Acho bem, mas depois não se queixem

O artigo 1986 do Código de Direito Canónico estabelece a partir de agora que “é inválido o matrimónio entre duas pessoas, uma das quais baptizada pela Igreja Católica ou nela integrada e outra que não seja baptizada.”

Tem lógica. Que se case pela igreja quem é da igreja. Claro que assim menos gente se vai casar pela igreja (o número de casamentos civis em Portugal já ultrapassa  o número de casamentos religiosos), o que prejudica o negócio. Mas isso é problema deles, e há sempre generosas fontes de rendimentos, tipo Fátima.

Adenda: comentário de ASF, que dá outro tom à notícia:

Bastaram-me 15 minutos de pesquisa para perceber que isto não passou de uma peça de mau jornalismo do “i”

1. O Código Canónico (C. C.) já permitia o casamento entre uma pessoa baptizada e uma não baptizada antes desta modificação. Depois desta modificação continua a permiti-lo. São os chamados casamentos mistos (artigos 1124 e seguintes). A grande diferença relativamente ao casamento entre dois baptizados é que para se celebrar um casamento com um não baptizado tem de se obter autorização da Igreja.

2. Foram alterados três artigos (1086, 1117, 1124) relativos ao casamento entre uma pessoa baptizada e outra não baptizada. Mas as alterações dizem respeito a um pormenor relativo apenas às pessoas anteriormente ligadas à Igreja Católica e que se separaram da mesma através de um acto formal. O resto (basicamente, o que escrevi no ponto 1) mantém-se.

Conclusão: mais um exemplo de mau jornalismo; há que estar atento ao que se lê, mesmo se a notícia ataca a Igreja Católica…

http://www.vatican.va/holy_father/benedict_xvi/apost_letters/documents/hf_ben-xvi_apl_20091026_codex-iuris-canonici_it.html

A cultura também evolui

Este não é mais um post sobre Portugal vs Espanha, sobre o que um tem de bom ou o sobre o que outro tem de mau.

Mas permitam-me, ainda assim, fazer uma comparação directa entre estes dois países num aspecto tão simples quanto demonstrativo. Refiro-me a uma notícia de hoje do jornal El Mundo, onde se lê que Espanha irá descer o IVA de 16% para 4% nos livros electrónicos.

Por muito que quisesse evitar a confrontação, o meu subconsciente (ah, maldito!) rapidamente me fez aperceber que, felizmente para nuestros hermanos, no seu país há quem se preocupe verdadeiramente com a cultura e esteja atento aos seus meios de difusão mais recentes.

Por cá, onde a cultura é muitas vezes tratada mais como um fardo do que uma riqueza, resta-nos esperar que venha a ser adoptada uma medida semelhante. Até porque, estando Portugal tão virado (e bem) para as novas tecnologias, uma decisão deste género poderia ajudar a dinamizar um mercado praticamente inexistente no nosso país: precisamente, o dos livros electrónicos.

Obama e os bancos salvos da bancarrota

A gente nem acredita, mas a verdade é que há países que têm regras, onde se chamam os bois pelos nomes, se pedem responsabilidades e ajuda aos que entraram com os seus impostos, para salvarem bancos na bancarrota.

“Os bancos dos Estados Unidos receberam assistência extraordinária da parte dos contribuintes americanos para reconstruir a sua actividade e, agora que estão outra vez de pé, esperamos deles um compromisso extraordinário de apoio à economia”

Os banqueiros americanos, com as castanhas fora do lume, recuperados do risco de colapso, voltaram à conversa dos prémios e a querer travar a reforma do sistema regulatório do sector financeiro. Esta posições resultam do facto de o governo americano já ter cobrado grande parte das ajudas que concedeu, o que permitiu que os bancos recuperassem parte da sua autonomia habitual.

Nos argumentos do Presidente Americano, entra o facto incontroverso de que grande parte da culpa do que se passou deve ser assacada aos próprios bancos, pelo que é inaceitável que tudo volte ao mesmo e nenhuma, ou poucas lições, sejam retiradas.

E, basicamente, o que pede, para além do pagamento integral das ajudas que receberam? Que facilitem o crédito às Pequenas e Médias Empesas, para assim relançar a economia!

É parecido com a política cá do burgo, não é ?

A vida por um fio

Manila, Filipinas, 27 de Setembro. Chove há dias, graças ao furacão Ondoy. As ruas estão inundadas. A circulação é impossível mas há uma vida para fazer andar. Caminha-se como se pode. Uns pela rua, tentando pisar algo firme porque só a cabeça fica acima das águas. Outros preferem os fios da electricidade. O risco é um pouco menor que o que se pode pensar.

