Todos nascemos parolos

Pieter Bruegel

«Todos nós nascemos parolos. Todos nós, sem excepção. E só por um esforço continuado de aprendizagem, durante toda a vida, aprendemos a sê-lo um pouco menos. Mas todos nós nascemos parolos.»

Esta foi talvez a frase mais memorável que escutei em cinco anos de aulas na Universidade Técnica de Lisboa, era eu estudante em Agronomia. Do lado de lá da janela o Sol iluminava a seara da Tapada da Ajuda, onde os tordos se banqueteavam, acolitados pelas perdizes. Belos tempos, esses.

“Todos nós nascemos parolos”, repeti para mim mesmo. O professor que disse esta verdade nascera assim, e também nós outros seus alunos. O monarca e o presidente, o duque e o gestor, o cardeal e o cientista, o milionário e o indigente, acrescentei em surdina. Parolos, todos, desde a nascença em berço fidalgo, num alpendre miserável, ou numa casa remediada.

Havia justiça neste sarcasmo à condição humana, pareceu-me. Desde o mais altivo aristocrata ao mais boçal delinquente, do mais abjecto filisteu ao mais profundo erudito, todos nascemos iguais em parolice. E somente pelo uso que fazemos das oportunidades que nos foram dadas, ou sonegadas, conseguimos superar (muito a custo, e sempre precariamente!) a nossa natureza inata.

Mas todos nós nascemos parolos.

[na figura: “Retrato de Anciã”, Pieter Bruegel o velho, 1535]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.