O BPN (ainda) compensa

A Parvalorem é uma empresa pública, que gere os activos tóxicos resultantes da trafulhice levada a cabo por um grupo de cavaquistas criminosos, que destruíram o BPN e imputaram uma factura estratosférica aos contribuintes portugueses, sem que rigorosamente NADA do particularmente grave lhes tenha acontecido.

Em 2017, a Parvalorem pagou prémios de desempenho a altos quadros da empresa, grande parte dos quais provenientes da administração do BPN que destruiu o banco e asfixiou a economia portuguesa, num total de aproximadamente meio milhão de euros. [Read more…]

Mãos ao alto, esta merda é um assalto!

Nós não vamos pagar o Novo Banco, Dr. Teixeira dos Santos. Nós já estamos a pagar o Novo Banco desde que o regime da falcatrua rebentou com ele, sôtor. Já o pagávamos antes, com perdões fiscais e cenas dessas, agora pagamos mais um “bocadinho”, nada a que não estejamos já habituados. Ou não estivéssemos nós ainda a pagar aquele outro banco que o senhor conhece tão bem, aquele dos amigos de um certo presidente que um dia nos garantiu a todos que podíamos confiar no BES, pouco antes de se transformar neste Novo Banco. E era preciso nascer duas vezes para perceber mais de bancos que esse antigo presidente. Viram como ele tinha razão? Ninguém dá o devido valor ao Cavaco. Cambada de ingratos. [Read more…]

Falência das pastelarias será paga pelos contribuintes

A1 (1)João Salgueiro, um homem que vive no sistema bancário, veio avisar que pode haver mais três bancos na linha de resgate, uma fronteira ainda mais perigosa do que a atravessada por Rambo, Chuck Norris e pelos bravos que foram à procura do soldado Ryan.

Estou admiradíssimo, porque pensava que já não havia bancos por resgatar. Por outro lado, já se sabe que, se há bancos, haverá resgates, porque é essa, actualmente, a função dos bancos: serem resgatados. Não me admiraria que o Banco de Portugal viesse a retirar alvarás a bancos que não sejam resgatados.

O termo “resgate”, neste contexto, parece-me, de qualquer modo, mal aplicado. Estamos a assistir, isso sim, a uma troca de prisioneiros: o banco é tirado da prisão da falência, lugar que passa a ser ocupado pelo contribuinte. [Read more…]

Como os bancos portugueses destruíram 40 mil milhões de euros

Banksters

e como essa factura chegou, quase na íntegra, ao seu bolso, é o que explica este vídeo apresentado pelo Pedro Santos Guerreiro, no site do Expresso. Resumidamente, a coisa funciona assim: os bancos são gananciosos e querem lucros estratosféricos para distribuir pelos accionistas. Então, permitiram que fossem concedidos empréstimos a torto e a direito, em muitos casos aos próprios accionistas do banco, mas uma boa parte desses empréstimos, por algum motivo, acabaram por não ser pagos na sua totalidade, gerando as tais das imparidades. Essas imparidades foram-se acumulando, resultando em perdas, também elas estratosféricas, que puseram a nu as fragilidades dos bancos, que viram os seus resultados cair a pique. No total, desde 2008, os bancos portugueses registaram cerca de 40 mil milhões de euros em imparidades. Depois da festa de crédito fácil, patrocinada pela avidez dos dividendos e pela irresponsabilidade dos gestores bancários, vieram os aumentos de capital. E quem os patrocinou? Nós, os suspeitos do costume, através do Estado que apoiou os bancos em cerca de 21,25 mil milhões de euros, dos quais apenas 4,48 mil milhões foram devolvidos. Lembre-se disto da próxima vez que lhe disserem que viveu acima das suas possibilidades.

PSD: o denominador comum da fraude bancária em Portugal

banksters

Existe uma relação de promiscuidade entre parte significativa da nata do PSD e a banca falida. Uma relação tão íntima que permite que alguns dos mais altos quadros do partido estejam em todos os actos de criminalidade legal que envolva bancos, paraísos fiscais e dinheiro dos contribuintes. Muito dinheiro dos contribuintes.

A regra é serem todos imunes à justiça. Como se esta não existisse. Por vezes, quando a ira temporária dos plebeus assume uma dimensão passível de incomodar de forma leve a elite que nos comanda, simulam-se processos que, no limite, levam a prisões domiciliárias temporárias de muito curto prazo. Anunciam-se comissões de inquérito inconsequentes. Permite-se que uns quantos comentadores trucidem uns quantos gangsters da alta finança na praça pública. Males menores. No final do dia, o pior que pode acontecer é ter que pagar uma fiança. Os bens, esses, há muito que foram passando para o nome da esposa, do marido, do filho ou do primo. Parece fácil e na verdade é mesmo. [Read more…]

Obama – isto aplica-se cá…

Nada deverá ficar como antes no que diz respeito à banca! O dinheiro dos contribuintes andou a salvar bancos e banqueiros mergulhados em falcatruas que merecem prisão, mas parece que nem o dinheiro querem devolver, apesar de já estarem a ganhar milhões.

Paraísos fiscais – prémios milionários de gestores – grandes negociatas especulativas – as bolhas – impunidade de corruptos e corruptores, tudo isto deve ser severamente atacado e ainda o que Obama já anuncia:

Regulamentação do sistema bancário; separação entre bancos comerciais, abertos aos depósitos públicos e que não devem especular com eles, e bancos de investimento ou de negócios ; impedir o gigantismo por forma a evitar o poder sistémico dos bancos ;

As desigualdades pronunciadas são outro factor que impede o desenvolvimento e que levam a crises cíclicas. Esta é a única área onde estamos “muito bem” posicionados, em 3º lugar logo a seguir aos US e a Singapura! Extraordinário! Um país que há 30 anos é governado por governos socialistas e sociais – democratas, tem como resultado ser o terceiro país mais desigual no mundo!

E os banqueiros a ameaçarem que se vão embora! Para onde? Infelizmente nos US e em Singapura ninguem os quer, para os outros países menos desiguais ganhariam menos, fogem para onde?

Até o governador do nosso “banquinho” de Portugal ganha mais que o poderoso Banco Central Americano!