Manifestação contra o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 (Lisboa, 12 de Setembro de 2015)

Os meus agradecimentos a Artur Magalhães Mateus e José Pacheco Pereira.

Prós e contras está de volta e o tema é demasiado mau para ser verdade

justica

 Margaret Scott/NewsArt

O Prós e Contras está de volta e o tema decorre da pergunta de Paulo Rangel “Teríamos um ex-primeiro ministro preso se o PS fosse governo?” Um programa de televisão, que se auto-define como “um ponto de encontro da cidadania”, decidiu retomar as emissões com um spin directamente saído da Universidade (cof, cof) de Verão do PSD.

Oficialmente, o programa irá esclarecer se “há interferência da política na justiça.”  Talvez Macedo venha à baila. É menos provável que Portas e Passos sejam tema. Mas, seguramente, Sócrates estará omnipresente. Antecipa-se que se assista à continuação da campanha da direita para manter o ex-primeiro-ministro na agenda, com o objectivo de o colar a Costa, assim criando o medo de um segundo resgate –
apesar do último ter sido desejado e defendido pela direita.

Há muito para falar quanto à justiça. Mas escolher uma formulação lançada pela propaganda de um partido é demasiado mau. Novamente fica claro que este programa é um braço do poder, independentemente do partido que estivesse no governo.

Adenda

Quem entrevista os candidatos na RTP é (…) Vítor Gonçalves de sua graça.
Amanhã no Prós e Contras, a irmã de um membro deste governo [Fátima Campos Ferreira / Luís Campos Ferreira] modera um “debate” (LOL) onde se pergunta “Se o PS fosse governo havia justiça?” (não é bem assim, eu sei, mas a ideia é essa). E pronto, é isto.
Agora vou ler umas coisas sobre a Coreia do Norte.  [roubado e adaptado daqui]

Da xenofobia vigente

Nos últimos dias por intermédio das redes sociais, tenho contactado com opiniões compiladas de várias pessoas que estão contra a vinda dos refugiados. Não vou estar aqui a dizer o que é óbvio: que nas redes sociais há muita xenofobia, que todas estas opiniões xenófobas e racistas são baseadas somente em ignorância e que as pessoas que debitam estes disparates são imbecis. Tudo isto são evidências. Para mim o problema, no caso de Portugal, vai para além disso.

[Read more…]

Porque há de facto memória

Excelente recolha de declarações a recordar o desejo e apoio do PSD e CDS quanto à vinda da troika.

Azia geral na coligação de direita

anti-costa

Estafetas do Facebook  em serviço anti-Costa

Depois do debate do Costa/Passos, o exército de comentadores oficiais e oficiosos, incluindo os estafetas do Facebook, viraram a metralhadora ao carácter do Costa. Até aí o prato do dia eram as “provas” da recuperação. Sinais de desespero.

Já agora, sobre o argumento de quem chamou o FMI/etc. é de ler isto: Deixem-se de merdas e contem a verdade aos portugueses: a direita esteve em todas as intervenções do FMI

Cartoline di Roma #1

‘Il passato è un fiume’ o ‘Giuro che me sembrava francese’

Voltar a Roma depois de sete anos (embora entretanto aqui tenha passado de comboio para outras paragens algumas vezes, sem, no entanto, parar) é regressar a um sítio muito familiar. Voltar a Itália depois de dois anos é, definitivamente, regressar a uma casa que é nossa, mesmo se a visitamos apenas de vez em quando. Uma casa onde se conhecem os cantos, mesmo no escuro. Onde nos movemos bem, mesmo de olhos fechados. Uma casa que se entende, mesmo sem acender a luz.

Saio de Lisboa quase às 3 da tarde. Estou com os meus pais apenas umas horas, algumas das quais passamos a dormir. Decidem ambos ir levar-me ao aeroporto, apesar da minha insistência em contrário. Apanho um táxi, repito, para não dar trabalho. Mas o meu pai, apesar dos seus 77 anos, é um homem que não se deixa vencer assim tão facilmente. Se já consegui que não me vá buscar à estação ou ao aeroporto quando chego de noite, não consegui ainda (e espero que o não consiga por mais alguns – muitos – anos fazê-lo desistir do prazer que tem em ir buscar e levar as filhas (faz o mesmo com a minha irmã) a qualquer lado. Às vezes, quando não trago – como agora – o carro para Lisboa, leva-me ao cinema ou onde for preciso, mesmo que eu lhe diga que não é necessário, que vou de transportes públicos. É também o meu pai quem frequentemente se levanta, seja que horas for, mesmo muito de madrugada, para me fazer o pequeno almoço muitas vezes que estou em Lisboa de passagem para algum lugar. É também o meu pai que me faz o café depois das refeições, mesmo que eu lhe diga que não se levante. Há estes rituais de mimo de que gosto tanto e que quero aproveitar sempre, muito e por mais tempo.

[Read more…]