Rodolfo tem razão

Não há contacto

– Rodolfo Reis, 2/4/2017

Sai do meu sangue, sanguessuga que só sabe sugar.

Caetano

***

Efectivamente, não há.

dre1042017a

Vamos comer, Caetano

Parabéns Veloso septuagenário.

A ouvir a explicação antropofágica da Adriana que comeu Caetano e virou rainha.

Hoje dá na net: Vinicius de Moraes

Documentário sobre Vinicius de Moraes. O poeta, o músico, o embaixador, o erudito, o homem do povo, o álcool, “o branco mais negro do Brasil”. Muita música e declarações de monstros como Chico Buarque, Caetano Veloso e o amigo-parceiro-irmão Tom Jobim. Com os actores Camila Morgado e Ricardo Blat.

Exílio (o repto a um repto a um repto a um repto de um amigo)

O Carlos Fonseca, às vezes, lança-me reptos simpáticos e amigos que eu nem sei se mereço. Desta vez brindou-me com Chico, também Julinho da Adelaide, e desenterrou do baú a saga da MPB dos anos de chumbo e de exílio dos seus criadores.

O Carlos merece que eu encha o meu cálice em sua honra e renove o brinde: esta canção, ou melhor, esta atuação e declarações juntamente com a canção, em 1968, remeteram Caetano Veloso e Gilberto Gil para o exílio londrino em 69.

Um conhecimento razoável da história da música popular bastará para que se perceba uma coisa: não fosse a censura e a contenção de danos (vulgo repressão) e esta música -de que se apresenta um extrato e a ligação para a versão integral – faria os possíveis por incendiar o Brasil de 68. À tua, Carlos.

Língua

A contribuição de Caetano Veloso para o debate.

Língua

Gosto de sentir a minha língua roçar a língua de Luís de Camões
Gosto de ser e de estar
E quero me dedicar a criar confusões de prosódia
E uma profusão de paródias
Que encurtem dores
E furtem cores como camaleões
Gosto do Pessoa na pessoa
Da rosa no Rosa
E sei que a poesia está para a prosa
Assim como o amor está para a amizade
E quem há de negar que esta lhe é superior?
E deixe os Portugais morrerem à míngua
“Minha pátria é minha língua”
Fala Mangueira! Fala! [Read more…]

Uma matriarca à maneira

 

"Dona Canô", a mãe do cantor brasileiro Caetano Veloso, afirmou que vai pedir desculpas em seu nome ao presidente Lula da Silva, depois do filho o ter chamado de "analfabeto".

Com 102 anos, a popular "Dona Canô" garante que esse pedido será feito em pessoa quando Lula da Silva visitar o Estado da Baía, avançou o diário A Tarde de Salvador.

Também mãe da cantora Maria Bethânia, Claudionor Viana, assim se chama Dona Canô, expressou o seu incómodo pelas declarações do filho Caetano, que, no dia 5 de Novembro, classificou Lula como "analfabeto, ordinário e grosseiro".

Dona Canô é ainda mãe da poetisa Mabel Veloso e de outra cantora, Belô Veloso. Mas é mais que uma mãe, que uma lutadora, que uma protagonista de décadas de vida do Brasil. É também um símbolo. Da Baía e do Brasil. Uma matriarca à moda antiga.