a (des)igualdade da criança

A heterogeneidade que vai sendo tempo de compreendermos e aceitarmos

O estatuto socio-económico dos pais é determinante no incremento da (des)igualdade fisiológica das crianças denominadas de educação integrada ou especial.

Parece-me evidente que, ao falarmos em criança, estamos a pensar num ser humano novo, rechonchudo, de riso aberto, olhos azuis, cabelo encaracolado, impossível de atingir na sua rápida corrida. Ou, num pequeno que adora esconder-se dos adultos, ouve histórias lidas à noite, sabe contar contos e é espontâneo a colocar os seus braços em redor do nosso pescoço. Ou nessa pequena menina que brinca a ser mãe e canta às suas bonecas, as suas preferidas canções de embalar.
O mundo ideal, de tipo Huxley. Raramente, a verdade. Ou, por outra, verdade que atribuímos mas não concerteza com o mundo material.

[Read more…]

A farsa das medidas anti-crise!

O ping – pong dura há meses. Teixeira dos Santos manda uns orçamentos para Bruxelas, no dia seguinte tudo o que é comunicação controlada pelo governo, grita de entusiasmo pelas magníficas palavras e louvores que os exercícios mereceram das autoridades financeiras da UE! Fantásticas, no caminho certo, credíveis, o melhor aluno…

Passa uma semana, aí vem a verdade. Não chega, não são suficientes, é preciso acelerar, exigem-se medidas mais duras. Pouco a pouco vão-nos dizendo que o que sabemos não é a realidade, nem perto dela, escondem-nos a verdade toda, não vá o país ter uma azia das fortes e mandar estes tipos para um certo sítio mal cheiroso mas onde não fazem mal a ninguem.

Esta gente que há dois meses sonhava com TGVs e pontes, e aeroportos, HUB, com as grandes transportadoras todas aqui a “pedir batatinhas” cá aos bons, aos únicos que viam o que se estava a passar, os únicos que iam de passo certo, foi para Marrocos vender o “know how” do TGV. Perguntado sobre tão importante negócio, Sócrates, sem se rir e sem morrer de vergonha diz que é o “know how” dos concursos, vamos vender dossiers!

Desde o primeiro PEC que está tudo certo e feito o necessário para, a seguir, não ser bem assim, afinal é preciso mais, não chega, as medidas têm que se prolongar para 2011, vão deixando cair a realidade aos bocadinhos, o país pode ter uma azia, perceber que andou a ser enganado, e a UE lá vai fazendo o papel da má da fita.

Agora que se foi embora o Constâncio que dizia com uma semana de antecedência as más notícias que o governo reservava.

A arte de bem caluniar toda a esquerda

Alguém anda com azia, e verte mails como quem despeja gases. Um que recebi hoje explicava que os “esquerdalhos” são mais do mesmo, que Francisco Louçã nomeara a própria mãe para sua assessora. Uma senhora de 79 anos, vejam lá. Esquecia-se de citar o pormaior que acima sublinho: sem qualquer remuneração. Os velhos métodos pidescos continuam.

catequese e sexualidade infantil.manifesto de etnopsicologia da infância

o livro que manda o que todos os progenitores já sabem

No seu texto inédito, escrito para proferir aulas Pragmatisme et Sociologie, (texto nunca publicado, manuscrito na minha posse, retirado da Biblioteca Nacional de Paris) proferido na Universidade da Sorbonne de Paris, durante o ano de 1913-1914, o maduro socialista e materialista histórico, Émile Durkheim, comentava que os velhos deuses estavam mortos e que a religião estava em vias de mudança. No seu texto, no entanto, acrescentava, a morte da divindade não era in extremis, porque todo o ser humano precisa de ritos, ideias, ética, interacção moral, para cumprir com o seu dever de dar orientação na obrigatória criação dos seus descendentes. Donde, a religião, de qualquer denominação e credo, pelo menos define as relações entre pais e filhos, por outras palavras de definir as relações sócio éticas entre mães, pais, filhos, filhas e toda afectividade emotiva dentro das relações consanguíneas. A nossa língua não tem ainda conceitos para designar estas relações, excepto entre ascendentes, descendentes e linha consanguínea colateral, palavras sem música e indefinidas, é dizer, sem conteúdo pragmático.