A electricidade foi cortada. Mas não se sabe quando regressa.

  manila

Esta imagem de Erik de Castro para a Reuters é uma das imagens do ano.

Salazar é mesmo o maior português de sempre

É fácil falar com amigos. É muito difícil falar deles. Criticar um amigo é difícil. Elogiá-lo é dificílimo.

Os amigos não são todos iguais: há aqueles de quem nos sentimos filhos, outros que despertam em nós uma espécie de instinto paternal, outros que são irmãos, outros ainda são vítimas ou carrascos de brincadeiras, nenhum deles menos amigo por isso.

Gosto das pessoas de quem gosto porque são humanas e apesar de serem humanas. Há, a propósito, uma frase que diz mais ou menos isto: apesar de conhecermos os nossos amigos, continuamos a gostar deles. Por isso, não vejo os amigos como heróis imaculados, à excepção de um que quase alcança esse estatuto.

Em quase todos os meus amigos vejo defeitos, alguns deles até irritantes. Devo, no entanto, confessar que desconheço defeitos nesse meu amigo. Aliás, posso dizer que tem tantas virtudes tão irritantes que chegam a ser os únicos defeitos que lhe encontro. Já sei que a sua sincera modéstia vai levá-lo a dizer que estive aqui a dizer disparates, mas terei de lhe perdoar, tal como ele me perdoará por estar a elogiá-lo.

Este meu amigo chama-se Rui Correia e tem a detestável mania de ser genuinamente bom em tudo o que faz. Não vou entrar em pormenores, mas sempre adianto que é professor e exerce essa profissão com a competência e a dedicação a que as suas qualidades como homem o obrigam. É professor de História na Escola Básica Integrada de Santo Onofre, nas Caldas da Rainha, é um daqueles professores que marca qualquer aluno que lhe passe pelas mãos, é um daqueles professores que vive absolutamente a escola em que trabalha, que fez parte de um conselho directivo que revolucionou a escola a ponto de ter sido considerada modelar por mais do que uma entidade, que esteve tão empenhado nesse trabalho executivo como empenhado esteve em não permanecer indefinidamente nesse lugar.

Também sei que a qualidade de uma escola não pode depender só das qualidades de uma pessoa e é evidente que as metas atingidas pela Escola de Santo Onofre se deveram a um conjunto de pessoas que a transformou naquilo que foi. No entanto, a verdade é que há indivíduos que fazem com que um grupo seja melhor e o Rui é um desses indivíduos. [Read more…]

Pode repetir em voz alta?

Esta é integralmente transcrita do Correio da Manhã. A notícia é vaga e muito sucinta, mas não deixa de ser curiosa.

Estudo britânico sobre produtividade

Limpeza mais útil do que a Banca

As empregadas de limpeza dos hospitais são muito mais úteis à sociedade do que, por exemplo, os banqueiros ou gestores, e por isso deveriam ter salários equiparados aos benefícios que trazem, afirma um estudo elaborado pela New Economics Foundation no Reino Unido. As funcionárias de limpeza criam uma riqueza de 11 euros por cada euro que ganham, ao passo que os banqueiros destroem 7,7 euros por cada euro que ganham.

Sem trabalho não há emprego

João César das Neves dixit:

(…) Os empregos primeiro criam-se, só depois podem ser ocupados. Muitos desempregados deveriam lançar o próprio negócio, sem acreditar na geração expontânea de tarefas. Trabalhar é ser útil, criar valor. O mal está na opinião pública, que começa por desprezar empresários e gestores, tratando-os como exploradores, parasitas ou pior. Depois, o Governo persegue-os com impostos, regulamentos e fiscalizações. No final, todos se surpreendem por faltarem postos de trabalho. (…)

(…) A quinta tolice é pensar que, porque o montante de trabalho é fixo, os empregados tiram empregos aos desocupados. Esta velha falácia é persistente, apesar de sempre negada. É trabalhando que se gera a necessidade de mais trabalho. Aqui não há partilha, mas crescimento. Ou queda se, em vez de aumentar o bolo, se lutar pela sua divisão.

