Politiquices e desvarios…

Passa o Orçamento Geral do Estado para 2010, como já toda a gente percebeu, documento mestre de toda a política do governo para o ano que vem. Mas há outros assuntos que a Oposição encara como importantes, tem opinião, mas com o sacrílégio de não ser exactamente o que Sócrates pensa.

E a vitimização é imediatamente agitada, não passou o Código Contributivo, o tal que não representava aumento de impostos, mas que afinal, segundo o governo, representa uma perda de receitas de 800 milhões de euros! Pode lá ser !

Estranhíssimo, o BE junta-se a outros partidos na Assembleia, o PSD e o CDS, fazem maioria só para embaraçar o governo, acordos contra natura, estamos disponíveis para encontrar as melhores soluções para o país desde que sejam as nossas. E a gente a pensar que na AR os partidos estão lá é para se juntarem e negociarem.

Tudo “ajustes de contas” com o passado ( leia-se com o animal feroz), exaltou a política de investimento público, criar mais emprego, modernizar o país e retirar Portugal da crise.

E a gente a julgar que Sócrates ” o magnífico” já tinha feito tudo isto, segundo se podia deduzir dos seus muitos e longos discursos!

Afinal, não, tal como desconfiávamos…

A arte de vivermos a vida dos outros como se fosse a nossa

Eu sou da opinião de que as figuras públicas têm que ter comportamentos ligeiramente diferentes das pessoas ditas normais. Especialmente se estas figuras públicas fazem parte do cenário político de um determinado país, ou seja, pessoas que possuam algum tipo de responsabilidade para com o bem-estar da população. E o comportamento de que falo está relacionado com questões de integridade e honestidade, e outros valores do género. Estes valores têm obrigatoriamente que estar presentes na vida profissional desta gente, por uma questão de ética e moral.

A vida privada já é diferente. Exemplo: eu posso criticar a postura do Cristiano Ronaldo dentro do campo. Posso criticar-lhe a falta de humildade, e falta de outras qualidades que ele, como futebolista e como ídolo de muitos, devia ter. Nunca me passaria pela cabeça criticá-lo pela vida pessoal que tem. A vida privada de cada um é isso mesmo: privada.

O caso do Tiger Woods, um homem com uma carreira fantástica, que ganhou imensos torneios e prémios e que de todas as maneiras honrou o seu país, é representativo de tudo o que está errado com a sociedade americana. Do escrutínio terrível por que passam aquelas pessoas. E agora, foi forçado a desistir da carreira que tinha por causa de um escândalo que nem sequer tem nada a ver com o desporto que pratica.

Se Tiger Woods consumisse drogas, ou se fosse acusado de dopping ai sim, tinha obrigação de se desculpar e de se retirar. Mas por amor de Deus, alguém me explica como é que possível que um desportista excelente seja obrigado a abandonar a sua carreira por ter tido relações extra-conjugais? Mas o que é as pessoas têm a ver com isto?

Esta mania, porque eu não consigo dar-lhe outro nome, de nos metermos na vida dos outros atinge, actualmente, proporções inacreditáveis. E infelizmente, é um fenómeno que se está a espalhar. Será que não há ninguém que se aperceba que isto é sintoma de uma sociedade muito doente?

O mistério de um inocente convite

O mistério de um inocente convite (suspense 6)

 Uma outra esposa, que até aqui só tem estado a ouvir, de dentes cerrados e com a raiva a escorrer-lhe até muito abaixo do umbigo, comenta:

 -A única frase meio filosófica que tenho ouvido ao meu homem nos últimos tempos é, quando ele vai mijar, pela manhã e diz sistematicamente: O que a gente era e o que a gente é! Fico lixada!

 -Imaginem que quando o interroguei sobre o inusitado encontro, só entre gajos, ainda para mais, velhos e incapazes de sobreviveram sozinhos para além de um raio de dois quilómetros, ele me respondeu com ar meio freudiano, que se tratava, possivelmente, de uma espécie de simpósio, em que se faria o levantamento do velho conceito, já gasto, e se tentaria a sua penetração dentro do paradigma da modernidade, muito mais interessante do ponto de vista, digamos, sensorial e estético, do que o paradigma dos nossos tempos.

 -Estão a topar?… O levantamento…a penetração…no paradigma…muito mais interessante…só lhe faltou dizer, a esse filho da puta, muito mais depiladinho! [Read more…]

O encanto

Numa peregrinação a uma grande superfície comercial, tomei finalmente consciência da razão do encanto que os portugueses têm pelos “hiper”.

