Sem contraditório: a TVI24 ao serviço da direita liberal

Medo TV

via Uma Página Numa Rede Social:

TVI24, programa Política Mesmo, que acabou há minutos. O tema foi o Orçamento de Estado de 2016 e reuniu um painel de comentadores, com dois jornalistas a moderar o debate.
Cenário do debate: instalações da Deloitte, a consultora financeira usada por grandes empresas para aproveitar todos os buracos da lei fiscal. A Deloitte é especialista numa prática conhecida como “engenharia fiscal” que, basicamente, consiste em usar todas as formas legais e para-legais de fuga ao fisco. Neste debate, dentro das instalações da Deloitte, a consultora financeira surge como uma espécie de patrocinadora do programa, com direito a product placement no cenário de fundo. Começou mal.
Presumir-se-ia que, entre os comentadores, encontraríamos especialistas de várias áreas políticas, conferindo pluralidade de opiniões e contraditório, certo? Pois bem, a TVI24 achou melhor não fazê-lo e escolheu um painel só com pessoas do espectro neo-liberal mais à Direita que encontrou. Preparava-se uma sessão de porrada nas políticas de justiça social e redistribuição de rendimentos, sem qualquer pessoa para defender o outro lado da questão.

Os caceteiros de serviço foram:

– Jorge Marrão, sócio da Deloitte que, neste momento, está envolvido no processo movido pela Pharol, antiga PT SGPS, por alegadamente ter feito um péssimo trabalho como auditora da PT. Lembram-se de quando a PT perdeu quase mil milhões euros, que investira na Rioforte? Pois bem, a Deloitte era responsável pela auditoria que teria revelado a falência da Rioforte e teria impedido este ruinoso negócio. Apesar deste fracasso, Jorge Marrão é um dos “especialistas” que esteve a comentar o Orçamento de Estado.

– João Salgueiro, figura histórica do PSD, ex-Subsecretário de Estado do Planeamento, de Marcello Caetano, e ex-Ministro das Finanças, de Pinto Balsemão.

– José Manuel Fernandes, empresário e o homem escolhido pelo Governo de Passos Coelho para liderar a comissão de fiscalização da privatização dos Estaleiros de Viana do Castelo.

– António Saraiva, presidente da CIP (leia-se, o sindicato dos patrões). Há dias, Saraiva convocou os seus amigos da Confederação do Comércio e da confederação do Turismo e foram todos protestar contra o actual Governo. Exigiam mais contratos a prazo, mais despedimentos e mais limites à greve. Hoje, Saraiva surgiu como comentador do Orçamento de Estado do Governo contra o qual protesta.

– António Costa, o “jornalista” que, aqui, surgiu como um dos “moderadores” do debate. Costa é uma espécie de pau para toda a obra dos milionários que compraram metade do país, durante a época de saldos das privatizações do Governo anterior. É o braço direito de Isabel dos Santos e, como prémio pelos serviços do seu empregado, a filha do ditador angolano ofereceu a Costa o lugar de director da revista Forbes Portugal.

E foi assim, com um grupo de adversários políticos da Esquerda, que a TVI24 preencheu cerca de 40 minutos de lavagem cerebral, propagando a opinião de um grupo de neo-liberais que defenderam, em uníssono, que o Estado Social prejudica a vida das pessoas. Segundo estes comentadores, as empresas que fogem ao fisco e que pagam salários miseráveis é que são amigas do país. E não estava lá pessoa alguma que pudesse contestar esta absurda concepção de modelo económico e social.

Interessante, não é?

Comments

  1. Joam Roiz says:

    Se este governo fosse assim tão à “esquerda” como a “direita” nos quer fazer acreditar, no mínimo, a TVI não se livrava de uma multa pesada. E, em caso de reincidência, da imediata cassação da licença de emissão. O pior é que também vemos a televisão pública, paga por todos nós, a fazer muitas vezes o mesmo.

    • Rui Silva says:

      Boa Joam , tal Hugo Chaves, viva a liberdade silenciar a expressão.

      cps

      Rui SIlva

      • Edgar Carneiro says:

        Esta sistemática escolha de “comentadores” é bem um exemplo da “liberdade de expressão” que existe na generalidade dos órgãos de informação.

