Calma, isto ainda não acabou

O Alberto João não anunciou os votos das Ilhas Selvagens com que ganha as eleições.

Vieram mais cinco

Pelo estúpido método de Hondt se a CDU tivesse mais cinco votos o PSD perdia a maioria absoluta, fora a estrondosa subida da esquerda ser ainda maior. Alguma vez teria de calhar uma vigarice dar jeito.

Não lemos nada disto na segunda-feira. E é portanto tempo de devolver a toda a direita, não apenas ao PS, o recado: votaram, contrariaram as sondagens (que chatice, Paulo Portas): há ou não que tirar lições daqui para todo o país?

Não abusando, há e não há. O absolutismo madeirense acabou, o que até seria uma vitória liberal se estivéssemos no séc. XIX, a esquerda progride e…

…não volto a assinar este texto porque a malta de esquerda não faz batota. Unam-se, caralho, deixo o repto, agora em versão mais norte.

Adenda: parece que o erro nem estava nos votos nulos, mas numa acta falsificada. O 25 de Abril chegou hoje à Madeira.

Adenda seguinte: afinal o PSD continua com hilaridade absoluta.

Próximas adendas possíveis: O partido do Marinho não concorreu mas ganha por nulidade absoluta. Ronaldo assume a presidência do governo regional da Madeira. Cristiano demite-se, assumindo que não estava preparado para lances de bola parada.

As redes sociais não servem para nada

Depois deste apelo (que já andava espalhado no Facebook), vem agora a boa notícia. No ano 2000 muitas aves protegidas teriam morrido. Viva o séc. XXI.

Até que enfim…

O inquilino do palácio situado nas imediações da antiga fábrica dos pastéis de Belém revelou alguma utilidade e vetou o diploma que alimentava o proxenetismo cultural, travestido de direitos de autor…

Madonna ama o pai

 

Andávamos na primária e a canção da moda começava com um bucolismo ingénuo – “Adoro o campo as árvores e as flores / jarros e perpétuos amores” – e depois adensava-se em enigmáticas referências à fauna do bas fond. A Sónia Maria perguntava-me:

–  Tu sabes o que são “pedrastas”?

E eu encolhia os ombros e respondia que devia ser uma espécie de pedregulho, qualquer coisa que se chuta e rola pela encosta.

Íamos completando as letras das canções de que gostávamos na sebenta, e cantarolávamos todo o dia, ainda longe dos walkmen e dos mp3 que me trouxeram tantas horas de felicidade, tão providencial consolo, e uma irremediável redução da capacidade auditiva. Fazíamos a coreografia do “Walk like an egyptian”. Cantávamos numa língua que soava a inglês mas não o era. Aliás, se alguma vez aprendemos inglês foi para entender as letras das canções, o resto foi ruído.

Bem, mas foi por então que apareceu o enigmático “Papa don’t preach”. Não sabíamos o que era “don’t”, muito menos “preach”. A “Papa” chegávamos e não levávamos a coisa para o Vaticano porque tínhamos visto o videoclip e percebíamos que não era por aí. Inglês só teríamos a partir do 5º ano, e se era certo que poderíamos perguntar a um adulto que entendesse alguma coisa, muito melhor era tentar adivinhar. O “preach” era particularmente intrigante. Não chegámos a nenhuma conclusão. Passaram os dias, já ouvíamos outras canções, quando a Sónia Maria aparece triunfante, com uma foto da Madonna recortada da Bravo, e com os olhinhos brilhantes sob a franjinha que sempre lhe conheci. [Read more…]

Lost in translation

josegomes2

O senhor Fontelas, Presidente da APAF, mais conhecido por José Gomes, tem um ar inteligente, que logo se adivinha, só de olhar. Mas não é muito afeito a traduções.

Eu ajudo: Lopetegui, em entevista ao Porto Canal, afirmou: “Os árbitros não vão ganhar ou perder campeonatos, e não o devem fazer, porque isso têm de fazer as equipas. O trabalho dos árbitros é equilibrar as coisas. Mas, naturalmente, vão acontecer erros, como os cometem treinadores e jogadores. Num campeonato, os erros devem equilibrar-se, por lógica. Só respondi a perguntas sobre erros que estavam tremendamente desproporcionados. Não de forma voluntária, mas estavam. E só respondi a perguntas que são factos, nada mais”.

Fontelas concluiu: “Tanto a Comissão de Inquérito como o Conselho de Disciplina devem atuar perante estas declarações, que são públicas. Para que este tipo de situações não aconteçam, terão que existir sanções pesadas”.

E concluiu: “Competência e incompetência existem em todas as atividades. A arbitragem não é exceção, mas não pode ser a arbitragem a causa do insucesso de cada um. Não vale a pena estar a atirar pedras e não se olhar para a própria casa primeiro”.

Com tanto tradutor desempregado, fazia bem à APAF contratar um, mesmo a meio-tempo.

