Mundial da África do Sul – Queiroz “O Grande”

Queiroz, segundo Nicolau Santos do ‘Expresso’, é o sexto treinador de selecção mais bem pago do mundo. Ronaldo é quase o melhor do mundo. Outros jogadores, portugueses ou brasileiros, são vedetas em clubes de grande projecção: Chelsea, Real e Atlético de Madrid, Benfica – o tal dos 6 milhões rigorosamente escrutinados – F.C.Porto e Sporting.

O seleccionado luso jogou com a selecção da Costa do Marfim; designação irónica porque, na verdade, deveria chamar-se Costa do Carvão. Não em função do colorido epidérmico dos africanos, mas porque, no final do jogo, nos fez a vida negra. Terminámos, de facto, o jogo nas trevas do sofrimento.

Difícil de acreditar, mas os portugueses até podem vir a fazer um resto de campeonato arrebatador. Para muitos, o que entretanto vai prevalecendo, em função da partida de hoje e das anteriores de preparação, é a imagem de uma equipa que joga pouco, muito, muito pouco.

Visto o jogo, ainda extraímos outra conclusão: nem no futebol escapamos da crise, a qual, pelos vistos, é amplamente sistémica e estrutural. Nada fica de fora.

Duvido, pois, da capacidade da selecção de Queiroz de atingir o sucesso. Mais a mais, temos nele um treinador balofo e arrogante, de incompetência demonstrada e certificada. É claramente o técnico do sistema nacional-futebolístico. Beneficia de apoios em diversos azimutes, ou seja, de Norte a Sul do País – de Famalicão a Boliqueime, por exemplo. É um ídolo sem resultados, como tantos outros que por aí circulam. É Queiroz “O Grande”, da nossa Macedónia.

Por precaução, contra reacções adversas a este texto, já preparei a resposta. É plagiada de uma afirmação de Scolari: “E o burro sou eu?”.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.