Marcelo Rebelo de Sousa não é Pedro Passos Coelho

MRS

Após a há muito anunciada esmagadora vitória eleitoral de Marcelo Rebelo de Sousa, o que resta do exército PàF, acantonado à direita e agarrado a um discurso radical, que de resto foi ontem criticado pelo novo presidente da República no seu discurso de vitória, acredita que o resultado ontem obtido por Marcelo representa uma nova distribuição dos eleitores que pouco mais do que 38% dos votos deram à coligação PSD/CDS-PP em Outubro passado. Sobre estes delírios, cito a minha camarada aventadora Daniela Major:

As pessoas não votaram em Marcelo porque Marcelo é do PSD. As pessoas votaram em Marcelo porque ele é uma figura simpática, que sempre teve uma presença mediaticamente fortíssima e que sempre tentou passou a ideia de um intelectual acessível e disponível (que até aceito que seja, salvo o epíteto de “intelectual” – acredito que  nem ele havia de apreciar), logo uma pessoa com “as competências necessárias para ser Presidente”.

É que é tão simples quanto isto. O Expresso ainda tentou alimentar o coro com uma notícia intitulada “PS: há 94 dias a perder eleitores“. O mesmo Expresso que um mês antes publicava uma sondagem na qual o PS crescia e ultrapassava o PSD. Mas ninguém no seu perfeito juízo acredita verdadeiramente que isto foi uma segunda volta das Legislativas. Então o Marcelo não era o catavento? Uma comédia, estes PáFs.