A mim aquele ambiente causa-me um certo desconforto, talvez porque me disseram que é nos “hiper”, e afins, que faz verdadeiro sentido a expressão “pôr o carro à frente dos bois”. Talvez por isso evito circular com carrinho de compras… Mas, recentemente, percebi o encantamento lusitano por aqueles espaços comerciais. Isto, numa revelação que se desdobrou em duas experiências contínuas. A saber:

– O meu olhar foi cativado pelo preço anunciado da bandeira nacional: um Euro. Exactamente: € 1,00. Pensei para  mim que tal valor terá a sua lógica, pois face ao montante da nossa actual dívida externa, e o seu provável aumento face à realização de mais alguns dos famosos desígnios nacionais, duvido que a nosa bandeira tenha, ou venha a ter num futuro próximo, um valor económico superior àquele pedido pelo “hiper”.

De seguida, ouvi num altifalante a habitual voz feminina anasalada com efeito de eco, a demandar pela presença de um responsável de um sector (penso que era o responsável da mercearia, mas não tenho a certeza…), para que se apresentasse prontamente à recepção que, por acaso, era num balcão que pouco distava de mim. E, em pouco tempo, lá surgiu o demandado responsável.

Face a estas tão profundas experiências, percebi, então, porque os portugueses apreciam tanto os “hiper”: na vida real lusitana, dificilmente as coisas têm um preço justo, e surge tão prontamente, à primeira demanda, o responsável do que quer que seja.

Ladrões de milhões

A sensação que tenho, sem qualquer exagero, quando diariamente abro o jornal, é que Portugal não é um país, mas uma quadrilha.

 Que me perdoem por este sentimento, as pessoas sérias que por cá vivem.

 São milhões que existiam mas não existem, são milhões que não se sabe onde estão, milhões que entraram e não saíram, milhões que saíram e não entraram, poucos milhões na compra, que por artes mágicas renderam muitos mais milhões na venda, poucos milhões na venda, que por artes mágicas renderam muitos milhões na compra.

 Nos governos, nas autarquias, nas instituições, nas empresas, nos bancos, em tudo por onde passam as magras economias de cada um.

 Milhões que são do país, que são de nós todos, circulando nos bolsos e nas contas dos ladrões do povo, dos ladrões nacionais, dos ladrões instituídos, dos corruptos (corrupto significa podre), dos gajos que transformaram a honra, a seriedade, a dignidade e a integridade num monte de merda.

 Belo legado às gerações vindouras!

 Li hoje o artigo de Mário Crespo no JN, intitulado “O palhaço”. Creio que é uma ofensa ao palhaço, essa bela profissão circense, e procurei ler o artigo substituindo a palavra palhaço pela palavra ladrão. Parece-me dar melhor resultado, e não ofende o nosso amigo de nariz vermelho, que não tem nada a ver com outros narizes.

A máquina do tempo: Pinga e Cristiano

Fotografia da equipa do FCP, campeã em 1939/40. Pinga está ao centro, com o joelho ligado devido a uma operação ao menisco.

No sábado da semana passada, à noite, estava com a família a jantar num restaurante de Portimão. Muitos espanhóis estavam por ali e, claro, os televisores estavam ligados para o Real – Almería. E vimos Cristiano jogar bem e agir mal, como quando, depois de ter falhado a marcação de uma grande penalidade, não festejou com os colegas o golo que na recarga, subsequente ao penalty falhado, Benzema marcou. As câmaras captaram o seu ar desgostoso, como se em vez de a sua equipa ter marcado, tivesse sofrido um golo.

Vimos depois como, dois minutos após, festejou exuberantemente o «seu» golo, despindo a camisola e sofrendo a amostragem de um amarelo que veio determinar a sua expulsão e a impossibilidade de jogar em Valência. Tal como sucede na selecção, Cristiano entende que a equipa é composta por ele, a vedeta, e por dez figurantes. Entre parêntesis pergunta-se: como é que se escolhe para capitão uma pessoa como Cristiano? Ricardo Carvalho, por exemplo, não terá um perfil mais adequado a essa função?

Cristiano Ronaldo é um grande jogador, tem uns pés maravilhosos, faz fintas do outro mundo – um sobredotado. Bem sabemos que as bolas de ouro, os Óscares, os prémios Nobel, valem o que valem, mas, com bola de ouro ou sem ela, Cristiano é um jogador de eleição. E a pessoa? Com é a pessoa que dá pelo nome de Cristiano Ronaldo?