E já agora, um consultor de imagem!

JOSE GOMES PRESIDENCIA DA APAF

Duarte Marques perdido entre regiões autónomas

Costa que correu a aparecer na selfie da vitória do Syriza escondeu-se da derrota do seu partido nos Açores.

Isto conta como exploração infantil?

A mãe, uma conhecida relações públicas, incentiva a menina a dar a conhecer a sua vida de luxo.“. Pixie Curtis tem 3 anos.

O impensável crash

Depois daquela manhã tão estranha em que nos foi dado ver, em directo, dois aviões embaterem contra as Torres Gémeas de Nova Iorque, daquele 11 de Setembro que enterrou quase quatro mil pessoas, depois disso viajar de avião tornou-se uma grande maçada. O medo, claro, vestiu a roupa da resistência militante a cada um de nós – sabemos do risco dos jihadistas, mas entendemos que devemos enfrentá-lo porque a vida continua e não a queremos adiada. A maçada são os controlos de aeroporto, as horas de espera, uma seca. Tão grande é a seca que são hoje bastantes os empresários e profissionais de Toronto que, tendo de deslocar-se semanalmente a algumas cidades dos Estados Unidos, o fazem de comboio. Mesmo que a viagem seja de cinco horas, vale a pena porque é mais ou menos o que gastariam em aeroportos e no comboio, de perna estendidas, bem servidos, a poderem ir até ao bar, a baterem uma sestazinha, a irem adiantando o seu trabalho no computador, deitando um olhar preguiçoso e regalado à paisagem. Chegam ao destino repousados e calmos. É a humanização do trabalho. [Read more…]

Afonso

Já me tinha cruzado com ele numa destas noites, a cidade ainda celebrava e uma figura sonâmbula deambulava pelas ruas. Tapava-se com um cobertor como se fosse um manto, caminhava com passos incertos sob o seu cobertor verde na noite fria. Vi-lhe o rosto de relance e não percebi que fosse tão novo, 17 anos de fugas e solidão.  O Jornal de Notícias conta hoje a história do Afonso, o miúdo cigano a crescer sozinho nas ruas, entregue à bondade dos estranhos, à indiferença da maioria, ao descaso das autoridades, à crueldade de quem acha graça a vê-lo alcoolizado. [Read more…]

VEM para onde?

Lomba

Foto@Arrastão

Há umas semanas atrás,  o Secretário de Estado dos saudosos briefings veio apresentar o programa VEM, programa que pretende atrair meia dúzia (vá lá, 40 ou 50, estava a ser mauzinho) de emigrantes da vaga passista que, formados e bem preparados, não tiveram alternativa que não fosse seguir o conselho de Pedro Passos Coelho e abandonar o país. Importa frisar que, a julgar pelas palavras de Pedro Lomba, esta medida atingirá cerca de 0,02% do total de emigrados durante a era Passos Coelho. Não havia memória de tamanho altruísmo.

[Read more…]

Fisco em incumprimento

José Valente

Foto@Global Imagens/JN

Apresento-vos José Valente. Desempregado desde 2012, este cidadão acumulou uma exorbitante dívida de IMI no valor 800€, dívida essa que, juntamente com o atraso de algumas prestações do seu crédito à habitação, lhe custou a casa onde vivia. Segundo o JN, a casa foi posteriormente vendida em leilão e, saldada a dívida, sobraram cerca de 17 mil euros. De despejado a credor do fisco, a situação de José Valente conheceu uma reviravolta no mínimo irónica.

Contudo, e à imagem de outros caloteiros que por aí andam, a autoridade tributária não pagou ainda o que deve ao seu novo credor. E 17 mil euros são capazes de dar jeito a um “desalojado”. Claro que, ocupado como tem andado a penhorar bolos, o fisco continua em incumprimento com José Valente. Isto de honrar dívidas anda pelas ruas da amargura.

Beijar o anel ao padrinho

Miguel Albuquerque: “Passos Coelho tem todas as condições para ganhar as eleições“.

Unam-se, porra

As esquerdas representam-se por vários partidos, aos quais compete, em exclusivo, a determinação da sua estratégia. Não nos incumbe, como signatários deste manifesto e com posições diferenciadas, interferir nessas decisões. Move-nos a obrigação de contribuir para uma solução de esquerda para Portugal, manifestando a nossa opinião, porque queremos promover diálogos com resultados.

Há um manifesto onde se apela “a que os principais partidos da esquerda que recusa sem ambiguidades a austeridade, bem como milhares de independentes e activistas, se associem num pólo político, com uma resposta política clara para toda a gente”. Será eficaz? duvido, mas assinei. Não custa nada tentar.

O manifesto está aqui.

Negócios paralelos?

A reportagem é da Sábado, o resumo é do Esquerda.net. Um ministro, um escritório de advogados e vários assessores sociais-democratas num esquema onde as funções políticas se parecem confundir com negócios privados. Nada de novo portanto.