AMTP: Mais uma estória de bravos boys laranjazuis

Joaquim-Cavalheiro-PresidenteAMTPCarlos de Sá

Joaquim Cavalheiro passou os últimos cinco anos, ou quase, a presidir a uma entidade que não passa de um nado-morto: a Autoridade Metropolitana de Transportes do Porto (AMTP). Nomeado por indicação de Rui Rio, em Novembro de 2010, cedo deparou com a completa obstrução do governo da Direita – que tomou todas as decisões, em matéria de transportes públicos na área metropolitana do Porto, sem passar cavaco à AMTP, para a qual nunca nomeou os vogais do respectivo Conselho Executivo. Mas isso não fez desistir Joaquim Cavalheiro: continuou a presidir a um organismo sem qualquer utilidade, e a auferir o vencimento de 4.204,20 Euros, pago por 14 meses em cada ano, mais despesas de representação de 1.471,50 Euros pagas por 12 meses em cada ano (fonte: http://dre.tretas.org/dre/281920/).

De saída do cargo (a AMTP será extinta a 09 de Agosto próximo), Joaquim Cavalheiro quis fazer jus aos mais de trezentos mil Euros que custou aos contribuintes, levando à reunião do Conselho Executivo da AMTP uma proposta de última hora, fora da agenda, para sancionar alterações nas linhas da STCP e prolongar a concessão por dez anos – ao encontro das exigências do consórcio espanhol a quem foi dada a subconcessão pelo governo. Para tal, contou com o seu próprio voto e o voto da senhora Ana Isabel Miranda, uma vogal do Instituto da Mobilidade e Transportes, contra o voto do senhor Lino Ferreira, representante do Conselho Metropolitano do Porto.

Assim, nas costas dos autarcas, e nas costas dos utentes (que nem contam nestas coisas), os boys do governo na AMTP acrescentaram mais um frete ao rol de manigâncias de que está pejado o negócio da subconcessão dos transportes.

3 comentários em “AMTP: Mais uma estória de bravos boys laranjazuis”

  1. A culpa do sr. com direito a fotografia para que todos vejam o verme afinal é? ter sido nomeado para uma entidade que os donos não queriam? ter decidido o salario exorbitante? não ter recusado o salario por a org. estar num impasse? não ter extinto a chafarica? ter apresentado custas exorbitantes como o metro do mondego? é que do texto fica pouco claro se o sr é realmente o culpado e digno de chacota publica, muito facilitada por se apresentar a fotografia do verme; ou se os criadores do aborto em 2010 o Cavaco e P. Coelho é que merecem ser questionados.

    1. Na minha terra diz-se que tão ladrão é o que vai às uvas como o que fica à porta 🙂

      Mas já que o sr. em causa optou por aceitar um lugar sem utilidade, podia ao menos feito o que fez com método, levando a proposta que levou sem ser à má fila. Sei lá, tipo agendada.

  2. Vão-se conhecendo os contornos dessa decisão iníqua: mantém no monopólio da STCP linhas que a própria STCP deixou de explorar há anos! Isso impede que outras empresas as explorem, deixando os passageiros apeados.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.