Sócrates: A Entrevista

No Conversas Vadias que vai ser publicado hoje e que foi gravado ontem após a entrevista de José Sócrates, já alguns aventadores teceram os seus comentários e opiniões sobre a coisa. Antes ainda, aqui fica um resumo possível da entrevista à TVI:

  1. José Sócrates afirma que Ivo Rosa  declarou que ele, Sócrates, não demonstrou nenhum comportamento contrário aos deveres do cargo de Primeiro Ministro. Disse isto sem se rir. Chamem o VAR.
  2. José Sócrates exigiu a José Alberto Carvalho (TVI) aquilo que ele nunca fez: um mínimo de rigor. Citando o nosso Fernando Nabais: E a Federação não faz nada?
  3. Que o crime de corrupção sem acto já não existe no código penal. Agora é “recebimento de vantagem indevida. Não esclareceu se existe na vida real. É entrar o VAR, sff.
  4. Sócrates explicou que não nutre nenhuma simpatia ou antipatia por Ivo Rosa. Só mesmo antipatia por Carlos Alexandre. E agora também por Fernando Medina e António Costa. E não se “canciou” de o dizer.
  5. Carlos Santos Silva, como já se sabia, é um amigo e uma espécie de Santa Casa da Misericórdia de Sócrates. Ajudou a financiar os seus estudos e os dos seus filhos. No estrangeiro. Qual corrupção, qual quê! Só ingratidão. Sabem porquê? Porque, pelo que se entende das palavras de Sócrates, este sabia que o BES ia ao fundo e nem avisou o amigo Santos Silva do facto, sabendo que era neste banco que o desgraçado tinha os tais milhões (ainda não percebi a quantia tal a quantidade de milhões de que se fala). Com amigos destes….
  6. A mãe de José Sócrates fartou-se de receber heranças. A Torre do Tombo prova-o. E as Sagradas Escrituras também.
  7. Por último, ficamos a saber que o Fernando Medina é um canalha e um “chega-me isto” de António Costa.

E a procissão ainda vai no adro.

Comments


  1. A entrevista foi importante para vermos como animal feroz se espalhou ao comprido, recusando-se (como sempre fez) a explicar em detalhe as maningâncias onde sempre se envolveu, chegando quase a ameaçar o jornalista por este lhe exigir respostas. Como não podia deixar de ser, adorou armar-se em vítima (tadinho!!!) de uma cabala esquisita e igualmente inexplicada em que todos decidiram conspirar contra ele.
    Já não há pachorra para esta interminável novela barata.

    • Manuel Pacheco says:

      Será que foi um jornalista ou um inquisidor? Sócrates foi convidado para dar uma entrevista e não um interrogatório.

      • Paulo Marques says:

        Pelo pouco que vi, fossem todas assim, invés de conversas amenas sem contraditório, e tínhamos muito menos gente a vender-se como salvador da pátria.

  2. Rui Naldinho says:

    Com excepção da sua aparição no auditório de Vila Velha de Ródão, em Outubro de 2015, nunca mais perdi um minuto que fosse a ouvir este mentiroso.
    Há pessoas a quem concedemos o benefício da dúvida. Pessoas que pelo seu trajecto político, ético e social, nos merecem credibilidade, mesmo discordando delas, por vezes profundamente.
    Ao conceder o benefício da dúvida, a pessoa opta por acreditar numa imagem positiva e benéfica de alguém, como se ela estivesse sendo realmente sincera e honesta com aquilo que diz e faz.
    Este fulano vive numa mentira permanente, contradiz-se quase sempre, e esperou sempre por este resultado.
    Que os justiceiros se digladiassem entre si, por motivos políticos e corporativos.
    Pior que o roubo de José Sócrates, ele não é o primeiro nem será de certeza o último, é a incompetência da nossa justiça, completamente politizada, deixando no seu percurso um rasto de desprezo pela democracia e o Estado de Direito, o qual deveria ser a primeira a defender.