Coisas do diabo

PPC

Fotografia: Rafael Marchante/Reuters@Dinheiro Vivo

Como explicar a instalação de um centro tecnológico da Google em Portugal, bem como o anúncio do Bispo Cosgrave de que outros gigantes do sector se seguirão, à luz da filosofia política passista que versa sobre os investidores que não investem em países governados por bloquistas e comunistas? Só pode ser coisa do diabo.

Comments

  1. antero seguro says:

    O agente do diabo que acaba por tropeçar na realidade.

  2. JgMenos says:

    Consta que se lhes acabou o pavio…
    A Google vale em postos de trabalho a Triumph; ensino à borla é factor que traz tecnológicas.
    Haverá cada vez mais gente sem futuro a mamar no Estado e crescerá lentamente a minoria activa.
    É o que dá a cretinice esquerdalha: babam-se pelas políticas para o futuro enquanto que, ignorando as políticas que resolveriam o presente agem como se o futuro já estivesse garantido – chamam-lhe progressismo!

    • ZE LOPES says:

      V. Exa. tem resmas, toneladas, carradas de razão. Realmente o ensino à borla e a “lingerie” nunca se deram muito bem e as consequências estão à vista: acaba a Triumph, que era famosa pelos seus soutiens e ligas de noiva de alta tecnologia e vem a Google, cuja única produção conhecida não se come nem se veste. Inutilidade total!


    • Menos, de todos os trolls idiotas, continuas a ser o meu favorito. Por favor, nunca nos deixes!


  3. A mim o que me preocupa em toda esta narrativa, não é o discurso direitista vazio do Menos e outros trolls similares.
    O que ainda não foi esclarecido (nem será…) é quanto é que o estado, ou seja, todos nós, pagou e vai pagar à Google para aterrar aqui no rectângulo. Pelo que conheço destes gigantes, a coisa não foi nada pouca, não senhor.
    Não esbanjámos…..Não pagamos!!!!!!


    • É algo que também me levanta dúvidas, apesar de ter poucas quanto às vantajosas contrapartidas dadas à Google para se instalar por cá. Não obstante, o discurso da direita fanática dos Menos desta vida continua a ser objecto de paródia e isso não tem preço!

  4. Fernando says:

    É bem possível que a política de supressão de rendimentos de quem trabalha foi um factor decisivo para a decisão da multinacional (que tal com outras, não paga os impostos porque tem acesso aos esquemas offshore).
    A política de supressão de rendimentos é da responsabilidade de vários governos, tanto do PS como PSD-CDS, mas foi no governo de Passos Coelho que a roubalheira atingiu os níveis mais altos. A política de empobrecimento é um facto e nem Passos Coelho o negava, pelo menos, no início da governação agora, os Paf não podem ter exactamente o mesmo discurso porque não é conveniente…

    Portanto, não é difícil imaginar a responsabilidade de Passos Coelho neste e outros investimentos, nós estamos a viver uma era de grande desregulação, estas multinacionais, para lá do marketing/ propaganda e conversa fiada, estão mesmo é interessadas em terem trabalhadores baratos (o mais possível) e obedientes.

    Passos cumpriu a sua função de empobrecer quem trabalha e a generalidade da população! A Google agradece…

  5. JgMenos says:

    A Google põe dezenas ou centenas de engenheiros a trabalhar na cloud; aluga um espaço; gasta uns patacos em decoração a que junta uns cestos de basquete e outros brinquedos.
    Traz da nuvem os impostos que decide pagar.
    Quer lá saber da geringonça para alguma coisa!

    • ZE LOPES says:

      “Quer lá saber da geringonça para alguma coisa!”.Pois é! mas antes queriam, não era? Até se invocou o diabo e tudo para os meter na ordem, já que a coelhal laranjada precisava de uma bandeirinha…

      Parvoíce e desonestidade não têm de estar necessariamente ligadas. Parece é não ser o caso de V. Exa.

  6. Jorge says:

    Como explicar? Eu explico: temos um governo (exclusivamente PS) alinhado com o projeto Neoliberal da Zona Euro, em que as empresas se deslocam de um lado para o outro para ganhar benefícios fiscais pela alegada “criação de emprego” (que sendo investimento estrangeiro na prática apenas significa a deslocalização de emprego), e que está em Portugal alinhado com a lógica da “CORRIDA PARA O FUNDO”, em que somos líderes através do off-shore da Madeira, dos Vistos Gold, e dos acordos de isenção de IRS para gente endinheirada que aqui se acomoda para fugir aos impostos nos seus países de origem, como a Suécia recentemente nos lembrou.

    Já para não falar que um governo que tem a real lata de se intitular “Socialista”, mantém inalterada a única “reforma estrutural” que a direita-radical do PSD+CDS fez: a super precarização do mercado laboral, ao ponto ridículo de termos a economia a crescer quase 3% de forma Real (em volume) e mais de 4% de forma Nominal (em valor, ou seja, em €uros), e no entanto os rendimentos do trabalho sobem apenas 1.5%, confirmando o real projecto que é a Zona Euro: a destruição do Estado Social Democrata, e a substituição da distribuição pela concentração de riqueza nas mãos de umas poucas “elites”.

    Quanto aos que se podem seguir, como a Amazon, são só mais uma onda de despedimentos que se segue, e que os palermas da “classe-media” baterão palmas quando lerem ou ouvirem dizer que vem aí uma “novidade” dos centros comerciais sem trabalhadores… tudo automático, que lindo. Quando todas as empresas derem este passo, depois digam que a Segurança Social é insustentável, e que o interior arde porque ficou desertificado, ou que o que é preciso é flexibilizar ainda mais os direitos laborais (ou extinguí-los), como se fosse possível concorrer com países de economias baseadas em escravatura no Sudeste Asiático, ou empresas de mão-de-obra zero graças à robotização. E não se esqueçam da cereja no topo do bolo: chamar “deploráveis” aos excluídos desta revolução industrial globalizada… e depois acharem muito estranho como é que este ou aquele “Trump” ganhou eleições.

    PS: Escrito por um ex-funcionário da Google, que a Google nunca reconheceu como seu trabalhador (falso recibo verde com trabalho à jorna, aliás, facturado ao minuto e com exigência de 100% de produtividade), pois isso levaria a ter de cumprir a lei e a respeitar os direitos laborais… e numa empresa fachada do grupo Alphabet para diminuir, ainda mais os impostos pagos pela casa-mães… a CORRIDA PARA O FUNDO é tão linda… batam palmas a uma das suas muitas montras: a Websummit.

Trackbacks


  1. […] do anúncio da Google, eis que somos hoje confrontados com uma nova tragédia, que apenas vem reforçar a genialidade, […]