Há um ano, voltou a fazer-se História na Praça da Batalha


Completa-se hoje um ano sobre o histórico 12 de Março da Geração à Rasca.
No Porto, se bem se lembram, o 12 de Março foi celebrado na Praça da Batalha, palco histórico de outras lutas e outros protagonistas. Ali, há 121 anos, no dia 31 de Janeiro de 1891, os revoltosos republicanos tentaram ocupar os Correios e o Telégrafo, que ali se encontravam, para informar o país da vitória da República. Barrados na actual rua 31 de Janeiro pelas tropas fiéis ao rei, foram dizimados. 120 anos depois, voltou a fazer-se história na Praça da Batalha.
Um ano depois, o que ficou dessa luta? Infelizmente, prefiro não responder.

A caminho da República: Nos 119 anos do 31 de Janeiro

A caminho da República – Nos 119 anos do 31 de Janeiro . Os Videos do Aventar http://d1.scribdassets.com/ScribdViewer.swf
«Power-point» preparado para a abertura das comemorações do Centenário da República numa escola básica do Grande Porto. O documento aparece desformatado e os filmes que surgem no interior não arrancam neste formato. Por isso, a visualização não é a melhor e por isso peço desculpa. Seja como for, o «power-point» original está ao dispor dos leitores que o desejarem e em especial dos professores de História. Basta que nos peçam.

Faltam 434 dias para o fim do Mundo…

O caso desesperado dos clientes do BPP é um escândalo que, típico da nossa inveja, passa ao lado da esmagadora maioria dos portugueses. Aliás, o sentimento dominante é “eles são ricos, que se entendam”. Estamos a falar, na esmagadora maioria dos casos, das poupanças de uma vida de trabalho de gente séria e honesta. Sim, os ricos que o povão despreza, esses, trataram de vida a tempo e horas com o nosso dinheiro, safando-se, à tangente, de ficar sem o graveto que tinham no BPP através da intervenção do Estado – intervenção essa que serviu, apenas e só, para resolver o problema a meia dúzia de “amigos”. (Declaração de interesses: não conheço nenhum dos lesados nem fui/sou cliente desse banco. Felizmente!).

Outra matéria que o povão adora é as pensões dos políticos. Outra escandaleira das grandes mas tratada pela imprensa de forma grosseira. Não são os políticos, são meia dúzia de tratantes que, entre outras coisas, são ou foram políticos. Isto de generalizar dá audiências mas cria injustiças como a dos clientes do BPP.

Entretanto, hoje é 31 de Janeiro e começaram as comemorações do centenário da República. Se é verdade que os jornais falam do tema, não o é menos que o tratam aos olhos da intriga política actual: Os eventuais recados de Cavaco ao Governo, os estados de alma de Manuel Alegre.

31 de Janeiro (Centenário da República)

O levantamento militar de 31 de Janeiro de 1891, no Porto, foi a primeira tentativa de derrube do regime monárquico pela força. Desde 1880, quando das comemorações do tricentenário de Camões, que, em crescendo, o ideal republicano e a capacidade de organização dos seus militantes, inclusive no seio das Forças Armadas, fazia prever uma rebelião.

A cedência do Governo e do rei perante o ultimato britânico de 1890 (a questão do Mapa Cor-de-Rosa, já aqui abordada) tinha deixado profundo um travo de humilhação, nomeadamente entre os militares. O directório do Partido Republicano Português, liderado nessa altura por Elias Garcia, mostrara-se favorável à preparação de um movimento insurreccional.

Porém, com alguma precipitação, sem deixar que os preparativos se consumassem, a classe de sargentos pressionou os responsáveis locais e a revolta eclodiu. Haviam chegado ao Porto ordens de transferência que afectavam alguns oficiais e, sobretudo sargentos, o que levou a um descontentamento quase generalizado. [Read more…]