Câmara de Gaia tem a segunda maior dívida do país

Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses (clique para aumentar)

Segundo o  Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses, a Câmara de Gaia é a segunda mais endividada do país, logo a seguir à Câmara Municipal de Lisboa. A dívida da autarquia gaiense é superior a 170 milhões de euros, tendo atingido, em 2015, um valor superior a 186 milhões. Note-se que, segundo o Anuário Financeiro, no final do último mandato de Luís Filipe Menezes a dívida municipal era de cerca de 200 milhões de euros.

A Câmara de Gaia é ainda aquela que, em todo o país, maior volume de dívida contraiu em novos empréstimos bancários durante o ano de 2016, o ano que precedeu o das eleições autárquicas (2017). Esses novos empréstimos superaram os 41 milhões de euros, valor que apenas tem comparação com o ano de 2007.

Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses (clique para aumentar)

Sorte a deles que o ridículo não mata

Os outros é que estão mortos, mas o PSD é que se enterra cada vez mais. – Cátia Domingues

Ainda sobre ultimatos

a União Europeia fez um aos fascistas que governam a Polónia.

Têm 24 horas, caso contrário chamo o Hugo Soares

Foto via Cátia Domingues@Twitter

Sobre as declarações de Isabel Monteiro, a tal empresária que afirmou ter a confirmação de 73 mortes em Pedrógão Grande, crescem agora as suspeitas de que possam ter a mesma credibilidade que os suicídios confirmados por Pedro Passos Coelho, esse ex-líbris do nojento aproveitamento político que o PSD vem fazendo deste caso.

A confirmar-se a veracidade do comunicado emitido ontem pela Procuradoria-Geral da República, o número de vítimas mortais da tragédia mantém-se igual: 64. Significa isto que um certo número de jornais e jornalistas está a prestar um péssimo serviço ao país, aldrabando-o. Por este motivo, proponho um ultimato à comunicação social, com vista a apurar que forças se escondem por trás do spin a que temos sido submetidos nos últimos dias. Têm a partir de agora 24 horas para esclarecer o país, caso contrário chamarei o Hugo Soares para por ordem nisto.

O tenente-coronel da mocidade laranja e o ultimato mais estúpido da história de Portugal

Foto: Lusa@RTP

Hugo Soares, tenente-coronel da mocidade laranja, lançou um ultimato ao governo. Autoritário, como se tivesse alguma autoridade para lá da porta da sede distrital do PSD Braga, deu ao executivo de António Costa 24 horas para tornar pública a lista de pessoas que perderam a vida na tragédia de Pedrógão.

Terminado o prazo dado pelo deputado, nada aconteceu, com a excepção do embaraço e do enxovalho a que o PSD foi submetido. Para a história ficam as tristes figuras protagonizadas por Hugo Soares, que decidiu, uma vez mais, expor-se ao absoluto ridículo. E eu aqui em pulgas, à espera de um ataque com Agente Laranja ao Largo do Rato. [Read more…]

Realidades adulteradas

Santana Castilho *

1. Logo que António Costa voltou de férias e se reuniu com os chefes militares, o país ficou a saber que o furto de material bélico em Tancos não foi grave. A António Costa, sagaz que é, bastou pedir ao Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, ao Chefe do Estado-Maior do Exército, ao ministro da Defesa e ao ministro dos Negócios Estrangeiros, precipitados que foram, que lessem o duplicado da guia de transporte, deixado pelos ladrões na porta d’armas do aquartelamento de Tancos, para poderem concluir que tudo estava fora de prazo e nem para palitar dentes servia. Dir-se-á que António Costa substituiu a metáfora das vacas voadoras pela metáfora dos moluscos contorcionistas, isto é, o optimismo irritante pelo realismo conveniente. Um senão, que não é pequeno: para se redimir e tornar o roubo poucochinho, Costa rasteirou Marcelo. Marcelo, que nos disse que a coisa era grande antes de ele, Costa, tempestade passada, reaparecer para nos dizer que a coisa era pequena. Marcelo, que foi a Tancos quando ele, Costa, estava a banhos. Marcelo, que respondeu quando ele, Costa, desapareceu. Marcelo, que não é António José Seguro, como Costa sabe.

[Read more…]

Se não… 

Se não, marco uma reunião.