A pessoa é narcisista, egocêntrica, vaidosa e, sobretudo, imatura – um ser humano com a alma apequenada pelo desfasamento entre a «inteligência» dos pés e a patetice da cabeça. Sou forçosamente levado a compará-lo com outro ídolo do futebol mundial, o Messi – um rapaz que sendo um grande jogador, não se deixa ofuscar pelo brilho da própria imagem. E lembro grandes jogadores portugueses – Eusébio, desde logo, ao qual já dediquei um texto, Peyroteo, e andando mais para trás, Pepe e Pinga. Todos eles modestos, pessoas simples. Todos eles geniais jogadores. [Read more…]

Redes demasiado sociais

O conceito de redes sociais, tão badalado nos dias que correm, baseia-se em grande parte na ideia de que todos podemos ser amigos, amigos dos nossos amigos, amigos dos amigos dos nossos amigos e por aí adiante…

Como acontece na vida off-line, qualquer um é livre de escolher os seus amigos (e até inimigos), ou não fosse a Internet o expoente máximo da liberdade individual.

Ora esta teoria, como qualquer outra, encontra frequentemente na prática obstáculos da mais diversa natureza. Neste caso, o obstáculo foi criado pelo Comité de Ética do Supremo Tribunal de Justiça da Flórida, que entendeu que isto de escolher os amigos é muito bonito, mas dentro de determinados limites. E quem define esses limites? O dito Comité, claro está!

[Read more…]

O pedigree da desglobalização

A desglobalização não é nenhuma novidade. keynes, no culminar da grende depressão, dizia: “Não desejamos estar à mercê de forças mundiais que geram, ou tratam de gerar, algum equilibrio uniforme, de acordo com principios de capitalismo laissez-faire.

E prosseguia: “Para um crescente leque de produtos industriais, e talvez tambem agrícolas, levantou-se-me a dúvida de o custo económico de auto-suficiência ser bastante para contrabalançar as outras vantagens resultantes de reunir gradualmente o produtor e o consumidor no âmbito da mesma organização nacional, económica e financeira. Acumula-se a experiência que comprova que o grosso dos processos da moderna produção em massa pode executar-se na maioria dos países e na maioria dos climas com uma efeciência praticamente identica.”

E concluia: deixemos que as ideias, o saber, a arte, a hospitalidade, as viagens, todas essas coisas deveriam, pela sua própria natureza, ser internacionais. Mas deixemos que os bens se produzam em casa quando isso seja razoável e convenientemente possível e, sobretudo, deixemos que as finanças sejam prioritariamente nacionais”

Walden Bello, professor de ciências políticas e sociais na Universidade das Filipinas

Massimo Tartaglia e a sociedade de consumo imediato

Talvez Massimo Tartaglia esperasse estes momentos de fama e de sucesso. Talvez não. Terá sido apenas o ódio, o desprezo, ou outro qualquer sentimento negativo que o moveu contra Berlusconi, não a busca de uma fama efémera, nem a entrada para a galeria dos malfeitores de famosos.

replica_duomo

No entanto, numa sociedade onde as notícia correm cada vez mais depressa e onde não se pára um segundo para pensar e analisar os acontecimentos, Massimo acabou por, em poucos minutos, se transformar numa estrela do Facebook. Em poucas horas surgiram dezenas de grupos de apoio ou de crítica e contestação.

Houve de tudo. Grupos de apoio apenas com o nome do agressor de Berlusconi, outros mais elaborados: “Liberdade para Massimo Tartaglia”, “Apoio a Massimo Tartaglia”, “Salvemos Massimo Tartaglia”, “Contra Massimo Tartaglia”, “Morte a Massimo Tartaglia”. Numa das páginas, alegadamente de Massimo Tartaglia, estão inscritos mais de 35 mil fãs.

O homem tem 42 anos e, dizem os media italianos, um historial de doença psiquiátrica. Massimo ficou detido após a agressão e foi acusado de “ofensas graves e premeditadas”.

Há uns 20 anos, os Táxi cantavam as desventuras da relação de uma chiclete com uma música, ambas reflexo de uma “sociedade de consumo imediato”. Se era assim há 20 anos, como será agora?

"Vergonhosos abusos sexuais de menores"

Vergonhosos abusos sexuais de menores

 Com este título, li ontem no JN, o artigo de Rui Osório. Nele, ele diz que Bento XVI pede contas a responsáveis da Igreja Católica da Irlanda sobre a “dolorosa situação” das crianças vítimas da pedofilia de padres e de religiosos.

