os filhos e as suas mães

...tempos em que o Manuel era bebé...com a sua mãe a acaricia-lo

para Manuel Melo…

Deve ser a primeira vez que falo contigo. Deve ser a primeira vez que me endereço a ti. Nunca nos temos visto, jamais olhado uma foto tua. Mas atrevo-me a endereçar-te estas palavras. A ti, enquanto penso na tua mãe. Bem sei que já és quase um menino que oferece presentes à mamã. Tomas conta dela, te enterneces quando a vês aparecer, como eu próprio, avô como sou agora, gritava de alegria quando estava coma mãe que me dera a vida

Não há ternura maior, que dar a vida a outro, cria-lo, amamenta-lo, lutar para ser ela quem trate de ti.

Bem sabes que nem sempre pode estar contigo, mas faz todos os esforços possíveis para sair cedo de casa e tornar cedo e estar contigo. Cansada do trabalho, acaba por se encostar um pouco em casa para ouvir-te, tratar dos teus trabalhos, ou brincar comigo.

Penso que a tua mãe não te mima, é apenas carinhosa e gosta que andes limpo e vestido como pensas. Como a minha mãe fazia comigo: se descalço, sem sapatos pois, se nadar, ir para a praia, pois, se andar com amigos, uma tarte esperava por nós, pois.

Nos homens, mal sabemos cuidar às nossas crianças. Há uma grande diferença entre homem e mulher: as senhoras, durante nove meses, começam a engrossar o corpo porque um pequeno estar a crescer dentro dela. O nascimento não sem dor, mas essa dor dura um instante. A minha neta mais nova, May Malen Isley, acaba de completar os seus oito meses: não sabe falar, mas adora brincar com os colares e braceletes da mãe… e a imita de uma maneira simpática e divertida: não é uma senhora, é uma menina que só fala dadadada, ou mamamama sons que emite, não sabe falar ainda. Adora a sua casa porque está a mãe com ela e espera que o pai apareça para andar de cavalitas pelos andares da casa.

Nós, homens, sentimos ternura pelos nossos pequenos, mas é difícil demonstrar. Apesar de ter sido pai – mãe das nossas filhas ao longo da sua infância, tive que começar a aprender a pentear, engomar, lavar roupa, trabalhar, lava-las à escola e ir procura-las as horas adequadas as 15.30 da tarde, com neve ou com sol.

Talvez um dia sejas pai, porque vás crescer e vás-te namorar. Não esqueças como essa mãe te trata, não tenhas medo de ficar só com as tuas crianças. Podes ver que outros homens já o têm feito e com imenso amor, sem punir nem envergonhar. Ensina aos teus pequenos, no distante futuro, a se comportarem contigo como o mesmo amor que um dia tu vás dará eles.

Estou agradecido da tua mãe. Empenha-se em trabalhar, sabe rir no minuto certo, mas ai! se fazemos birra: as birras não podem ser aceites, ensina arrogância. Arrogância, dirás? O que é isso? É pensar que somos melhor que os outros.

Calo, nada mais digo. São muitas palavras para um pequeno da tua idade. Aliás, a tua mãe deve explicar muitas coisas y explicar, cansa.

Felicidades para ti do avô de quatro netos: duas meninas e dois meninos. Uma, da tua idade, outros mais velhos, mas sabem brincar a bola comigo

Comments


  1. ” Nos homens, mal sabemos cuidar às nossas crianças. ”

    Desculpe, mas cada um fala por si. Isto é incrivelmente ofensivo, para milhares de Pais (homens) que sabem cuidar de tudo , mas de tudo, dos seus filhos.
    Se o Sr, ou os homens da sua família, e seu círculo, não sabem, devido a tradições machistas, SFF não generalize.
    Pode achar que isto não é importante, mas para mais de 250.000 homens – sim, leu bem, mais de duzentos e cinquenta mil homens – que foram a tribunal nos ultimos anos, para tentar ver seus filhos, espalhar e GENERALIZAR ESTAS FRASES, é gravoso, danoso.
    Que se diria, de frases como “os canadianos não sabem educar seus filhos ” ? Ou de generalizações como “os italianos são meio mafiosos ” ? Ou “as máes, tendem a abortar se não gostam do sexo do bébé” ?
    Seria injusto, e mtas vozes viriam contra.
    Pois espalhar, que os homens, não sabem cuidar de TUDO , dos filhos, é mentira, primeiro que tudo.
    Bastava isto
    Segundo, é gravoso, porque espalha mentiras, e isso terá influencia em várias crianças, que estão entregues a más mães (máe da joana, mãe do daniel, mãe do levi, etc, etc etc), e que devido a essas generalizações machistas, morreram

    Desculpe se fui directo, e talvez um pouco demais.
    Mas acredite, generalizações como esta, acontecem e são regra nos tribunais, e até em jurisprudencia, que mto mal fizeram a mtas crianças.

    É preciso , começar a ter noção , que faz mal a crianças. Repito, devido a generalizações como estas, crianças como Joana do Algarve, Levi de Chaves, Daniel da Margem Sul, Mónica do Barreiro, e tantas outras, MORRERAM

    Não ás generalizações , “todas as mámás são boas, e todos os pais sao incapazes ”

    ” Há uma grande diferença entre homem e mulher: as senhoras, durante nove meses, começam a engrossar o corpo porque um pequeno estar a crescer dentro dela. ”

    Pena, isso acontecer também aos animais. É um mito.
    Pena, muitas abortarem, e provar que não queriam os filhos, e que estar dentro delas, é indiferente. Puseram-nos cá para fora.
    (não discuto o aborto, provo que nada tem a ver o feto estar lá dentro, como prova de o querer, de o amar. O aborto, é uma prova.
    A segundo, como já disse, é a quantidade incrivél de crianças mortas pelas mães, fora as que são maltratadas.
    E que depois no dia – a – dia, vemos na rua, e se critica os estalos fortes, etc.
    Uma visão romantica, do que se vê – a mulher grávida – que não corresponde a nada.
    Terceiro, para não nos esquecermos, os animais mamíferos também vem da mãe, e não os amam por isso.

    Desculpe, mas espero que compreenda porque fui directo. Nada contra si, mas para clarificar várias coisas


  2. Lamento não dar a conhecer o seu nome. Lamento não ter lido o texto completo. Se reparar, era capaz de apreciar que é a carta para uma criança, nem para si nem para adultos, que tem sofrido a desventura de ficar sem pai. Assim como eu fiquei sem mãe para as minhas crianças. Dá-me a impressão que leu apenas a parte do seu ressentimento. No meu tempo, eu também fiquei ressentido, mas com o cuidado das minhas crianças é que aprendi, fizeram-me entender que é necessário endereçar as cartas pelos caminhos adequados. Reconheço que não devia ter publicado a carta, mas o rapaz ficava assim mais certo e seguro e e isso o que interessa. Se o Senhor(a) fica ressentido, é porque ainda não ultrapassou as suas tristezas. Lamento
    Cumprimenta
    Professor Doutos Raúl Iturra
    Especialista em etnopsicologia da infância

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.