O Porto não é pequeno nem é segundo

Espero que depois desta imagem deixem de se referir a Lisboa como o centro. Aliás, peço-o encarecidamente. Se há um centro no oeste peninsular, este é o Porto. E se havia dúvidas, não há nada como o visual para as eliminar. Espero que deixem de falar de TGVs para Madrid, de pontes sobre o Tejo ou de ‘aeroportos nacionais’. Não é do ‘interesse nacional’ investir desmesuradamente em Lisboa, mas apenas do ‘interesse’ de quem lá mora. Já é tempo de exigir o que nunca devia ter deixado de ser nosso.

Nuno Gomes Lopes

Comments

  1. S Maria says:

    E o resto é deserto? É um deserto ainda maior do que o do Mário Lino

  2. JOÃO SOUSA says:

    Meus senhores,

    Bom dia,

    Vivo na cidade do Porto vai para quatro anos e desde que cá cheguei, não tenho ouvido outra coisa que não seja uma reinvindicação constante,
    com argumentos válidos outros nem tanto, para colocar a cidade do Porto à cabeça das cidades portuguesas.

    Não discuto a razoabilidade da ideia mas estou convencido que com este modelo nunca chegarão a ser ouvidos.

    Não haverá outra forma?

    JBS

  3. maria monteiro says:

    “Lisboa cidade da tolerância” pois… sejam bem-vindos a Lisboa

    Não esqueçam que o município de Reguengos de Monsaraz candidatou o Grande Lago de Alqueva (categoria: Zonas Aquáticas Não Marinhas) e o Olival da Pêga (categoria: Florestas e Matas) às 7 Maravilhas de Portugal

  4. Luis Moreira says:

    Moradores? Eu e a maior parte dos moradores de Lisbos dispensamos bem mais carros e confusão…e o TGV, oxalá que seja tão rápido que esteja sempre em Madrid…


  5. Uma coisa a que o Aventar não me habituou são parvoíces. Este post é uma parvoíve pegada, onde se tenta estabelecer uma certa medida de progresso a partir do número de habitantes. Vá ver os indicadores económicos e culturais e depois falamos.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.