Bilhete do Canadá

Grande tem sido o alarido na comunicação social por causa da prestação gratuita que Diogo Lacerda Machado tem dado a vários dossiers quentes da economia, a pedido do ministro António Costa.

Para tudo é preciso sorte, até para andar na política.

Que o diga Passos Coelho, entronizado secretário geral do PSD pela diligência (proclamada) de Marco António Costa, e que levou para o governo Miguel Relvas quando subiu a primeiro ministro.  Marco António tem um farfalhudo rabo de palha na Câmara de Gaia e Miguel Relvas, para além de ter vigarizado uma licenciatura, tem rabos de palha vistosos em vários sectores do país, do Brasil e de Angola.

Que o diga, também, Paulo Portas que, depois de tantas trapalhadas que arranjou pela vida fora, é agora vice-presidente duma organização representativa dos industriais, diz que de borla. Como se essa corista da política, que só aceita trabalhar em palácios, vivesse do ar.

Em nenhum dos dois casos houve alarido na comunicação social nem deputados apareceram a exigir provas.

Moral da história: Pedro Passos Coelho e Portas são uns sortudos, porque a comunicação social é uma lástima e o parlamento um pátio.

Comments

  1. Henrique says:

    Mais surreal é do ex-secretário de estado, contratado a peso de ouro (dizia-se que tinha uma prestação da casa elevada) pelo bp para o embrulho do bés e que não podia ser contatado por arguidos do seu ecossistema e relações.
    Ainda está ao serviço, certo?

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.