 Diz ainda que os bispos pediram perdão: “Nós, bispos, pedimos perdão a todos aqueles que sofreram abusos dos padres quando eram crianças, ás suas famílias, a todas as pessoas que estão justamente escandalizadas”. “Estamos profundamente chocados com a amplitude e perversão dos abusos como foram descritos no relatório”.

 Continua, dizendo que o núncio apostólico na Irlanda pediu perdão por “todo o erro”que possa ter sido cometido pelo próprio Vaticano, apresentando desculpas. [Read more…]

Crónica de Basileia

026
Basileia é uma cidade interessante e agradável, à qual se vai porque há viagens «low cost». Tem especial interesse nesta altura do ano, com o seu típico Mercado de Natal, que dá um colorido muito especial às ruas da cidade.
Mercado de Natal só para ver, claro, não para comprar. A principal nota deste fim-de-semana na Suíça é mesmo o nível de vida. Basileia é mais cara do que Paris, Londres, Dublin ou Reiquejavique. Tudo caríssimo, quase insuportável para a bolsa de um português médio. Nos restaurantes e mesmo nos supermercados – só para dar dois exemplos, um pão normal (um molete pequeno) custava o equivalente a 80 cêntimos, um frasco pequeno de café instântaneo, tipo Mokambo, quase 10 euros. A somar a tudo isto, a dificuldade da conversão dos francos, para quem não está habituado a pensar senão em euros.
Passando ao lado do frio intenso, que se suporta com muita roupa em cima do corpo, existe a grande dificuldade do idioma. Estando Basileia na fronteira com a França e com a Alemanha (visite-se com tempo a Esquina dos 3 países), esperar-se-ia que tudo estivesse escrito em alemão e em francês. E em Inglês, a língua universal. Nada, apenas em alemão. Entrei e saí da Suíça sem perceber patavina do que li, como se pode ver pelo cartaz que fotografei e que estava à entrada de uma igreja. [Read more…]

Natal: Mito, ritual ou processo comercial?

Para os meus netos Tomas e Maira van Emden, em Nederland, e para a que deve nascer em Dezembro, na Grã Bretanha.

Santa Claus vende presentes

Santa Claus vende presentes

Não sou homem de fé mas tenho estas ideias para dizer:

Em 1260, na sua obra Provérbios, Tomás de Aquino escreve elementos do que viria a ser a sua obra O Catecismo, editada pelos Frades Dominicanos e mais tarde, em 1878, pelo Papa Leão XII, nascido Vincenzo Gioacchino Raffaele Luigi Pecci Prosperi Buzzi; Carpineto Romano, a 2 de Março de 1810Roma, 20 de Julho de 1903, foi eleito sucessor do Papa Pio IX. É frequente referir-se o Papa Leão XIII pelas suas duas importantes encíclicas: Rerum Novarum, de 1891, sobre os direitos e deveres do capital e trabalho, em que introduz, no pensamento social católico, a ideia de subsidiariedade e a Aeterni Patris, de 1879, sobre Filosofia, onde destaca a importância do retorno à Filosofia de São Tomás de Aquino do Vaticano, a sua primeira preocupação é declarar a obra de Tomás de Aquino como a orientadora da Doutrina da Igreja Católica, declarando o seu Catecismo a base de qualquer outro que pudesse vir a ser escrito.

Eis, aqui, a razão porque em 1991 o Papa João Paulo II ou Karol Wojtila, ao escrever o seu Catecismo, cita mais de 66 vezes a Obra Aquiniana. Nem Jean Calvin em 1535 ou Lutero em 1529, fazem referência ao nascimento de Jesus. O Direito Canónico que governava o mundo até ao Século XIV ou a queda do Império Bizantino, especula normalmente sobre esta ideia do nascimento de Jesus, narrada como está nos Evangelhos. [Read more…]

As minhas amigas "tresmalhadas"

Era um espanto de mulher quando arribou a Castelo Branco, nos idos de setenta. Professora de ginástica, acabadinha de se formar, louraça, olho azul, mini-saia com umas pernas compridas a condizer, a Manuela era uma brasa, metade do pagode masculino de olhos em bico mas sem coragem de se chegar.

Foi lá o pobre do Vinagre, pobre duas vezes, porque andou de coração apertado enquanto viveu com os olhares de inveja dos outros e ainda coitado porque morreu cedo.

Ficou a Manuela viúva, um estadão, mas quem é que lá ía? naquele tempo, mulher com homem na vida estava entregue à maldicência e à solidão. A nossa conversa, de encher já se vê, é que sendo viúva de um amigo para nós era como se fosse um irmã… [Read more…]