Como se faz uma escola?

6a00e54f8422f488330120a67f5ca3970c-800wiApesar de o ponto de partida poder induzir em erro, a reportagem sobre a Escola Básica 123 do Curral das Freiras deve ser lida com muita atenção, porque proporciona ensinamentos acerca do modo como as escolas se devem organizar para ajudar os alunos provenientes de meios desfavorecidos. Proporciona ensinamentos a quem queira aprender, entenda-se.

Explico-me, antes de mais, acerca do ponto de partida: a reportagem só acontece por causa dos resultados dos exames, insistindo, portanto, na ideia de que estes servem para avaliar a qualidade do trabalho das escolas (o próprio título da peça é indicador desse tique: “Escola da vila mais pobre da Madeira é uma das melhores do país”).

Seja como for, apesar da intoxicação (des)informativa que dura há anos, sabemos que os resultados dos exames estão associados, na esmagadora maioria dos casos, ao estatuto socioeconómico/sociocultural dos alunos. Se há uma escola em que os resultados são melhores do que o esperado, isso merece realce.

Vale a pena, então, ler a reportagem e, de caminho, visitar a página da escola. Sem prejuízo da leitura, note-se que a escola tem apenas 300 alunos, o que lhe confere uma dimensão que permite alguns luxos a que outras escolas não têm acesso. Uma rápida consulta permite, por exemplo, confirmar o baixo número de alunos por turma: nos segundo e terceiro ciclos, a turma com mais alunos é o 8º A, com 21 alunos.

Nada disto retira mérito a todos os actores presentemente ligados a esta escola, mas não podemos iludir o facto de que, por ter o azar de ficar numa zona isolada, pôde sobreviver a febres como a dos mega-agrupamentos e do aumento do número de alunos por turma, mantendo uma dimensão que lhe permite combater os problemas de modo mais eficaz. Provavelmente, um gestor-economista-empreendedor-consultor concluiria que dois professores e um funcionário seriam mais do que suficientes para três centenas de alunos, o que não seria um problema se não fôssemos, há anos, governados por gente dessa.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.