Brasil, o fim da linha para Dilma e Lula da Silva?

Os acontecimentos no Brasil dominaram a semana política em Portugal, o que não aconteceu em nenhum outro país, à excepção do Brasil é claro. E começando precisamente por aqui, subsistem ainda resquícios de paternalismo colonial, não por acaso partilhado com outros países e cidadãos europeus em assuntos relativos às suas antigas colónias. O primeiro erro dos europeus é arrogarem-se insuportavelmente como civilizacionalmente superiores, julgando os povos dos outros continentes à luz dos seus valores políticos e filosóficos. Apesar de séculos como colonizadores, raramente compreendem os povos árabes, asiáticos, africanos, ou latino-americanos, resultado da incapacidade de verem para além do seu umbigo, que levaram em meados do sec XX os povos colonizados a inúmeras revoltas e lutas pela independência no mundo inteiro, para se libertarem de governos europeus e colonos que tratavam nativos como servos e ainda consideravam estar a praticar o bem. Após desastrosas intervenções no exterior, o velho continente está a braços com tragédias humanitárias que mais não são que consequências da sua desastrosa política de tentar levar a democracia a quem não a quer, deseja ou compreende.

Os últimos acontecimentos indiciam que Lula da Silva tenha mais dificuldade em livrar-se da lava jato que teve no caso mensalão. Dilma Roussef é neste momento uma presidente impopular, cerca de 65% por cento de brasileiros pede o impeachment, embora por si só isso não o justifique ou seja suficiente. No entanto para os comentadores de esquerda portuguesa, para quem tudo é sempre preto ou branco, em particular os da esquerda caviar, tudo não passa de orquestração da direita revanchista. Nem percebem o ridículo a que se expõem. Os protestos são genuínos e se alguns tentam aproveitar ou cavalgar a onda, acabam eles próprios trucidados. Como explicam os teóricos de conspiração por parte do PSDB que Aécio e  Alckmin tenham acabado vaiados na av. Paulista no passado dia 13? Misturam o que nada tem a ver, que Lula tirou milhões da pobreza, por isso não deveria estar ser investigado, só falta dizerem que lhe deveriam erguer uma estátua. Na verdade Lula não promoveu o desenvolvimento industrial brasileiro, o Movimento dos Sem Terra continua sem as terras, à espera da prometida e sempre adiada reforma agrária. Os governos PT na verdade apostaram no aumento do mercado interno, com uma prática de atribuição de subsídios, conquistando uma fatia de cidadãos para a sua militância, precisamente os que agora defendem nas ruas a permanência de Dilma no poder. É um programa que pode funcionar quando existe crescimento económico, mas que inevitavelmente colapsa em tempos de crise. Mais uma vez não compreendem em Portugal a essência dos problemas no Brasil. O brasileiro médio não suporta mais o PT, porque olhou para o PT como esperança de resolução dos seus problemas, uma vez no poder o PT preferiu resolver o problema dos seus, comprando a cumplicidade e silêncio de muitos adversários quando necessário,  por isso o brasileiro médio não suporta mais a classe política, toda ela envolta em suspeita de corrupção. É aqui que entra em cena o poder judicial, farto de corrupção o cidadão comum clama por justiça, o que propicia o aparecimento de justiceiros. Uma vez mais li a partir de Portugal que o juiz não poderia ter divulgado escutas, que tomou partido. É verdade que o juiz Sérgio Moro cometeu uma série de ilegalidades, mas desafiando o poder político e conquistando para si o apoio popular, garantindo em simultâneo que o seu trabalho não será colocado em causa pelo poder do PT nos bastidores, pois uma vez divulgadas o teor das escutas até poderá não ser considerado no Supremo, mas também não será ignorado na opinião publica. Tal não significa no entanto alinhamento com a Direita brasileira, mas uma luta entre órgãos de soberania. Não são poucos os políticos da oposição a contas com a Justiça e quanto a esta, há que ter sempre presente que o sistema judicial brasileiro nada tem a ver com o português, por isso opinar sobre práticas ou legitimidade à luz do Direito português é comparar água ao azeite.

Não creio que o regime democrático possa estar em causa ou que os militares tenham vontade de intervir, mas os tempos são propícios ao populismo, seja de esquerda ou direita, não estou é a ver algum político brasileiro conquistar as massas nos tempos mais próximos.

Comments

  1. Helena says:

    Desculpe, mas o juiz Moro NÃO cometeu ilegalidades. A divulgação das gravações foi solicitada pelos procuradores federais, autorização foi pedida e concedida pelo Procurador Geral da República e tal divulgação é PROCEDIMENTO LEGAL. O juiz Moro está coordenando a Operação Lava Jato há dois anos, e todas suas decisões foram contestadas no Supremo Tribunal Federal – e destas, 97% foram corroboradas e confirmadas pela Corte Suprema, mesmo estando esta aparelhada por juízes escolhidos por Lula e Dilma. O juiz Moro é exemplar no cumprimento da Lei, e dizer que ele age ilegalmente é falso, NÃO procede! O PT está agora fazendo uma campanha mundial de calúnia ao juiz, por favor informe-se e não participe de tal horror!


    • Longe de mim querer atacar o juiz Moro, a ilegalidade que falei foi a divulgação das escutas, não a sua realização, essa perfeitamente legal. Convém não esquecer que é Lula quem está a ser escutado e não Dilma, o que não é irrelevante do ponto de vista do processo. http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/03/160317_juristas_grampos_jp
      O que ninguém questiona é que as mesmas demonstram que o PT está a tentar condicionar a Justiça e que Lula da Silva e Dilma Roussef deram um enorme tiro no pé.
      Mas existe mesmo uma disputa entre poder judicial e poder político no Brasil, com a opinião pública a ter mais confiança em juízes que nos políticos e aqui não é um exclusivo do PT…

      • Helena says:

        Obrigada pela resposta, mas mesmo a divulgação é um procedimento legal. Veja aqui:
        http://www.oantagonista.com/posts/dallagnol-esta-longe-de-ser-idiota.
        O juiz Moro apenas cumpriu a ordem do Procurador Geral da República, atendendo a solicitação dos procuradores.

      • Nascimento says:

        Claro que longe de ti atacar o Sr juiz. Aliás os cães adoram salivar…e as cadelas.
        Daqui a um tempinho veremos onde isto tudo vai parar. E depois veremos onde param os “justiçeiros/as” que aqui botam discurso .

  2. Nightwish says:

    “No entanto para os comentadores de esquerda portuguesa, para quem tudo é sempre preto ou branco, em particular os da esquerda caviar”

    A falta de espelhos leva-o sempre a dizer o mesmo disparate.


  3. Não fazia ideia que Dilma e Lula descendiam de Índios? Esta história de achar que os povos da América se tornaram independentes é desconhecer a História. Quem está no poder na América (económico, político, social), são os colonizadores que cortaram o cordão com a Terra de onde vieram. Os índios nunca tiveram voto na matéria. Não há assim complexo de colonizador/colonizado, porque os colonizadores são os que lá ficaram.


  4. Dilma é filha de um búlgaro e a mãe não podia ter sobrenome mais português: Coimbra Silva.

  5. A.Silva says:

    Olha, hoje os reaccionários cá do blogue resolveram bolsar todo seu ódio para cima do pessoal.