atenção à navegação

Consta-se nos meandros da alta finança que quem está a analisar o ponto de situação no bpi é José Eduardo dos Santos. Que a filha apenas serve, à boa maneira angolana de testa de ferro dos interesses do pai, já todos sabíamos. Que a filha não fala com ninguém, nem sequer à imprensa porque é atestadamente ignorante, também já todos sabíamos.
A solução da fusão entre bpi e bcp (sonangol) poderá ter saído da corte de Luanda. Conta como maiores aliados a família violas, os maiores accionistas portugueses do banco gerido por fernando ulrich. A hfv, holding dos violas já fez anunciar que pretende reforçar ainda mais a sua participação no banco a curto prazo. Para, segundo a especulação, vender aos angolanos e, de forma aliada à possível operação de charme destes para demover pequenos accionistas do banco a aceitar a proposta em curso dos catalães do caixa bank (ao caixa bank interessa desblindar não só a questão estatutária de voto para definitivamente mandar no banco, assegurando a gestão  independente do banco; a ideia dos catalães é avançar para a compra do novo banco, sob a forma de la caixa Portugal, criando uma marca do zero com base na reputação e confiança transmitida pelo banco espanhol) e, das duas uma, ou fundir efectivamente os dois bancos, ou bluffar para obrigar os catalães à rectificação dos valores apresentados pela opa para os valores pretendidos por grande parte dos accionistas (2,56 euros ao invés dos 1,32 euros oferecidos). É precisamente esse o preço por acção que é expresso como o ponto de convergência pedido pela hfv para vender a sua participação.
A cmvm deverá ficar atenta a este tipo de actos especulativos que, por vezes não representam nem demonstram a saúde financeira das entidades financeiras. Para que não hajam mais surpresas no futuro iguais aquelas que foram vendidas no novo banco antes da sua declaração de bancarrota.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.