Quem prejudica os alunos?

No sector da educação por exemplo, a racionalização da rede de escolas e a convergência de indicadores chave, nomeadamente a dimensão das turmas, para próximo de níveis de referência, estará no centro das nossas reformas”

Está assim, preto no branco, no sétimo relatório das potências ocupantes, vulgo troika. São as reformas deles. É uma tendência que vem de anos anteriores, e como só um idiota defenderá a bondade da ideia, mas já que até funciona nalguns países devidamente acompanhada por castigos corporais, resta isto:

18546a

Ou seja, o regresso da vara, da palmatória ou da menina de 5 olhos. Veja vídeos demonstrando o sucesso desta modalidade de ensino na Coreia do Sul,

O tamanho das turmas

Será que está por aí algum boy laranja que possa levar este post ao Sr. Ministro Nuno Crato?

É que na minha escola, em mais de 30 turmas não tenho nenhuma turma, sem alunos NEE, com o número de alunos que o sr. Ministro refere.

Será que ele me pode dizer onde é que isso acontece?

Uma classe zombie e um ministro bárbaro

Santana Castilho *

Numa sexta-feira, 13, a tampa de um enorme esgoto foi aberta ante a complacência de uma classe que parece morta em vida. Nuno Crato exigiu e ameaçou: até 13 de Julho, os directores dos agrupamentos e das escolas que restam tiveram que indicar o número de professores que não irão ter horário no próximo ano-lectivo. Se não indicassem um só docente que pudesse vir a ficar sem serviço, sofreriam sanções. Esta ordem foi ilegítima. Porque as matrículas e a constituição de turmas que delas derivam não estavam concluídas a 13 de Julho. Porque os créditos de horas a atribuir às escolas, em função da deriva burocrática e delirante de Nuno Crato, não eram ainda conhecidos e a responsabilidade não é de mais ninguém senão dele próprio e dos seus ajudantes incompetentes. Não se conhecendo o número de turmas, não se conhecendo os cursos escolhidos pelos alunos e portanto as correspondentes disciplinas, não se conhecendo os referidos créditos, como se poderia calcular o número de professores? Mas, apesar de ilegítima, a ordem foi cumprida por directores dúcteis. Como fizeram? Indicaram, por larguíssimo excesso, horários zero. Milhares de professores dos “quadros” foram obrigados, assim, a concorrer a outras escolas por uma inexistência de serviço na sua, que se vai revelar falsa a breve trecho. Serão “repescados” mais tarde, mas ficarão até lá sujeitos a uma incerteza e a uma ansiedade evitáveis. Por que foi isto feito? Que sentido tem esta humilhação? Incapacidade grosseira de planeamento? Incompetência? Irresponsabilidade? Perfídia? [Read more…]