Olhares sobre as legislativas 2015: Paulo Guinote

Paulo Guinote

Quero, com a mesma convicção que em 2011 queria o afastamento do engenheiro Sócrates da governação, que a coligação seja derrotada e afastada do poder.

Mas não o quero para regressar ao passado ou para dar ao PS uma maioria que lhe permita ficar com as mãos soltas.

Como em qualquer democracia estável, acho que os governos de coligação são mais fiéis à vontade plural da maioria dos eleitores e não gosto de truques para dar poder absoluto a quem tem 35-40% de votos expressos.

Com gente no governo ou apoio parlamentar, acho que deve existir pela primeira vez em Portugal, como aconteceu agora com estes neo-liberais estatistas de 3ª ordem (só é aparentemente um paradoxo, como o comunismo capitalista chinês), um governo em que se aliem os partidos de centro-esquerda de forma que se respeite o programa do maior partido, mas sem que os mais pequenos tenham de ceder em tudo.

Pelo que acho que é tempo das vestais do PS -os Lellos, os Sousa Pintos, aqueles que andam em torno de Maria de Belém sem ser apenas por desforra contra António Costa – manterem as roupas bem vestidinhas se existir uma aproximação real ao Bloco e ao PCP, em vez de apostarem no peronismo do Marinho Pinto ou na cisão bloquista europeísta que é o Livre como bengalas para chegarem ao poder. Porque. queiramos ou não, o PCP e o Bloco que resta (o pessoal da UDP, fundamentalmente) conhece muito melhor o país do que os habituais frequentadores das tertúlias televisivas dedicadas ao comentário político.

Acho que fui claro. Podem sempre cobrar-me na volta do correio, em 2019 ou lá quando for.
Porque se um tipo conseguiu sobreviver a um governo de 4 anos com criaturas como aquele Maçães lá dentro, não há que recear seja o que for.

Comments

  1. Rui Moringa says:

    Muito bem.
    Porque se haveria de cobrar algo em 2019 sobre esta sua posição ideológica-política?
    A linha de pensamento é muito racional com um pitada de sentimento.
    Estamos habituados ao contrário.
    “A ver vamos como diz o cego…”

  2. Carvalho says:

    Não acredito em alianças de esquerda. Não estou a ver o PCP num governo liderado por um gajo que foi o nº 2 do desgoverno de Sócrates e que, feitas as contas pós-Seguro, não é, eticamente, superior ao pseudo-engenheiro. O que ele fez ao Seguro é digno do maior javardo político.

    Para mais, tenho a certeza que a escumalha que lixa este país há 4 anos vai voltar a ganhar. Porquê? Porque o povo português é composto por uma maioria acéfala e bronca. Logo, após 4 anos de lixarem e roubarem o povo, qual seria a coisa mais estúpida que o mesmo povo poderia fazer? Isso mesmo, votar nos mesmos que o lixaram. E é isso que vão fazer.

    • Ferpin says:

      O que o Costa fez ao seguro é o que farão ao Costa se ele perder as eleições.
      Quer queiram quer não, o resultado das europeias foi um vitória de Pirro. O cavaco a meio do mandato levou uma coça nas europeias e depois teve maioria absoluta.
      Naquelas circunstâncias, ter aquele resultado após tudo o que o passo fez ao povo era uma derrota.
      E assim pensaram muitos que no ps “obrigaram” o Costa a avançar ( passa-lhe pela ideia que o Costa avançou sozinho, sem milhares de importantões a empurrá-lo?)

      Da mesma forma, os resultados que o Costa apresenta soa uma porcaria. E culpa dele próprio que está a fazer uma campanha de caca.

      O governo não tem um único indicador que tenha melhorado, um único! e tem tanto voto do tuga? Incrível.


      • Costa avançou porque, acima de tudo, foi “pressionado” por muita gente que nem era/é militante ou votante no PS.

        Estavam fartos do governo, zangados. E Seguro oferecia-lhes nada- uma oposição violenta (?!!) e um “qual é a pressa? qual é a pressa?” Oferecia-lhes, ainda, um consenso/compromisso(?) com PSD/CDS, tão ao gosto de Cavaco. Para a estabilidade e confiança dos credores….

        A. Costa avançou quando poderia estar muito confortável na Câmara de LX, a continuar um bom trabalho. Por isso, merece a admiração de muita gente, eu incluída.

        Se vai conseguir? Não sei.

        A manipulação e a agit prop de muita comunicação social e comentadores “independentes” têm força.

        O silêncio ensurdecedor de parte do PS é ainda pior. A sua “vingança” move-se nos bastidores e no exterior, com o Eurico Brilhante a afirmar que preferia Seguro como 1º ministro; o Carlos da UGT a lançar uma frase “batida” e de mau gosto; a Mª de Belém a mover-se como putativa candidata às presidenciais ; Sócrates a criar ruído….e tantos outros calados, à espera da desforra.

        A. Costa está, praticamente, sózinho no PS. É 1 homem culto e inteligente, com pouca prática em “arruadas” e discursos bacocos de campanha eleitoral.

        Estarão os portugueses com ele, apesar de tudo?

        A 4 de Outubro saberemos.

  3. Ana Moreno says:

    Quero consigo e com a mesma convicção! Votem no que quiserem desde que seja à esquerda (também vale o Livre), porque é preciso coragem e força para comunicar que as receitas neoliberais não funcionam, que o desemprego e a austeridade à custa de quem já tem menos estão a arrasar o país! Seria quase um milagre se desta vez mais pessoas, em vez de quererem mostrar que são bem comportadinhas e desesperançadas, arriscassem um voto de “assim não!”, juntando-se aos outros países do Sul da Europa, que já estão a dizê-lo. “Quem luta pode perder, quem não luta, já perdeu”.


  4. De acordo com o post.

    Não defendo maiorias absolutas. Basta ver as que tivémos.

    Maiorias absolutas não dão trabalho,e não representam a voz de outros eleitores. Acabam sempre por distorcer a realidade.

    A política é isso mesmo – se dá trabalho não ter maioria absoluta e ter de fazer acordos aqui e ali? Dá. E ainda bem. Saem os eleitores e o país a ganhar.

    A conversa da “estabilidade” é propaganda.

    Qual estabilidade? Para quem?

    Nota: A perspectiva de viver e trabalhar neste país com mais 4 anos de PAF é um pesadelo, pior do que em Elm Street.Ter o Seguro no PS seria outro pesadelo.

    • Nascimento says:

      ” pior do que em Elm Street”??? A sério’ MAS OLHE QUE É DOS FILMES MAIS VISTOS.EHEHEHEHEHEH….
      PREPAREM-SE!!! OK?

  5. motta says:

    A culpa nem é do Costa. Os ausentes da campanha não estão ausentes da cabeça das pessoas. Essas vestais (e outros que tais) foram/são tão mazinhas, mas tão mazinhas, que ainda vamos ter de suportar mais uma legislatura para lavar a alma.

Trackbacks


  1. […] com o Paulo Guinote – cujo regresso à blogosfera, via Aventar, se saúda – na defesa de um governo de esquerda, partindo do princípio de que, como tudo indica, […]


  2. […] Fonte: Olhares sobre as legislativas 2015: Paulo Guinote […]


  3. […] Olhares sobre as legislativas 2015 […]