      • José Peralta says:

        “Eu não tenho qualquer problema com a “velha senhora”. Salazar sempre foi mais sério”. (Rui Silva )

        Rui Silva

        Para quem tem a cabeça formatada pelo “chapéu de côco” salazarista, sabe de cór e salteado como se silencía a liberdade de expressão !

        E para si, usando uma linguagem “futebolês” que talvez o seu “chapéu” assimile melhor, pôr seis adeptos do Sporting a atacar o Benfica (ou vice-versa) sem a presença de igual número de “atacados” fazendo o contraditório, é a “isso” que você chama “liberdade de expressão” ! (E “democráticamente” enche a boca com ela ! Veja lá, não se engasgue…)

        • José Peralta says:

          Em tempo :

          Por lapso, atribuí ERRADAMENTE a Rui Silva, esta frase : “Eu não tenho qualquer problema com a “velha senhora”. Salazar sempre foi mais sério”.

          Lamento por isso, mas reitero que a “formatação chapéu de côco”, é a mesma…


        • ahahahahaha 🙂

          • Rui Silva says:

            Vejo que a mentira que este individuo escreveu o divertiu !
            Aquilo a que achamos piada diz muito de nós próprios.

            cps

            Rui SIlva


          • Não Rui: é mesmo você que me diverte. Uma jóia de moço 🙂


      • E vivam os debates de opinião em que os opinadores defendem todos o mesmo!

        • Rui Silva says:

          Você pode dar uso ao comando remoto e mudar para um outro canal. Isto é que é liberdade. Liberdade não é fechar um canal. Isso é prática para paises como a Turquia, Coreia ou Venezuela etc, etc.

          RS

          • Joam Roiz says:

            Se há alguém aqui a querer “silenciar a expressão” é o sr. Rui Silva. Era bom que compreendesse, de uma vez por todas, que a liberdade de expressão virada só para um lado não é liberdade de expressão, é censura. A liberdade de expressão pressupõe a possibilidade de exercício do contraditório. Quando a TVI chama para um debate (?!!) só pessoas do mesmo espectro político, está a violar os princípios democráticos, em geral, e a Lei da Televisão, em particular. Se a entidade reguladora não pune os prevaricadores, não está a cumprir a sua função. Caberá, no exercício de uma cidadania activa, então, a cada um de nós denunciar esse facto. Devo aqui registar que o Professor Carlos Magno foi designado para presidente da ERC pelo governo de Passos Coelho. Desde o princípio a sua nomeação não agourava nada de bom, já que ao longo da sua carreira anterior de jornalista e de comentador político esteve sempre alinhado com os diversos projectos políticos da direita. Se isso, por si, é legítimo, já para a presidência da ERC deveria constituir um sério impedimento. A presidência da ERC deverá ser sempre ocupada por uma personalidade reconhecidamente independente, capaz de manter alguma equidistância face à luta partidária. Na verdade, já está na altura de substituir o Professor Carlos Magno das funções de presidente da ERC e substituí-lo por alguém com a capacidade para exercer o cargo com um mínimo de isenção.

          • Rui Silva says:

            Pelo seu conceito de Liberdade de expressão, aqui este blog e outros do género devia ser fechado , ou devia ser obrigado pela ERC a ter blogers que não sejam socialistas/comunistas.

            Não Joam Roiz, você e todos os que clamam mais proibições e intervenções do estado todo o poderoso, são os inimigos da liberdade, em resumo “não são Charlies”.

            cps

            Rui SIlva


          • Como se um viciado no Aventar como o Rui não soubesse que por cá temos gente de direita liberal. Você às vezes consegue ser mesmo idiota!

          • Joam Roiz says:

            A sua tática é já muito conhecida: chamar comunistas a todos os que não partilham das suas ideias, como se o comunismo fosse uma peste e ser comunista uma espécie de lepra. O senhor Rui Silva, está ao nível de um Franco ou de um Pinochet. Nas suas mãos, coitados dos quase um milhão de portugueses que votaram no PCP e no Bloco de Esquerda. Se pudesse, o senhor perseguia-os e gaseava-os a todos como Hitler fez com os judeus. Mas com uma agravante: ainda se auto-proclamava, no fim, defensor e lidador de todos os democratas portugueses. Estamos conversados. E não me venha a seguir com o Estaline ou com o Mao. Eu, que mais do que comunista, sou antes de tudo um proto-marxista, não fiquei parado nos anos sessenta do século passado. Mas sim, considero absolutamente fundamental a intervenção do estado na economia para procurar atenuar, quanto possível, os desmandos do sistema capitalista.

