Deslumbrei-me com 30 gramas de chouriço


Era o homem mais bonito que já tinha visto em toda a minha vida. Conheci-o na discoteca, saí com ele uma ou duas vezes e ao terceiro encontro não resisti: saltei-lhe para cima.
Foi uma noite memorável. Durante horas e horas, fui a mais feliz das mulheres. Ali, a levar-me ao paraíso, estava um macho como eu nunca tinha visto. Para além de ser lindíssimo, tinha um corpo perfeito e um dote que… bem, não queiram imaginar.
Aquelas semanas foram tão maravilhosas que acabei por casar com ele. Era um sonho que se concretizava.
O pior veio a seguir. Um pesadelo. Mal chegámos da lua de mel, durante a qual apenas conheci tectos de hotel, deixou de trabalhar. Que se dava mal com o patrão e com os colegas, que ganhava pouco, que ia arranjar melhor. Acreditei, mas os meses foram passando e nada. De manhã, ia para o café, chegava a casa à hora de almoço para comer e ainda protestava se eu, que tinha apenas uma hora para vir a casa, não tinha a comida pronta. À tarde, metia-se em frente ao computador a jogar e não fazia mais nada até ao jantar. Feito por mim, claro, depois de um dia de trabalho. Por vezes, comia um bitoque no café e não avisava.
Depois do jantar, ia para o café outra vez e nem me perguntava se queria ir com ele. Chegava por volta da meia-noite, ia ao frigorífico buscar uma cerveja e punha-se em frente à televisão a ver futebol.
Havia dias em que não chegava a tirar o pijama. Não fazia a barba, não tomava banho, não olhava sequer para mim.
Nos primeiros tempos, só a visão daquele Deus grego, todo nu, era-me suficiente. Aquelas horas de sexo frenético, de manhã e à noite, apagavam tudo da minha memória. Mas no dia em que começou a adormecer em cima de mim, ou a arrotar em pleno acto, achei que era demais.
Desisti. Divorciei-me. Agora, estou casada com um homem normal. Um bocado para o feioso, atarracado, pila pequena, mas pelo menos é trabalhador, limpinho e gosta muito de mim. Quanto a sexo, nada! Mas já tive a minha conta com o Arnaldo e não me posso queixar.
Por isso, amigas leitoras, aqui fica o conselho: nunca vão pelas aparências. Quando ficarem completamente deslumbradas por 30 gramas de chouriço, lembrem-se sempre que, no final, vão ter de levar o porco inteiro para casa.

Ana, leitora do Aventar

Outros posts de Ana: Ricardo Quaresma e Cristiano Ronaldo
A minha noite escaldante de sexo com Mickael Carreira

Comments


  1. Minha cara amiga!
    É no que dá quando se transforma o companheiro em objecto sexual… para isso já existem uns artefactos que, diz quem já experimentou, substituem e até ultrapassam alguns objectos carnais…
    Agora se falarmos do companheiro com a função de ser humano, aí não existe qualquer substituto mecânico, (para o bem ou para o mal)!

  2. Luis Moreira says:

    Pois é, o meu primeiro grande desgosto foi quando percebi que não era suficientemente bonito para levar as belas mulheres para a cama, ou pelo menos as que me agradam. Porque minhas amigas, o mais triste de tudo é um gajo não poder mostrar as suas capacidades. Vou para o jardim de gabardine e abro-a para mostrar o material? Aí é que está o busílis da questão e se continuarmos com esta conversa ainda chegamos à conclusão que casar é arranjar um amigo para aconchegar a cama e fazer filhos! Mas a festa é porreira, pá..

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.