Paz, pão e facadas no Negrão

FN.jpg

Fotografia: Miguel Baltazar@Record

O ambiente está pesado, para os lados da São Caeteno à Lapa. Das vaias a Elina Fraga aos tiros de metralhadora de Luís Montenegro, passando pelo indignados Hugo Soares, que acusou a actual direcção do partido de “desrespeito institucional grave”, após ter sido excluído da Comissão Política Nacional do PSD, e Paula Teixeira da Cruz, que acusou Rui Rio de traição pela escolha da antiga bastonária para vice-presidente do partido, o PSD é hoje um gigantesco saco de gatos, trancado numa casa a arder.

Ontem assistimos a um novo episódio, que contado parece ficção. Só que não. Fernando Negrão foi a votos, para ocupar o lugar de líder parlamentar do PSD, mas apesar de não ter oposição, conseguiu perder o plebiscito, não indo além dos 39%, o que equivale a dizer que, dos 88 deputados que participaram na votação, apenas 35 deram o seu aval ao candidato único à vaga deixada aberta por Hugo Soares, corrido por Rui Rio dias antes. [Read more…]

Hugo Soares

Com um título criativo, o jornal i sumariza a situação da ala passista perante a nova liderança do PSD. Se, por um lado, dois vice-presidentes que apoiaram Santana Lopes colocaram o lugar à disposição, Hugo Soares, também apoiante de Santana Lopes, contactado pela Antena 1 hoje de manhã, recusou prestar declarações sobre o assunto. Ao mesmo tempo, Paula Teixeira da Cruz veio afirmar que este tem todas as condições para continuar por ter sido eleito líder parlamentar por larga maioria dos deputados do PSD.  Deve haver muito suor frio ao longo destes dias.

Visto à distância

Fora do país, chegam-me ecos sobre uma suposta polémica em torno da eventual renovação de mandato da Procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal. Lendo o Expresso, fica-se com a sensação que o PR e o PM andam às turras. Já segundo o JN, nada se passa. E segundo o próprio PR, também não. “Até ao momento em que tiver de exercer o meu poder constitucional, o tema não existe. O PR não se debruçará sobre o assunto um minuto, nem sobre ele dirá o que quer que seja”, afirmou Marcelo em declarações à SIC.

[Read more…]

Hugo Soares acautela o futuro

Fotografia: Lusa@Sapo24

Foi há coisa de ano e meio que o António Fernando Nabais trouxe a este espaço o epidémico flagelo dos resíduos de botas na língua dos jotas, sobre o qual não me alongarei em face do diagnóstico cabal apresentado pelo meu amigo e colega blogosférico. Sugiro a todos os frequentadores do Aventar a sua leitura, a meu ver essencial para compreender a evolução do homo politicus neste início de século, não só pela minúcia do relato, mas porque nos permite compreender, de forma mais objectiva, uma ocorrência que teve ontem lugar no encerramento das jornadas parlamentares do PSD.  [Read more…]

Um belo arraial de porrada

Caricatura: “O jovem turco” de Fernando Santos, no seu Sítio dos Desenhos

Foi o que veterano Francisco Louçã deu no imberbe Hugo Soares.

Segura-me depressa se não eu bato-lhe

Se o leitor ou a leitora tem estado com atenção, estes dias recentes têm demonstrado uma das características mais divertidas do discurso político em Portugal: essa curiosa mistura de presunção e pesporrência, que tem erguido brilhantes carreiras pelo menos desde o Conde de Abranhos. Se para mais tivermos alguém que precise de se afirmar neste campeonato do peito feito, então a receita é certa, vai haver superlativos.

(…)

Entradas de leão, saídas de sendeiro, ou segura-me se não eu bato-lhe, tudo isto é uma maçadora repetição de um discurso político que começou em tragédia com o anúncio dos falsos suicidados de Pedrógão e termina com esta farsa de aproveitamento político dos mortos verdadeiros. Mas é a isto que estamos reduzidos quando faltam argumentos onde sobra azedume, não é?

Segurem-no, que ele quase marcou uma reunião. “Na frase pesada, na pose solene, no queixo aprumado, está toda uma política. Ou se chegam em 24 horas, ou nem sabem o que vai acontecer.”

Lixo humano, político e jornalístico

O que se passou nos últimos dias apresenta todos os contornos de uma campanha orquestrada entre comunicação social e políticos. A página dos truques faz a resenha, que aqui fica para memória futura. Creio não errar ao afirmar estarmos perante o mais rasca lixo humano, político e jornalístico a que assistimos na política pós-25 de Abril. Faltou referir  o episódio do suicídio, bem como o patético ultimato do líder para lamentar do PSD e a sua vanglória pelos resultados (?) alcançados. Merece esta gente um lugar no Parlamento? Eu acho que não.

[Read more…]

Sorte a deles que o ridículo não mata

Os outros é que estão mortos, mas o PSD é que se enterra cada vez mais. – Cátia Domingues

O tenente-coronel da mocidade laranja e o ultimato mais estúpido da história de Portugal

Foto: Lusa@RTP

Hugo Soares, tenente-coronel da mocidade laranja, lançou um ultimato ao governo. Autoritário, como se tivesse alguma autoridade para lá da porta da sede distrital do PSD Braga, deu ao executivo de António Costa 24 horas para tornar pública a lista de pessoas que perderam a vida na tragédia de Pedrógão.