          • Rui Silva says:

            Você deve defender-se dos desmandos do capitalismo. Emigre.
            Há bons sítios, sugiro-lhe: Corei do Norte ( não confundir com Coreia do Sul ,onde as pessoas passam fome devido ao Capitalismo), Venezuela, Cuba.

            cps

            Rui SIlva


          • Amem Joam Roiz!

          • Joam Roiz says:

            Senhor Rui Silva: – Já dizia a minha Avó que “você” é termo de estrebaria. Os amigos, tratam-se por “tu”. Os simples conhecidos e os desconhecidos por “senhor” ou “senhora”, de acordo com o género. Um mínimo de educação e de cortesia fica sempre bem em qualquer lado. Quanto a emigrar, o seu conselho não tem nada de original. A sua litania é por demais conhecida e os seus “amigos” Passos e Portas anteciparam-se. Os portugueses gostaram tanto do conselho que não descansaram enquanto o não viram pelas costas. Mas o senhor podia ter indicado outros países para emigrar: Índia, Tailândia ou Singapura, exemplos de capitalismo avançado onde ninguém passa fome. Mas já é preciso andar muito cego para não ver fome nas casas de muitos portugueses. Coitada da Isabel Jones que vai ficar sem emprego.

          • Rui Silva says:

            Caro Sr. Joam Roiz,
            A sua avó se não era aristocrata tinha todos os tiques. Mas neste particular você e a sua avó tem toda a razão. Portanto vou tentar trata-lo com a deferência que o sr. sugere.
            Em relação à fome, não concordo consigo. Pelo menos na zona onde vivo ela não existe.
            E sabe o sr. porquê?
            Porque se existisse todos tratariam de fazer alguma coisa para ajudar quem estivesse nessa situação. A entre ajuda é fundamental entre pessoas de bem.
            E admira-me que o sr. que se auto-intitula de proto-marxista não seja proto-acabar-com-a-fome.
            Provavelmente já está cansado de tanta luta contra a Jonet(essa aristocrata-burguesa que tenta alimentar quem precisa), da luta pelas 35 horas da função pública (luta justissima que tenta promover a igualdade com os privados ) etc.

            cumps

            Rui Silva

          • joão lopes says:

            vá para o brasil
            e divirta-se com a Globo.

          • Joam Roiz says:

            A minha Avó, senhor Rui Silva, não era aristocrata nem tinha tiques de aristocrata. Tinha educação, coisa que o senhor, vê-se, continua a não ter [ “(…) mas neste particular ‘você’ e a sua Avó tem toda a razão (…)” }. O senhor, mesmo quando finge mostrar educação, estala-lhe logo o verniz. Na sua zona, diz o senhor Rui Silva que não há fome. Resta saber até onde estende o “seu” conceito de zona. À sua rua? Ao seu bairro? À sua cidade, vila ou aldeia? Ou a “sua” zona é um condomínio fechado, com segurança privado à porta e câmaras de filmar? Aí, é natural que não veja fome, só que o olhar fica curto. Mesmo não sendo oftalmologista, atrevo-me a aconselhar óculos de ver ao longe. Quanto à senhora Isabel Jones, aos bancos alimentares e aos chamados refeitórios ou cantinas sociais ( uma espécie de “sopa dos pobres” salazarista, adaptada aos novos tempos “democráticos”), diz a moral desde os primórdios do cristianismo (além de proto-marxista, também sou cristão): “não digas a uma mão o que fazes com a outra”. A caridade é do foro privado e provém da compaixão (“dá de comer a quem tem fome” – fome material e fome espiritual). Só que no mundo, literalmente falando, a fome é de muitos e são muito poucos os que têm compaixão. Por isso, é ao Estado, a quem compete zelar pelo bem público, que cabe o dever de criar as condições necessárias para que os seus cidadãos se possam alimentar e viverem com dignidade sem terem de recorrer à compaixão, quantas vezes negada, dos outros. A partir de agora, já é tempo de me ir embora e, se for o caso, deixá-lo ficar de vez a falar sozinho. Mas, creia, despeço-me de si, senhor Rui Silva, com toda a minha compaixão.