Max Weber, o primeiro sociólogo alemão, entre 1904 e 1915, ocupou o seu tempo em definir conteúdos das confissões Chiita, Budistas, Luteranos, Calvinistas, Cristãos Coptos – a palavra copto faz referência na actualidade aos egípcios que professam as religiões cristãs – Cristãos Arménios A religião predominante na Arménia é o cristianismo. As origens da comunidade cristã arménia remontam ao século I.

[Read more…]

O Brasil não passa… 1×2 aqui no aventar!

https://i1.wp.com/mundial.4linhas.com/imagem/060701212655.jpg?resize=400%2C336Esta equipa não me entusiasmou nada! O Brasil não é, nem de perto nem de longe, o grande Brasil. Tem uma defesa onde  joga um grande jogador – Maicon – os outros são jogadores de craveira média, dois médios muito lentos e um ataque com Robinho e pouco mais!

O Káká está longe da forma não liga a equipa. Fica aqui a aposta para quem quiser, deixe o seu vatícinio. Para mim é: Portugal, Costa do Marfim, Brasil, Coreia!

E a sua?

Flat tax de 25% para sair da crise!

Em 07.06.2010 o Prof. Dr. Dres h.c. Paul Kirchof*, ex-juiz no Supremo Tribunal Constitucional Federal alemão e actual professor catedrático da Faculdade de Direito Fiscal da Universidade de Heidelberg, deu uma entrevista à SPIEGEL ONLINE. Na entrevista voltou a apresentar a sua proposta de 2005 para uma taxa plana (flat tax) de 25 por cento para todos, como um importante contributo para a saída da crise. Ontem escrevi-lhe uma cartinha que abaixo passo a traduzir.

Rolf Dammher

* http://www.bcsdportugal.org/files/518.pdf pág.23

“Quem apelar à fantasia e à mente do homem, vencerá aquele que tenta apenas influir sobre  razão”. Frederico II (O Grande) da Prússia

Exmo. Sr. Kirchhof,

Senti uma grande alegria quando li recentemente em SPIEGEL ONLINE que não desarmou e que continua a postos com a sua excelente e prometedora proposta de uma flat tax. A postos, para o momento quando aos nossos protagonistas de políticos e administradores de declínio se lhes acabar de vez a esperteza. Não deverá faltar muito até isso acontecer, a não ser que se tente ir até ao fim amargo, arriscando mesmo que o poder caia na rua. Neste caso será o caos.

Em 09.02.2005 tinha mencionado o seu modelo fiscal prometedor, com estofo para um grande efeito libertador, no meu artigo „Como sair da crise — uma abordagem diferente“, publicado no „Semanário Económico“. Precisamente como parte de uma estratégia sistémica-holística – princípio de solução de problema – que poderá contribuir de forma decisiva para que os nossos sistemas sociais – Alemanha, UE, etc. – voltem a ficar com os pés na terra. Aqui um pequeno excerto:

“(…) Para elucidar a situação, vejamos o exemplo do Prof.Paul Kirchhof que foi designado para futuro ministro das finanças pelo CDU/CSU alemão, caso este partido venha a ganhar as eleições antecipadas de 18 de Setembro. Ele identificou o tal “factor central” a eliminar, no actual estatismo pululante, em combinação

com uma legislação fiscal asfixiante. Consequentemente, postula, além de uma radical simplificação do IRS/IRC, a introdução de uma “flat tax” de apenas 25% para todos, a par do corte de todos os subsídios e esquemas legais de fuga ao fisco. Assim, segundo Kirchhof, serão libertadas as energias sociais que hoje nos faltam (…).

[Read more…]

Inglês Técnico Para Tótós (2)

Esquerda – o mesmo que Direita ou Centro.