Terminado o prazo dado pelo deputado, nada aconteceu, com a excepção do embaraço e do enxovalho a que o PSD foi submetido. Para a história ficam as tristes figuras protagonizadas por Hugo Soares, que decidiu, uma vez mais, expor-se ao absoluto ridículo. E eu aqui em pulgas, à espera de um ataque com Agente Laranja ao Largo do Rato. [Read more…]

Se não… 

Se não, marco uma reunião. 

Se não… Se não… 

Se não, faço uma birra e bato com o pé.

Ultimatos sem armas são como as ameaças “agarrem-me, que vou a eles”. 

PSD também vai querer ler a Constituição

O PSD está interessado em ler as mensagens entre Domingues e Centeno. Ao que o Aventar apurou, este súbito desejo de literatura poderá resultar do conhecido “Efeito Retardado do Plano Nacional de Leitura Entre os Nascidos em 1983”. Poderá ser esta a razão pela qual o deputado Hugo Soares veio hoje clarificar que o  PSD quer mesmo ter acesso à transcrição de eventuais mensagens  entre os dois referidos interlocutores. Até porque, repare-se na coincidência, o deputado Hugo Soares nasceu nesse ano também.

Soubemos, ainda, que este tardio desejo por literatura não se satisfaz com os efémeros “Tás bom pá?” e “LOL tá demais” que povoam as mensagens de SMS. Não!, o PSD de Passos Coelho vai, finalmente, ler a Constituição da República, aquela que ele meteu na gaveta durante o seu tempo de primeiro-ministro.

É mais um feito de Centeno. Depois de ter conseguido o melhor défice de sempre e um crescimento económico assim-assim, sem cortar salários e pensões, como o antecessor fazia, eis que também mete deputados a ler. A continuar assim, ainda veremos novamente declamação de poesia durante o plenário.

hugo soares

Hugo Soares, ex-líder da JSD, em pose com livros em pano de fundo.  Foto: Miguel Silva.

Se lamentou, ninguém lhe ouviu um pio

hs

Por causa do SMS de António Domingues a Mário Centeno – qual dos dois terá sido o bufo, para que uma mensagem entre duas pessoas se transformasse em tema nacional? – o deputado Hugo Soares lamentou “veementemente a situação a que a Caixa chegou, estando a ser gerida por SMS e email. Eu também lamento veementemente que representantes eleitos como o deputado recebam prendas de empresários ou que aleguem “motivos de força maior” para faltar ao trabalho e ir a França assistir a jogos da selecção mas não é de lamentos que quero falar. O que me traz aqui são as SMS’s e uma pergunta que deixo no ar para o sotôr Hugo Soares: também lamentou veementemente quando Portas abriu uma grave crise política e o país foi gerido por SMS? Se lamentou, ninguém lhe ouviu um pio.

Foto: Lusa@TVI24

O Observador (uma vez mais) ao serviço do PSD

O

No Parlamento, o deputado Hugo Soares considerou que determinados dados económicos comprovam que o “modelo económico seguido pelo Governo das esquerdas falhou“. Falamos do mesmo Hugo Soares que alegou “motivos de força maior” para faltar à sessão parlamentar no dia em que viajou para França, alegadamente a convite de um empresário, para assistir a um jogo do Euro 2016. Penso que estamos conversados no que diz respeito à credibilidade do deputado em matéria de considerações.  [Read more…]

Aquela alegada promiscuidadezinha público-privada que não agita a São Caetano à Lapa

AMIDC

Não tão grave pela posição ocupada, mas igualmente promíscuo, foram três outras alegadas ofertas de passeios ao Euro2016, menos escrutinadas pela imprensa, ou não tivesse sido um dos seus grandes barões a alegadamente pagar a factura. Falo das viagens, bilhetes e refeições alegadamente pagas pelo empresário Joaquim Oliveira aos deputados do PSD Luís Montenegro, Luis Campos Ferreira e Hugo Soares. A minha fonte? A mais insuspeita possível: o Observador. [Read more…]

Pontapear a imprensa, um padrão no seio do PSD

ZMPSD

O comportamento inaceitável de João Soares, honra lhe seja feita, terminou com alguma réstia dignidade: apesar da falta de humildade para pedir desculpa aos portugueses, o esbofeteador lá acabou por se demitir. Era o mínimo que podia fazer. Um Relvas por geração é mais do que suficiente.

[Read more…]

Estamos perfeitamente de acordo, Hugo Soares

As declarações de João Soares são inqualificáveis. Agora, diga o mesmo quanto ao outro triste do seu partido.

Resíduos de botas nas línguas dos jotas

the-island-of-dr-moreau-pic-2O jota do centrão é uma mutação produzida em laboratório. Por fora, parece uma pessoa; por dentro, é um híbrido obediente, entre o porco e o lobo, que vota caninamente no que lhe mandam em vez de dar a pata e que diz o que lhe ditam, atacando uma jugular retórica à ordem do dono.

