Abrigos nucleares a apenas 30 mil dólares

O botãozinho vermelho de Washington vai começar a mexer. Abrigos nucleares Atlas desde 30 mil dólares. Não tenho (ainda) comissão.

Bilhete do Canadá – Atrás duma grande mulher

Todos sabemos, geralmente de ouvido, que atrás dum grande homem está sempre uma grande mulher. Foi assim com Bill Clinton e com Barak Obama. E aqui chegamos a esta coisa gira: Hillary já foi primeira dama e agora, não havendo azar, passa a ser presidente da República. Jornalistas bem dispostos do Canadá resolveram reinar com a situação e perguntam, deslavados, se Bill Clinton vai ser primeiro cavalheiro.  Mas reconhecem que, sendo ele muito macho, não vai conseguir encher o tempo com chás de caridade, hortinhas orgânicas, galinhas de campo com ovos cheios de saúde (a fazer inveja à Senhora Maria do Salazar, se ela ainda por cá andasse).  Ninguém está a ver o Bill, dizem, na tv a cantar louvores ao mel orgânico e à dieta vegetariana. Para isso, Michelle Obama é que é uma artista, garantem os ditos jornalistas. E solícitos, sugeram que a Hillary deixe o Bill à solta e contrate a Michelle como primeira dama.

Dirão: mas, num momento tão sério, põem-se com estas graçolas?  Bom, é mesmo o momento de as inventar e dizer, assim como quem canta pela estrada deserta ou assobia no escuro.  Para espantar o medo.

Escolhas

Desafiado por voz amiga a comentar a posição de Susan Sarandon em relação às eleições no seu país – “Eu não voto com a minha vagina!”, declarou ela, querendo dizer que não se justifica o voto em Hillary Clinton pelo simples facto de ser mulher -, tenho a dizer que, com todo o respeito pela actriz e sua postura, não a sigo – nem aos que como ela pensam – nesta opinião. Não me sendo indiferente o significado de ser eleita, pela 1ª vez, uma mulher para a Casa Branca, tal está longe de ser a questão central. Ensinaram-me as voltas da vida e a reflexão que elas impõem, que, sendo espiritualmente confortável a ideia de uma abstenção por razões de princípio, ela sempre me pareceu uma via sem saída. Na verdade, a abstenção é, na vida como na política, as mais das vezes, uma ilusão. Ela tem efeitos, e tem efeitos na direcção que tomam as escolhas com que, verdadeiramente, nos deparamos. Penso, por isso, que há sempre, em condições normais, uma opção preferível. Digo-o sem qualquer laivo de cinismo, já que abomino a via do “quanto pior melhor” com que alguns parecem comprazer-se. A liberdade é a nossa mais bela condenação. E porque é condenação, não há modo de a evitar. Quer dizer: as nossas escolhas são inevitáveis, mesmo quando parece que lhes conseguimos fugir. A evasão não tem, aqui, lugar. Nunca.