A tal empresária

Há certas notícias que têm cheiro, logo as denunciando. Esta que serviu de base à escalada na comunicação social, primeiro, e no PSD e CDS, depois, ou vice-versa, é uma delas.

Recorte: Facebook

Que chatice, logo agora que o boy de ascensão meteórica se tinha estreado no jogo dos ultimatos.

Todo este aproveitamento à volta da desgraça de Pedrogão Grande fede. A intenção ficou clara logo com o caso do falso suicídio, sendo o que se tem seguido um mero corolário.

Jogos de spin e contra-spin

Pelo caminho, que se lixem as pessoas. Valores mais altos se levantam, nomeadamente, o poder. Esse que uns têm e os outros perseguem.

Do lado do governo, procura-se controlar os danos resultantes da fractura exposta que é a descoordenação do Estado. Os cortes nos serviços sucederam-se ao longo dos anos e, para piorar, os governos tratam de mudar as chefias para lá colocarem os seus correligionários, o que parece ter acontecido apressadamente em Maio passado  Nada de novo, não se desse o caso de a bomba ter  explodido agora. 

Quanto à oposição, assistimos à construção da narrativa. A estratégia é repetida e consiste fazer aparecer um conjunto de teses que vão sendo repetidas aqui e ali, num círculo de soprar o spin, para depois o cavalgar. Depois da tentativa falhada de escalar os suicídios, continuam a maximizar o lado emocional da questão, agora pela contagem dos mortos. Zero de racionalidade.  Nada de olhar para as causas estruturais da falha, até porque essas não vêm de há dois anos. São transversais e é fogo que todos queima. 

Entretanto, o dinheiro da solidariedade continua a crescer em juros e capital eleitoral algures. E o Estado já virou os holofotes para o que arde presentemente, deixando as cinzas para mais tarde – quem sabe se não as levará o vento. Pobres daqueles que apenas são gente para o Estado no momento de pagar impostos e de apelar ao voto.

Se não… Se não… 

Se não, faço uma birra e bato com o pé.

Ultimatos sem armas são como as ameaças “agarrem-me, que vou a eles”.