Encenações políticas

O PS tentou a vitimização, acusando a oposição de o não deixar governar, de irresponsabilidade política, não poderia governar com um orçamento que fosse da oposição e não o seu.

O PSD tinha tudo a perder se deixasse que o CDS tomasse o seu lugar nas negociações. Aliás, se bem se percebe, a manutenção de Manuela F. Leite em Presidente do partido, para além de aproveitar a sua capacidade de economista, resguarda o próximo presidente de um desgaste enorme, não só na negociação mas tambem da possibilidade de dali lavar as mãos no futuro.

O PCP volta à ladaínha do costume, não é como eles querem é de direita, portanto, nada têm a ver com o que aí vem , ficam de mãos limpas para “malhar” o que fazem depressa e bem, sendo um bom contributo para a vida parlamentar e política.

Quanto ao BE só agora se percebe que a sua posição é muito dificil, não conta para nada, o PS nunca se virará para quem lhe pode e quer disputar o eleitorado. Ainda se juntos fizessem maioria, mas foi um “sonho de noite de verão” !

Claro, que este “bloco central de interesses” vai colocar os três partidos restantes em sintonia no ataque a uma fórmula que trouxe o país para esta situação.

O pior que pode acontecer ao país é um governo PSD/PS, seja de incidência parlamentar, seja de incidência governativa, o lamaçal vai acentuar-se e bem melhor seria que se separassem as águas.O PS devia juntar-se à sua esquerda com o PCP e com o BE, são assim as regras da democracia. A não ser assim, não se vê o que novas eleições (no prazo previsto pela constituição) podem trazer ao país.

Se os partidos ditos de esquerda governassem, a alternância seria natural com o PSD/CDS, o que constituíria uma mais-valia para o país afogado como está, em tantas e tão más situações. Mais-valia, no sentido que a políticas diferentes correspondessem caminhos também diferentes e com metas clarificadoras.

A não ser assim, resta um governo “Presidencial” até que novas eleições se realizem, à volta dos grandes problemas nacionais, de braço dado com as instiuições financeiras ( o FMI já canta a serenata do costume, na Grécia) e com a UE a apertar o “garrote”.

Quem está “entalado” é o pessoal do costume!

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.