O restabelecimento da credibilidade de Portugal

Ao ler no New York Times a notícia do dia, lembrei-me imediatamente daquilo que Álvaro Santos Pereira disse há cerca de um ano:

Obviamente que é um passo importante na nossa caminhada de restabelecimento de credibilidade de Portugal perante a comunidade internacional.

Efectivamente, depois de a comunidade internacional ler “legal uncertainties” e “we are not able to safely offer the works for sale”, num texto sobre o cancelamento de uma venda “by decision of the Portuguese Republic“, creio que a credibilidade de Portugal é matéria com a qual já não precisamos de nos preocupar. Sim, “os mercados” andam atentos.

nyt

Álvaro Santos Pereira: veremos no que dará

É fácil demolir e cumprir aquilo que os ouvintes dos noticiários esperam: a má língua, este tão português falar por falar, contentando os expressos balsemeiros e o público Belmiro.

Ontem, o ministro Álvaro Santos Pereira* anunciou um conjunto de medidas que passaram completamente despercebidas – a censura – nos noticiários. Dado o estado de ebulição onde já ferve a panela de pressão que Cavaco e os seus Montis de calças e saias preparam em Belém, notícias positivas não são de todo convenientes. É confrangedora a ligeireza dos agentes políticos nacionais, tomando a população como totalmente parva. Pois não é, já não bastando uns tantos discursos a puxar à lágrima fácil. Quem se dê ao trato de polé de escutar as “antenas abertas” dos canais de informação, apenas confirmará o profundo ódio, para não dizermos aquele desprezo que mata, com que a generalidade dos portugueses encara o regime. Os irados bate-panelas nos telejornais, deveriam apresentar as alternativas que dentro do quadro deste sistema político jamais surgirão. Há que repetir até à exaustão, jamais. Assim sendo, há que trabalhar com o que existe, atiradas borda fora umas Forças Armadas que nem sequer conseguem encontrar um porta-voz credível, alguém que saiba articular uma frase minimamente compreensível e não misture “Plutão e países daquela origem”.  Apenas fica a voz de Otelo e o seu sonho de ver cumprido um Campo Pequeno a abarrotar de rezes destinadas ao abate. É o chachismo erguido em instituição.

[Read more…]

Tretas politicóides: a História como morte da crise

Descubro, por acaso, uma pergunta de António Sérgio, escrita em 1915: “Quando nos convenceremos de que se cria, avigora, triunfaliza um povo, não por uma colectiva recordação do passado, mas por uma aspiração comum para o futuro?”

Nesse vácuo palavroso que é o discurso político, é frequente ouvir a mediocridade governante usar o passado glorioso do povo português como garantia de que saberemos, porque sempre soubemos, ultrapassar mais este obstáculo, mais aquela crise, como dignos descendentes que somos de todos os que dobraram bojadores ou descobriram outros mundos. [Read more…]

Chocos com tinta são chocos com tinta

Depois de Passos Coelho ter afirmado que a crise terminará em 2013, Álvaro Santos Pereira, o Álvaro, veio relativizar o arremesso do chefe do governo, lançando uma palavra de bom senso, parecendo abandonar o estatuto de pateta de serviço do governo. [Read more…]

Aliens Elogiam o Povo-Pá e o Governo Passos Coelho


Não percebo, o governador do banco central da Holanda, Klaas Knoto, veio dizer que o Governo Passos Coelho e a população de Portugal devem continuar a fazer esforços difíceis para superar a crise financeira; disse também que muitos ciclos viciosos estão a ser transformados em ciclos virtuosos; que Portugal deve insistir nos esforços para superar as dificuldades financeiras; declarou esperar que haja mais perseverança dos governantes e da população de Portugal para prosseguir estes esforços. Ora, não vi esta espécie de elogio enfático devidamente sublinhado no Público. Porquê?

Por sua vez, Philipp Rosler, ministro alemão da Economia e da Tecnologia, e vizekanzler, veio cá, ao Porto – Gaia, esta quarta-feira, para dizer que tinha orgulho no esforço que Portugal tem vindo a desenvolver através das reformas estruturais, agradecendo à sociedade portuguesa e prometendo ajudar no incremento das exportações portuguesas. Passo a citar: «Em primeiro lugar, nós temos orgulho no que Portugal conseguiu até agora com as medidas. Não são só medidas de austeridade, não se trata só de ter um orçamento público sólido, mas também se trata de reformas estruturais.» [Read more…]

Poltugal, um país do calalho

Isto sim, é um país do calalho! Chama-se Poltugal.”

Imaginemos por um momento o ministro Álvaro. Sentado, a ler. Sobre o regaço, os poemas de Álvaro de Campos. A sua atenção fixa-se, pensativamente, na estrofe final de um deles: “Ah, todo eu anseio / Por este momento sem importância nenhuma / Na minha vida, / Ah, todo eu anseio por esse momento, como por outros análogos / Aqueles momentos em que não tive importância nenhuma, / Aqueles em que compreendi todo o vácuo da existência sem inteligência para o compreender / E havia luar e mar e solidão, ó Álvaro”. O Álvaro na sua solidão. E então… aconteceu. O momento. Aquele momento em que compreendeu “todo o vácuo da existência sem inteligência para o compreender”. Porque se deveu a uma graça divina. Apenas. Aquele Deus que, na sua obra “Diário de um Deus criacionista”, o mesmo Álvaro tanto houvera amargamente questionado pela demora preguiçosa em criar o mundo! E, bruscamente, com o efeito de uma revelação, um golpe de génio. Que haveria de mostrar a Portugal e ao resto do mundo o ministro Álvaro como o grande ministro da Economia! O momento traduzido num verso, para citar Manuel António Pina, um só verso que, no fundo, vale por uma epopeia inteira e que, na sua simplicidade, acabava por sintetizar seis meses extenuantes no domínio da acção governativa. Disse ele então que Portugal “tem falhado” no que se reporta às exportações de produtos nacionais, “tal como as natas”! O famoso “ovo de Colombo” miraculosamente transformado em pastel de nata.
[Read more…]