Os laboratórios em que produzem os jotas têm escrito na fachada “Sede do Partido Coiso”. Lá dentro, os chefes estendem a bota e o jota, como em qualquer praxe universitária, lambe até ficar dependente. De tanto lamber, dá-se a mutação.

No fundo, lamber a bota é um sucedâneo da célebre “água do cu lavado” com que, diz a tradição, as mulheres seduziam os futuros maridos. Como é que isto se compagina com a teoria de que os homens se prendem pelo estômago não sei, mas o mundo está cheio de mistérios. [Read more…]

O desespero do PàF atinge o climax

quando o deputado do PSD Hugo Soares cita José Sócrates no Prós e Contras para reforçar o seu argumento. Aplausos!

Sobre a fábula do milagre da descida do desemprego

Hugo Soares Passos Arrastão“Birds of a feather flock lie together” 

(foto: blogue Arrastão)

Há um mês atrás, o dispendioso Hugo Soares citava o INE para, no âmbito das habituais manobras de manipulação e propaganda ao serviço do seu querido líder e respectiva corte, nos informar sobre o milagre da descida do desemprego, essa fábula social-democrata de enorme aceitação em algumas zonas agrícolas dedicadas à criação de gado ovino da raça jota lusitana.

Um mês depois, o mesmo INE, citado apenas e só quando conveniente, revela-nos dados sobre a emigração desde 2011: 100 mil em 2011, 121,5 mil em 2012 e 128 mil em 2013. Não existem dados oficiais para 2014, até porque o ano ainda não acabou, mas a cifra poderá atingir os 500 mil, se considerarmos o valor acumulado desde 2011.

E assim vai o mundo de contos para crianças que querem vir a ser governantes do país que está melhor com pessoas que estão cada vez pior. Excepto se formos um Hugo Soares claro, aí só haverão razões para sorrir que as ajudas de custo do Parlamento, não sendo as da Tecnoforma, chegam e sobram para viver – à grande – por cá.

Deputados que precisam de atenção

“Twitta aí Hugo: todos os direitos podem ser referendados.

 

 

Mostruário dos tiques anti-professor (1)

Os malandros dos sindicatos

A época de caça ao professor abriu em 2005, com José Sócrates, e ainda não fechou. Os últimos dias, com reacções diversas de tantos ignorantes à contestação dos professores, teve o condão de acordar, dentro de mim, um estranho animal, cruzamento de semiólogo com observador de animais em estado selvagem. É como se Umberto Eco e David Attenborough tivessem casado e, tendo procriado, fosse eu o seu descendente.

A revolta dos professores surpreendeu um governo que acredita, à boa maneira salazarenta, que a maioria deve obedecer em silêncio à sua voz. Face ao atrevimento dos professores, os bandos de comentadores têm soltado a sua raiva.

Um dos animais que mais frequenta o habitat do comentário tudologista é o Raposo. O Raposo é uma subespécie do cronista domesticado, alimentado a grandes doses de preconceito contra tudo que seja público. Provavelmente, quando era cria, mostravam-lhe uma fotografia de um funcionário público e batiam-lhe logo a seguir, obrigando-o a regougar a revolta interior.

Para que não fique sozinho, Raposo recebeu a companhia de mais um triste exemplar de jotinha, esse estranho parasita que sobreviveu à custa da cola dos cartazes que andou a afixar em pequenino e que se alimentava das botas que conseguia lamber.

De que se lembraram estas duas magníficas criaturas? De tentar atingir os sindicatos, essa malandragem cujos membros não têm direito a protestar, porque são pessoas que não trabalham e porque alguns chegam mesmo a pertencer a partidos políticos, um crime hediondo, especialmente numa sociedade que não se quer democrática. [Read more…]

O triunfo dos lobos

govNum país em que a corrupção ou está legalizada ou é ilegal porém sujeita a habilidades jurídicas que lhe permitem sobreviver, o dinheiro que tem passado pelos cofres públicos serve, há mais de trinta anos, para distribuir favores de modo mais ou menos directo, quando deveria ter servido para desenvolver o país. Em vez disso, passou para as mãos dos que souberam escolher a cor certa, a ponto de ser possível afirmar que um cartão partidário é, no fundo, um cartão de crédito.

Assim, o Estado, democraticamente usurpado por quem o tem roubado, depois de ter gasto o nosso dinheiro em putas e bebidas estrangeiras caríssimas (e não em vinho verde, que, pelo menos, traria receitas ao Minho), vem, agora, dizer que não há dinheiro para o Estado Social, para a Educação e para a Saúde, do mesmo modo que um pai alcoólico poderá queixar-se dos filhos cuja alimentação lhe retira os trocos necessários à bebedeira quotidiana. [Read more…]

Como é que se acaba com o que não existe?

Líder da JSD quer acabar com saúde e educação grátis. Se não tivesse cheirado tanta cola dos cartazes que anda a afixar desde pequenino, talvez o menino soubesse que a educação não é gratuita, em Portugal.