acho a cena triste porque ninguém devia ter que implorar assim pela sua vida perante ninguém, muito menos perante gente que mais não é do que verme), lá se arranjou o medicamento, porque, embora o Estado deva fazer tudo para salvar vidas, mas não a todo o custo, depois do escândalo que aconteceu, seria muito mau que mais pessoas morressem sem tratamentos. Nessa altura, o valor da vida estava em menos de 42 mil euros, com oferta de um tratamento por cada paciente que não melhorasse com o referido medicamento.

Esta semana, contudo,  a bolsa de valores vitais sofreu uma reviravolta e cada cabeça passa a valer menos de 21 euros. Mas não quero ser má para este governo tão simpático e cumpridor que até vai antecipar o pagamento da dívida. À custa de muita miséria e morte, mas que é isso comparado com a honradez? No caso dos doentes psiquiátricos até se percebe, afinal não são muito bons da cabeça, logo, o valor por cabeça de certeza será menor. Para além disso, poder-se-à dizer que não há um risco directo de perda de vida. Mas tratando-se de um medicamento que é administrado em situações de urgência a doentes esquizofrénicos e bipolares, não haverá realmente risco de vida do próprio e de terceiros? Ah e tal, argumenta o Infarmed, não há injectável, mas há comprimido. Ah, então pronto! E quem é que vai enfiar o comprimido na boca de um paciente descompensado em situação de urgência? Nanja eu! Pois… É impossível. Só mesmo por via intramuscular.

O que vai ser preciso para que estas pessoas tenham de novo acesso ao medicamento? Que terá um doente de fazer para fazer aumentar o valor da sua vida? Apontar uma arma ao ministro?

 No meio disto tudo, o que dizer dos laboratórios? Evidentemente que eles (neste caso a Lilly) não estão isentos de culpa e deveriam ser penalizados pelo aproveitamento que fazem. É inadmissível que um medicamento aumente de 5 euros para mais de 21. As suas garras estão tão sujas de sangue quanto as dos governantes que taxam o valor da vida conforme lhes dá jeito.

Comments

  1. Safe Mode says:

    Temos um sistema que causa os proplemas, não nos dá alternativas de os contornar, nos culpam por estarmos em apuros e em dificuldades, e ainda nos punem e castigam se não sorrirmos com os seus desvaneios! Viva à Racionalidade, viva os computadores e os robots!


  2. Reblogged this on O Retiro do Sossego.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.