PAF: Passos a Fugir (2)

zina de conforto

Entrevistas de passadeira estendida são sempre manteiga em nariz de cão. Debate onde se seja de facto confrontado é que é melhor não.

Questionado sobre se Passos Coelho irá dar mais entrevistas, Matos Rosa  [director de campanha] diz que a questão está em aberto e que a única recusa foi a participação no novo programa dos Gato Fedorento, na TVI. “A estratégia não se comunica, executa-se”, disse. [P]

E sujeitar-se à “crítica política embriagada” dos Gato Fedorento, jamais.

O primeiro-ministro, Passos Coelho, não vai estar presente no programa Isso É Tudo Muito Bonito, Mas (…) “Acho que a única esperança é convencer a chanceler alemã, Angela Merkel, a vir ao programa. Conhecem aquelas varejeiras que andam sempre atrás das luzes roxas”, questionou Ricardo Araújo Pereira, na conferência de imprensa de apresentação, sempre pontuada pelo humor. “Nesta metáfora, Merkel é a luz”. [Sábado]

Quem é que uma vez recomendou que saíssemos da zona de conforto? Pois. Aplica-se à personagem. Suspeito que o medo de Passos em ir a este programa venha a ser tema para durar.

Comments

  1. JgMenos says:

    Já não faltava a palhaçada de debates orquestrados por jornalistas armados em controleiros para agora haver palhaços a brincar à política.

    • j. manuel cordeiro says:

      Concordo plenamente. É um complô. E como se não chegasse, ainda vêm esses chatos meterem o dedo na ferida. Uma chatice. Acho que só devia haver aquelas entrevistas fofinhas sem contraditório.


  2. A saída da zona de conforto dá nisto.
    Não sejas piegas!

    No muito democrático RU lançam-se ovos.

    E os tomates, por onde andam no rectângulo?