Manuais escolares: o populismo decide, a sensatez paga


Santana Castilho*

O Governo escreveu e os jornais repetiram: a despesa com a Educação sobe 3,1% em 2017. Mas, não é assim. O que o Governo acaba de apresentar é o que estima vir a gastar em 2017, que comparou com o que previu gastar em 2016. Ora o Governo sabe que vai fechar as contas de 2016 com uma despesa bem superior à que estimou. Termos em que, com o que já se conhece, a afirmação é falsa.

Apesar deste expediente e dos artifícios que recheiam o OE 2017, fica desde já claro que prefiro a lógica que o informa à lógica dos que o antecederam. Posto isto, permitam-me que formule a pergunta de partida para abordar um desses artifícios: quais são as consequências da imposição de um modelo de gratuidade e reutilização dos manuais escolares? Como se pretende abordar uma indústria que, estima-se, move anualmente 100 milhões de euros, dá emprego a 2.000 pessoas e interessa a 1.600 livrarias? Poderemos ter, numa primeira fase, sob um pretexto político discutível mas que é bem acolhido pelo mainstream, uma iniciativa que poderá destruir, numa segunda fase, uma cultura que demorou décadas a desenvolver-se? Tratar-se-á de uma actuação movida por simples preconceito, que acaba abalroando, de modo centralista, interesses de editores, de autores e dos que trabalham na indústria da produção de livros?

Um parecer de Gomes Canotilho e Jónatas Machado e uma entrevista de Alexandra Leitão deram respostas opostas. Mas enquanto o parecer (ainda que pago pelos editores e apesar de eu nunca ter visto um só que não dê razão a quem o encomendou) é sólido e fundamentado, na entrevista a essência do problema é escamoteada por afirmações gongóricas, de pendor totalitário. No parecer sublinha-se a necessidade de ponderar a gratuidade com o efeito adverso numa indústria livreira livre e democrática. Na entrevista, Alexandra Leitão apoda o parecer de “juridiquês”. No parecer relaciona-se, com exemplos, a posse plena do livro escolar com os resultados superiores obtidos nos programas internacionais de avaliação de resultados. Na entrevista, Alexandra Leitão limita-se a sentenciar de cátedra: “ser contra a reutilização é passar um atestado de diminuição ao povo português”.

Nada do que fica dito branqueia a necessidade de uma melhor regulação da actividade das editoras escolares, que funcionam em oligopólio, que praticam preços injustificáveis face a uma oferta e uma procura antecipadamente conhecidas, onerando desproporcionalmente os orçamentos familiares. Outrossim, põe em relevo o que devia ter sido feito, se o Governo respondesse às perguntas que vai deixar sem resposta. Como vai gerir administrativamente milhões de processos de empréstimo, designadamente executar o recebimento das indemnizações pelos manuais que sejam devolvidos em mau estado, ou não sejam devolvidos? Por que estranho critério excluiu liminarmente do processo os alunos do ensino privado? Por que nada fez para conferir eficácia ao regime de certificação dos manuais escolares, previsto na Lei nº 47/2006? Por que razão não esperou pelas conclusões do grupo de trabalho que nomeou para estudar o problema? Que tem o Governo a dizer sobre a autonomia das escolas e o correlato poder de livre escolha dos manuais, agora fortemente condicionado? Que ponderação foi feita sobre as consequências de uma caixa de Pandora, que se abre num cenário de ensino obrigatório que muitos parecem ter esquecido ser de 12 anos, doze, e não apenas de ensino básico? Como irá lidar o Governo com a incoerência que resulta de impor a reutilização ao mesmo tempo que anuncia a alteração de programas, que vão já no próximo ano tornar obsoletos manuais a meio do ciclo de validade legal?

Eu sei que os populistas costumam decidir antes de reflectir e ouvir. Mas sempre custa ver a sensatez a pagar a factura.

* Professor do ensino superior (s.castilho@netcabo.pt)

Comments

  1. Atento says:

    Eu sei que nunca iram publicar nada a favor do jurista Arnaldo Matos, mas também sei, que ele nunca pediu a ninguém para publicar seja o que for…Mas apetece-me dizer-vos isto:”que a maioria da imprensa, tem um “ódio de morte” ao Jurista Arnaldo Matos! Talvez?! Seja, por ele defender os pobres e desempregados e reformados pobres? http://lutapopularonline.org/…/2084-e-ninguem-prende…

  2. sweetadriana says:

    Por exemplo, no Ensino Secundário, o exame nacional de Português abrange conteúdos programáticos ( estudo da obra de autores bem definidos e respeitando a diacronia das épocas literárias ) do 10°, 11° e 12° anos. Ou seja, os alunos precisam de ter na sua posse os manuais dos três anos. Como fazer?
    Sou contra a oferta indiscriminada de livros e a sua posterior devolução.

  3. Estava eu tão sossegado... says:

    Então, se oferecem dinheiro do meu aos banqueiros, porque não oferecer livros ao putos?
    É que para os banqueiros, até a alma me dói…

  4. Anónimo says:

    No meu tempo, quando não havia computadores nem internet, quando o negócio do livro não vivia à custa do ensino, usavam-se “sebentas” e, quando a “sebenta” não bastasse, ia-se à biblioteca.
    Algumas eram fornecidas pelos professores e assistentes, e distribuídas pela administração da escola ou pelas associações de estudantes.
    As “sebentas” eram copiadas a stencil, e mais tarde passaram a ser fotocopiadas.
    Não tinham a qualidade das edições de luxo que as editoras hoje vendem, mas tinham tudo o que era preciso aprender.
    Podíamos acompanhar as aulas com a “sebenta”, e acrescentar anotações, e sublinhar.
    As edições de luxo de agora, com capa bombástica, papel lustroso, muitos bonecos, muitas cores, tudo para “encher o olho” e “justificar” o preço; e a qualidade pedagógica?
    Com a internet e com a facilidade de acesso à informação, sendo a educação tão importante, e obrigatória, não se compreende porque não se usa a internet para levar a informação, grátis e certificada pelo ministério, aos estudantes.

    Mas não. É obrigatório comprar o saber e a cultura, aos livreiros.
    Qualquer dia vão tomar posse do ar, e vamos ter que o comprar.

  5. sweetadriana says:

    Anónimo das 18.03, mas isso foi em que país? Sebentas? Professores e assistentes? Associações de estudantes?
    Será que estará a falar de Portugal e do ensino não superior?! Todo o seu texto não faz qualquer sentido e o giro é ter 6 “apoiados”. Donde veio está gente?!

    • Nascimento says:

      Por onde andaste minha lindeza? Sim houve associações de estudantes no secundário 😁. E com enorme participação nas escolas! sabias?Deves ser novata por estes lados.Falta escolinha da vida não é?Memória 😋…giro não é?e donde veio”está” gente?Ui.
      Quanto aos gurus académicos estou fartinho deles e das suas atoardas rabiscadas no WC👴.

      • sweetadriana says:

        Ó Nascimento, respeitando é lindo e eu gosto! Antes do 25 de abril não havia associações de estudantes no ensino secundario, vulgo liceal.
        Sou mesmo novata! Aluna desde 1958 até 1978, final do curso superior e docente durante quarenta anos, é evidente que para o sagaz Nascimento eu nem saiba do que estou a falar. Enfim!
        Quero lá saber se está fartinho dos académicos ( abaixo os académicos e viva os matarruanos! Pois!)! A ignorância fica-nos tão cara…

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s