Isto leva à estupidez suprema de considerar obsoletas e fora de prazo pessoas de certa idade, ainda com décadas de capacidade e eficácia à sua frente. Usar a reforma para promoção do emprego é um infame crime nacional, que estrangula empregos e paralisa a economia. (…)

PS : Aventado ao Blasfémias

No 5 Dias: o descaramento da indecência

Hitler & Stalin

Independentemente do juízo que possamos formar acerca do tipicamente italiano Berlusconi, existem limites que na política não podem nem devem ser ultrapassados. O bestial apelo à violência e desrespeito pela integridade física dos agentes políticos – sejam eles quem forem -, surge cada vez mais como apanágio de uma certa ideia de “liberdade” que pode num futuro não muito distante, virar-se contra os próprios promotores da agressão. Ainda há uns anos, aqueles que com gaudio sempre gostaram de exibir as chocantes imagens de Mussolini na Piazza del Loreto, indignaram-se com a execução dos Ceausescus ou de Saddam Hussein. Há um perceptível movimento pendular que a ninguém passa em claro, Berlusconis à parte.

No 5 Dias, há quem tenha perdido a vergonha e despudoradamente alinhe de forma aberta com os esquemas organizativos de Al Capone, Himmler ou da dupla Iezhov/Béria. Espancamentos à falta do morticínio puro e simples, eis a forma de ver a política sob o prisma dos caderninhos revolucionários que um Lenine tão bem aplicaria a muitos milhares que depressa chegariam a milhões. Não esqueceram nem aprenderam coisa alguma. Incrível.

E davam grandes passeios ao Domingo…

Em devido tempo e no local correcto, a caixa de comentários, já me pronunciei sobre este «post» do Tiago Mota Saraiva: acho vergonhoso que um Partido político, como é o caso do Bloco de Esquerda no Parlamento Europeu, ande a pagar viagens a bloggers para que eles possam visitar gratuitamente Bruxelas e possam ver, «in loco», como se vive bem na Europa.
Soube na altura, por fonte que me solicitou sigilo, que Fernanda Câncio também esteve presente nessa passeata, a par de outros que o assumiram, como Maria João Pires, também do Jugular, ou um tal de Paulo Pena. Não o revelei exactamente por causa desse pedido, mas agora que o Nuno Ramos de Almeida o tornou público, fui libertado do compromisso.
Não sei, nem me interessa, se o convite partiu de Rui Tavares ou de outro Deputado europeu do Bloco de Esquerda. Também não me interessa muito o súbito amor entre Fernanda Câncio e o Bloco. O que me interessa, isso sim, é que o meu dinheiro – sim, o meu e o de todos os contribuintes – seja desperdiçado por Partidos políticos que julgam que na Europa se pode gastar à tripa-forra. Nem que seja para convidar pessoas para darem grandes passeios ao Domingo – pessoas cujo interesse é completamente nulo para Portugal no contexto do Parlamento Europeu.
Um discurso, o do Bloco de Esquerda, que contrasta muito com a prática que acabamos de ver. Começo a pensar que, um dia no poder, o Bloco acabaria por ser mais do mesmo.

E agora… algo completamente absolutamente

Tua – Região vs País

Na sua intervenção no debate promovido pelo Movimento Cívico da Linha do Tua no passado dia 17 de Janeiro de 2009, João Branco da Quercus refere as diferentes incoerências entre o que se tem dito e escrito sobre o projecto da barragem de Foz Tua e o que tem sido feito.

Aponta nomeadamente a questão de o próprio Estudo de Impacto Ambiental referir que “os impactos socio-económicos para a regiao são muito negativos”, e questiona a valia do facto de a barragem ter um impacto positivo a nível nacional ser tão considerado na medida em que “o distrito de Bragança é uma das regiões mais pobres de Portugal e uma das mais pobres da Europa”.

Destaca ainda a importância que uma ligação do Douro a Puebla de Sanabria poderia ter no desenvolvimento de Turismo da Natureza associado ao Parque de Montesinho e numa óptica de complementaridade da oferta turística do vale do Douro.

Podem descarregar o programa directamente ou subscrever o podcast através deste link .
Duração Total: 08.10

A máquina do tempo: as papoilas afegãs e a liquidez do sistema financeiro internacional

Uma notícia destes últimos dias é a declaração, em entrevista ao diário britânico «Observer», do italiano Antonio Maria Costa, máximo responsável na ONU pelo combate ao crime e ao tráfico de droga, que nos vem garantir que o sistema financeiro internacional se salvou do colapso total devido a dinheiro proveniente do narcotráfico – «Os empréstimos interbancários foram financiados por dinheiro vindo do tráfico de droga e de outras actividades ilegais» (…)«Em muitos casos, o dinheiro da droga era a única liquidez disponível. Na segunda metade de 2008, a falta de liquidez era o maior problema do sistema bancário. Ter liquidez em capital, tornou-se num importantíssimo factor». [Read more…]

O empresário – criador de riqueza

Hoje, em vez de uns senhores muito importantes que nunca criaram um só posto de trabalho, o Prós e Contras trouxe-nos a voz de alguns empresários. A sua experiência, o seu entusiasmo a sua dedicação, o seu amor ao risco.

