A Bósnia como exemplo da Realpolitik

jugoslavia_siria

Renato Gonçalves

Em 2013 estive na Bósnia, passando a fronteira terrestre com a Croácia, e percorri ao anoitecer a estrada até Bihać, cidade de maioria muçulmana situada a Noroeste. Ficou-me na memória os vultos constantes de homens sentados à beira da estrada, como se estivessem sempre ali, e as casas degradas, ou em (re)construção, dos Bósnios na diáspora. O ambiente na cidade, com pouca luz, era desconfortável e o único local possível para aconchegar o estômago foi no maior e mais central hotel da cidade, o Hotel Park. Qualquer moeda forte, além do oficial marco-convertido, era aceite (Euro, Dólar, Kuna croata, etc…). Uma refeição completa, tudo incluído, ficou por 3 euros, cera de 6 Marcos-Convertidos.
Com o luar era possível ver as silhuetas dos minaretes. Nos cafés o contraste entre os jovens muçulmanos e os restantes era significativo. Raparigas cobertas, e com véu, caminhavam lado a lado com outras cujas mini-saias de tão curtas se assemelhavam a cintos. Havia tensão e sentia-se a existência de ‘máfias’ em cada bar e clube nocturno. [Read more…]

O carreto contra balanço e o correto balanço

jimenez

(http://bit.ly/20xxpQE)

Je n’ignore pas combien il est malpropre de parler de soi, et quel blâme on s’attire. Mais, en parlant de moi, ce n’est pas de moi que je parle.

— Jean Cocteau, Démarche d’un poète (introduction, édition et notes par David Gullentops), Paris, Éditions Grasset & Fasquelle,  2013, p. 103

***

Algures, no Facebook (sim, está na moda), Maltez refere-se a “correto balanço“. Curiosamente, até hoje, em português europeu, só encontrara “carreto contra balanço”.

carreto contra balanço__a

Exactamente: carreto contra balanço. Correto balanço, em português europeu? Não conhecia.

No mesmo texto, Maltez escreve: «desenha a respetiva estratégia de autoridade». Efectivamente, respetiva/respectiva. Sim, isso já conhecia.

Rir ou punir, eis a questão!

erdogan

É sabido que os ditadores ou candidatos a tal têm pouco sentido de humor e adoram triturar quem arranja maneira de fazer humor sobre a sua falta de humor. Estamos a assistir a um caso apimentado que se enquadra nessa problemática humorística e tem honras de destaque nos média alemães de hoje. Um humorista alemão apresentou, num programa satírico, um poema com uma forte sátira ao presidente turco Erdogan. Segundo consta, chamou-lhe de tudo (não pude ver o vídeo porque já foi retirado da net; existe um outro vídeo, de outro programa de sátira política alemão, com legendas em inglês, que (ainda) não foi retirado). [Read more…]

Fundação offshore

inf057

É uma história batida. A história do empresário multimilionário que às tantas decide criar uma fundação para onde transfere parte significativa do seu património, obtendo desta forma uma série de isenções fiscais que lhe permite, entre outras coisas, adquirir mais património. Carros, imobiliário, participações financeiras. Já vimos este filme. Bem vistas as coisas, muitas fundações acabam por funcionar como paraísos fiscais: transferem-se para lá milhões, escapando-se desta forma ao pagamento dos devidos impostos. E funciona. [Read more…]

O Pravda de Luanda

Zedu

Devido à forma como o pedido de ajuda do governo angolano ao FMI foi noticiado em Portugal, o pasquim estatal de Angola voltou a apontar o dedo à imprensa portuguesa, que acusou de estar articulada com a oposição ao regime de Luanda. Tais declarações apenas servem para ilustrar, com requintada ironia, a natureza manipuladora da ditadura angolana: um jornal financiado com dinheiro público angolano, silencioso sobre a forma como a cúpula do regime se apoderou dos recursos do país, percebe que, fruto da má gestão e da quebra do preço do petróleo, as contas do país estão numa situação delicada. O FMI entra em cena para aplicar um dos seus famosos resgates e a melhor manobra de diversão que o pasquim encontra para desviar atenções é apontar o dedo à imprensa ao serviço dos interesses da UNITA, dos inimigos portugueses de Angola e dos activistas desta vida que tem a ousadia de ler livros demasiadamente progressistas. Orgulhosamente sós!

Fotomontagem@Folha8