O Processo de Josef K. Sócrates

der prozess

Dificilmente alguém me poderá achar um defensor dos mandatos de Sócrates, como facilmente se constata. Pelo que me sinto ainda mais legitimado para afirmar que o processo de Josef K. Sócrates, há dez meses preso sem acusação, representa a ruína do Estado português. Sim, é o estado que o próprio administrou durante seis anos, sem que tenha resolvido os respectivos problemas crónicos – da mesma forma que não o fizeram nem este, nem os anteriores governos, acrescente-se. Não é esse o ponto. A questão em causa é que a um cidadão, seja ele culpado ou inocente, pode ser retirado um dos seus mais preciosos bens, o tempo de vida em liberdade, sem que lhe seja feita uma acusação concreta da qual ele se possa defender. Pode acontecer a vós, leitores, e lembrai-vos que talvez não tenham a mesma máquina mediática que, um dia, conduzirá este caso à prescrição. Pensai em vós antes de vos regozijardes por um adversário estar preso.

Uma palavra final para o PSD e para o CDS. Talvez ganhem alguns votos no imediato mantendo o tema Sócrates na agenda, como o fazem sistematicamente nos vossos perfis falsos do Facebook e com as sucessivas declarações politicamente correctas a lembrar que não comentam os temas da justiça, como se isso já não fosse comentar e, além disso, até comentando de facto, como fez o vosso avançado Paulo Rangel. Lembrem-se que os vossos telhados de fino cristal não resistirão a uma mão cheia de brita arremessada quando saírem do poder.

[imagem]

Comments

  1. Niko says:

    se eu mandasse a quadrilha era toda presa e investigada .

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.