Desfilaram à nossa frente velhos e novos mas todos eles irmanados de uma vontade férrea de vencer, sem esmolas do Estado e sem negócios ultra escuros. A única coisa que precisam do governo é que não os asfixie com impostos, com legislação que parece dirigida a um qualquer inimigo.

Actividades há muito conhecidas são inovadas, transformadas em negócios que ultrapassam em muito as fronteiras, competem em mercados altamente competitivos e saem vencedores.

Esta gente empreendedora não pode ser confundida com os senhores muito importantes que vegetam e enriquecem nas empesas públicas, nos grupos económicos do regime, vivendo à mesa do orçamento e à custa de negócios preparados e lançados pelo Estado.

Nenhum de nós ouviu alguma vez falar deles, porque são gente de trabalho, precisam de inovar, vender, facturar e pagar salários, não fazem greves nem deslocalizações, não entram em “furacões”, nem recebem visitas de ministros e os jornalistas andam às voltas com uma qualquer Galp monopolista.

Por isso, quando temos ensejo de os conhecer, devemos saudá-los a eles e a todos quantos trabalham longe dos holofotes das notícias, criando postos de trabalho e riqueza.

E rezar para que um dia, um qualquer político, não se lembre deles…

Confissões de uma cobaia

A descoberta confirmou-se no dia em que cumpri 15 anos. Os exames médicos, cada vez mais minuciosos, arrastavam-se há meses e, embora nenhuma explicação me fosse dada, não era difícil de prever que em breve chegariam à conclusão que perseguiam.

Nas semanas anteriores, a presença das silenciosas criaturas de bata branca tinha-se tornado habitual. Circulavam pela casa sem qualquer espécie de controlo, a ponto de se ter tornado perfeitamente banal que eu despertasse a meio da noite com uma dessas criaturas à cabeceira da minha cama, a aplicar-me eléctrodos na testa de forma a estudar-me os padrões de sono.

E assim, no dia em que cumpri 15 anos, os meus pais sentaram-se comigo na sala de jantar para anunciar-me que eu estava nas mãos de uma equipa de especialistas no estudo da resposta sensitiva à estimulação neuronal, e que havia sido escolhido, de entre um grupo alargado de adolescentes, como objecto central de estudo. Contaram-me com evidente orgulho que me aguardava uma existência notável. Seria uma celebridade e as gerações vindouras teriam a agradecer-me o contributo inestimável para os avanços científicos que transformariam a humanidade. [Read more…]

AMINETU HAIDAR

O grupo promotor do apelo firmado por 42 personalidades e entregue na passada 6ª feira nas embaixadas de Espanha e de Marrocos (ver Anexo), decidiu, em estreita colaboração com a AMNISTIA INTERNACIONAL – Portugal, convocar uma nova Vigília de Solidariedade com Aminetu Haidar.
A VIGILIA de SOLIDARIEDADE com AMINETU HAIDAR realiza-se na próxima para terça-feira, dia 15 de Dezembro de 2009, às 18:30h, em frente ao CENTRO JEAN MONET
Pedimo-vos a máxima divulgação da iniciativa. TRAZ UMA VELA E MUITOS AMIGOS!
VIGÍLIA de SOLIDARIEDADE com AMINETU HAIDAR
convocada pela AMNISTIA INTERNACIONAL – Portugal
Terça-Feira, dia 15 de Dezembro, às 18:30h, frente ao CENTRO JEAN MONNET
Delegação do Parlamento Europeu e da União Europeia
(Largo Jean Monnet, junto à Rua do Salitre, em Lisboa)

Prémio de Direitos Humanos da Assembleia da República 2006 – AI Portugal

Não Há Condições

.
NÃO SE ADMITE O QUE ESTÃO A FAZER
.
Não se admite o que a oposição está a fazer ao governo de Lisboa. É que os tipos não deixam que os governantes, eleitos democraticamente, governem como sabem. Fazem imposições, votam em maioria contra as decisões do sr Sousa, não permitem que as coisas se façam como os governantes querem, enfim, estão a ser uns tratantes, mais ainda do que os da anterior maioria o foram.
E, claro que quem se vê assim tratado, não gosta.
Eu também não gostaria de ser enxovalhado por uns quantos deputados que, lá porque têm a maioria, se consideram no direito de não quererem as coisas como eu as quereria. Até era o que mais faltava. Então eu, que até tinha ganho as eleições, tinha de me sujeitar a que uns gajos quaisquer me dissessem como queriam que eu governasse? Então eram eles que tinham ganho as coisas ou eu? [Read more…]