Jair Bolsonazi e Silas Malafacho

Que Jair Bolsonaro é um fanático religioso já todos sabíamos, mas levar o ayatollah Malafaia para o funeral da rainha foi mais uma prova da teocracia que pretende impor no Brasil, até porque o pastor fundamentalista não desempenha qualquer função que o torne elegível para marcar presença num funeral de Estado. Silas Malafaia agradece e põe o seu exército pessoal de jihadistas cristãos a distribuir propaganda da extrema-direita no final da missa. Brasil e Irão, a mesma luta.

Porque Eu Amo Jesus!


Fode-me por trás, perdão,
vamos unir as nossas almas,
vamos juntar os nossos corpos,
vamos voar nas asas do amor.

A normalidade é uma cena relativa

normalidade