O mistério de um inocente convite

Para amenizar um pouco as tristezas, as revoltas e as desgraças dos nossos posts, aqui vai, por partes, uma pequena ( grande de mais para um post) telenovela humorística.

 O mistério de um inocente convite

 Embora decorrente da inevitabilidade de que quando se sobe tem de se descer, ou mais popularmente falando, quem andou não tem pra andar, mesmo assim o convite para o encontro em casa de um amigo, sem mulheres, atravessou, como o furacão Ivan, todas as cabeças das segregadas esposas dos respectivos machos. Quando se soube a notícia de que ele só convidava os homens, eu próprio ouvi, de imediato, da boca de uma das damas um

-Ah! Nem parece do gajo!

A reacção foi em cadeia. A começar pela cadeia de Custóias, onde tenho a minha terceira mulher, inactiva.

-Ah! Isto traz água no bico!

Em breve esta exclamação se estendeu a todas as outras mulheres:

-Ah!… Ah!… Ah!…Uma delas recordou de imediato:

-O gajo nunca fora, sexualmente falando, um político de confiança. Tem um currículo demasiado pesado e clandestino, um currículo demasiado suspeito. Não serem convidadas as mulheres legítimas!? Será que…será que foram convidadas outras, por assim dizer, ilegítimas?

Como ele andou a arranjar a cave, não as terá ele recrutado e escondido por lá? Não terá vindo agora à tona, com este suspeito convite, algum maquiavélico plano urdido sabe Deus quando, lá na sua isolada pacatez bucólica?

Não podemos ficar confinadas à nossa ingenuidade. Temos de agir, no sentido de evitar uma possível clivagem ou mesmo derrapagem nas bem formadas consciências e nas bem domesticadas e… vigiadas sub-consciências dos nossos maridos, pais dos nossos filhos e avós dos nossos netos.

Para mim, relator destes factos, foi óptimo, porque eu encontrava-me num grande dilema. É que não sabia qual das duas, activas, haveria de trazer, e fosse qual fosse a minha decisão, haveria de arrostar com azedumes, amuos e negas durante mais de um mês por parte da outra. (Continua)

Comments

  1. Carlos Loures says:

    Grande expectativa em que nos deixas!