          • Rui Silva says:

            Caro Joam Roiz,
            Estalou o verniz !
            O que diria a sua avó ? Virar as costas ! Deixar o seu semelhante a falar sozinho, não é dum aristocrata tão bem educado, como a sua avó se esforçou por conseguir.
            Mas deixemos a forma e vamos ao conteúdo, só para finalizar.
            Meu caro , é muito fácil ser proto-Marxista, cristão e depois não fazer nada para ajudar o seu semelhante. Caso na minha vizinhança houvesse fome, não só eu como muitos mais logo nos organizaríamos para ajudar.
            Mas um proto-Marxista, cristão, o que é que faz? Protesta contra o Estado, conseguindo assim um duplo efeito:
            1ª) Luta contra a democracia tentado enfraquece-la na esperança da instituição da Ditadura Marxista, que como se tem visto não tem concorrência no que à criação de fome diz respeito.
            2) Fica de consciência tranquila porque não tem que fazer absolutamente nada para ajudar o próximo. Racionaliza o problema pensando :
            “os ricos que ajudem, eu nunca sou suficientemente rico para ajudar, e além disso, eu determino que essa função é do Estado, portando a minha ajudo fica-se pelo campo ideológico e pela compaixão”.

            cumps

            Rui SIlva


          • Ninguém lhes nega a liberdade de usarem um meio de comunicação supostamente isento como veículo ideologico. Mas isso não invalida que sejam óbvios os interesses que este tipo de comentário encerra.

      • Franco José says:

        Por não se combaterem os excessos vejam onde chegou o Brasil onde o PIG(partido da Imprensa Golpista) distorce, mente, inventa para destruir Lula e tirar o poder a Dilma…

        • Rui Silva says:

          Fiquem lá com essa tralha e guardem-na bem para vocês.
          Nós já cá temos a nossa cota parte desse tipo de políticos.

          cps

          Rui SIlva

          • joão lopes says:

            nós cá,nada…se esta mal, mude-se.emigre,siga os conselhos do passos…

  2. joaovieira1 says:

    Estes conhecidos representantes da direita liberal, aliás, como muitos outros, foram arrastados por Passos Coelho, Portas e Cavaco para a tomada de medidas extremamente radicais que fizeram e, ainda, fazem “sangrar” muitos portugueses/as. Agora que o diálogo político teve um alargamento inesperado à esquerda, viraram neo-liberais para defender, mais uma vez, com intransigência, os seus interesses corporativos e de classe. É mais que notório que as promessas dos últimos 5 anos foram uma ilusão e os resultados obtidos, uma obscenidade social e política. Na verdade, torna-se quase impossível, estabelecer consensos com políticos e partidos que, representando apenas um pouco mais de 1/3 do eleitorado, mostram uma permanente indisponibilidade para o diálogo político alargado, indiciam em tudo o que pensam e fazem, uma incapacidade de renúncia ao seu modo de actuação tradicionalmente arrivista, inamistoso e pseudo-durão (o que parece atávico e insuperável) e, imagine-se, tendo votado, maciçamente, em Marcelo, são incapazes e hipócritas ao ponto de não acompanhar o actual PR na sua viragem ao consenso possível, ficando, exclusivamente, amarrados aos problemas de médio e longo prazo da dívida e do déficit, que não alimentam, não educam, não formam, nem cultivam, hoje e aqui, os mais carenciados e desprotegidos.

  3. Paulo says:

    Tenho reencaminhado diversos tesouros dos nossos média ao presidente da ERC, pofessor Carlos Magno mas… Até agora não tem tudo tempo de me responder… presumo?…

    • Rui Silva says:

      Caro Paulo,

      Será que podia partilhar alguns dos que enviou ?

      cumps

      Rui Silva


  4. … e apesar de tudo, o João Salgueiro ainda despejou uma boa série de apertos de orelhas no António Costa “jornalista”… Umas “ensinadoras”, digamos assim…

  5. adeus passos says:

    é impressionante o que alguns dos comentadores acima fazem para branquear que o painel da tvi foi uma vergonha e foi unilateral. como tem sido frequente na tvi e não só.