Assim se apanha um liberal na curva 


João Miguel Tavares derrapou há dias numa crónica que escreveu no Público. 

O cronista tem-se definido como um  liberal, paladino do conceito de ficarmos todos melhor se tivermos menos Estado. Associadas a esta ideia costumam andar outras, como o privado é mais eficiente do que o público, ou a escolha individual não deve ser condicionada pelo interesse colectivo, ou, ainda, o melhor governo é aquele que não governa, já que o Estado deve ser mínimo mínimo e, portanto, poucas incumbências terá. 

Acontece que na frase que se destaca no seu artigo, Tavares escolheu rebaixar a “geringonça” usando como pretexto que esta nunca poderá governar o país devido a qualquer coisa que lhe passou pela cabeça. Governar o país! Que coisa tão pouco liberal. Então, não é a mão invisível que deverá conduzir a economia? Não são os cidadãos que devem ser livres de fazer as suas suas escolhas? Não deverá ser o governo um simples gabinete que faz sabe-se lá o quê, mas que deverá ser pouco? 

Pode acontecer a qualquer um. Mesmo àqueles, como João Miguel Tavares, que defendem para este governo o que o anterior não lhes deu, ao mesmo tempo que ignoram o que este  conseguiu no campo onde o outro falhou. 

Ao que isto chegou. Uma pessoa tem que passar por defensor deste governo para rejeitar a anterior abantesma.

Comments

  1. Rui Naldinho says:

    João Miguel Tavares é pago para escrever aquelas crónicas de escárnio e mal dizer. Ao ponto de já ser gozado no “Governo Sombra” pelos três colegas de painel, incluindo o moderador, pelas suas paranóias “Socráticas e Geringonquicas”.
    É óbvio que não escreve aqueles textos cheios de artifícios e manipulações grosseiras da verdade, ainda que travestidos de moralismo, porque o obriguem, claro, mas vem dali o abono de família para as quatro criancinhas.
    No início, se não me falha a memória, começou por escrever uma crónica semanal, passando rapidamente para as duas, e, segundo me parece, agora já vai em três. Escreve à Terça, Quinta e ao Sábado.
    É dos poucos cronistas que têm direito a três crónicas no Público. Substituiu de certa forma, Vasco Pulido Valente, que se “Observarizou”.

    • A Joãomigueltavarização está forte no Público observado.

    • martinhopm says:

      É como diz. É preciso alimentar a prole e manter o ‘status’, nem que para tal tenha de vender a alma ao diabo. E vende-se de facto a quem melhor paga. Espinha direita? Isso é conceito desactualizado. No fundo, um escriba de segunda a fazer pela vidinha, nada mais!

  2. martinhopm says:

    O sr. Tavareszinho faz profissão de fé na doutaoopinião da Fitch?
    Saberá o entendido que a Fitch classificou o Lehman Brothers até à falência (em 2007) com AAA+?!
    Será que a Fitch já topou o sr. Costa ou que o Sr. Costa já topou a FItch e os interesses que serve?

  3. Assim se explicam as contradições, as contradanças, o malhão malhão e as redondilhas menores, que introduz nas suas aparições e troca de “amenidades” com os seus acólitos…

    (…) vem dali o abono de família para as quatro criancinhas.(…)

  4. JMT não passa de um adiantada mental que está na moda. Assim vai cavalgando na onda para gáudio dos seus patrões. Como é possível um rapaz tão novo dizer (com algum talento) tanto disparate.

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s