A face oculta de Carlos Magno


O que leva um jornalista aparentemente inteligente como Carlos Magno a comparar o caso Monica Lewinsky ao caso das escutas que envolvem o primeiro-ministro?
Aconteceu ontem no «Contraditório», programa da Antena 1 onde participam também Ana Sá Lopes e Luis Delgado?
Carlos Magno não sabe – ou não quer saber – qual é a diferença entre actos privados da vida privada pessoa e actos privados da vida pública?
Pois eu explico: se o primeiro-ministro combina ao telefone um encontro amoroso com a «Rainha das Meias», esse encontro não deve ser público – é um acto privado da vida privada. Ora, se o primeiro-ministro combina ao telefone o silenciamento de um canal de televisão, isso é um acto feito em privado nas que tem a ver com a vida pública e que, por isso, deve ser público. Porque não diz respeito à vida privada do primeiro-ministro.
Sempre gostei de Carlos Magno, mesmo quando lhe chamavam caixeiro-viajante (programa na SIC com Paulo Alves Guerra) e em especial na fase dos programas que fazia na TSF com o professor «Não é?». Mas nunca compreendi, nos últimos anos, a feroz defesa que sempre fez de José Sócrates. Defende-o em todas as circunstâncias, compara o que não tem comparação, parece um desses socratistas cegos que não vê nem quer ver.

Comments

  1. António Soares says:

    O que ele Magno,ou (Gnomo)quer dizer…em comparar o incomparável,é que ambos mentem,muito ,mas muito bem!!!!

  2. Miguel Dias says:

    aparentemente, dizes bem meu caro


  3. como estás ?


  4. Como estás ? espero que estejas sempre bem.

Trackbacks


  1. […] e foi esse o factor de desempate em relação aos outros dois candidatos ao lugar, Emídio Rangel e Carlos Magno. Parece ser uma tendência actual dos Partidos, a de escolherem para o lugar de Mandatário da […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.