Angola: tão poderosos e tão burrinhos

A poderosa cleptocracia angolana tremeu perante a possibilidade de uma manifestaçãozinha popular de cerca de vinte pessoas. Se não fosse triste era de rir, se não fossem tão parvos até podiam passar por inteligentes, se não fossem tão cobardolas até  passariam por pró-democratas. Mas são burros e sobranceiros e borram-se com a possibilidade de o povo acordar.

Esta gente que não respeita nada nem ninguém, quando não silencia, elimina. Mas investe nas democracias ocidentais e tem posições dominantes em empresas ditas estratégicas, com os governantes de cá sempre dispostos a beijar-lhes a mão. Fazem isso com mubaraks, com kadhaffis, com zedus, com o resto da ladroagem internacional.

Mas voltemos a Angola: ainda me lembro que, no pós 25 de Abril, um dos combates do MPLA era o obscurantismo. Não sei se me apetece rir, ou chorar.

Comments


  1. Angola XXI (para já…)? A família Santos e aos mercenários Mário Soares e Almeida Santos agradecem…

  2. Artur says:

    As democracias ocidentais negoceiam com os Mubaraks, com os Kadhafis e afins, porque sabem que mesmo que não estejam lá estes, estarão lá outros iguais ou ainda piores. Ainda vai correr muito sangue até que Africa consiga ser governada por gente apenas interessada em dar melhores condições às populações. Neste momento a pura democracia e o respeito pelos direitos humanos em Africa são somente uma miragem.
    Se até na Europa, com gente dita civilizada, os interesses partidários e pessoais se sobrepõe constantemente aos interesses das nações; quanto mais em Africa onde a corrupção e o crime são quase as unicas vias para se alcançar e manter o poder-

  3. Mac Barras says:

    Meus Caros,
    Ao ler este artigo, fico com os sentimentos confusos… quero-me ri, chorar, gritar, e dar forte gargalhadas…
    Pois, quem escreve insulta todos os Angolanos (na minha “burra opiniao”), pois estamos a falar de um Pais, que so alcancou a Paz ha nove anos, e durante esse periodo, fui um dos Paises que mais cresceu no mundo, mesmo com a falta de quadros qualificados. Teve uma das economias mais altas… etc. E todas estas criticas veem de Portugal? Logo Portugal? Meus Srs. por favor, nao facam esses papeis…Pois eu acho, que se os Portugueses sao assim tao inteligentes, Portugal nao estaria falida, a precisar de ajuda de todo mundo… entao, o que aconteceu a uma economia gerida por pessoas tao inteligentes? Portugal esta em saldo. Vejam bem estes dois cenarios… nos ultimos trinta anos, Portugal nao viveu nenhuma guerra, esteve sobretudo virado para a formacao de quadros “inteligentes”, com o objectivo dendesenvolver o Pais. Enquanto isso em Angola, perdiam-se milhares de vidas jovens, nos combates contra FNLA, UNITA, AFRICA DO SUL (aparteid), US, UK, etc… e so a nove anos tivemos o que de verdade se chama Paz. Portanto, acho que chamarem-nos de burros… Meus Srs. naomse constroi um Pais e suas respectivas infra-estruturas num so dia, lembrem-se tambem, que Angola construiu mais em oito anos, do que Portugal em Quinhentos… e se nao fosse o facto de se terem juntado a CE, nao sei o que seria de Portugal… e para terminar, vou repetir algo que ja foi dito por uma Sra. Portuguesa de facto inteligente. “Portugal, nao entende nada de Angola, ja nao entendia antes, nao vai ser agora” isso chamo de palavras sabias. Portanto, sugiro que Portugal se concentre nos seus proprios problemas que nao sao poucos, ao inves de c… na mao que lhe da de comer hoje. Mac Barras.

  4. A. Pedro says:

    Caro Mac Barras, não são só os sentimentos que ficaram confusos, também o entendimento.
    Eu falo da cleptocracia ou, para ser claro, dos dirigentes ladrões. O povo angolano merece todo o meu respeito e não é a ele que me refiro.
    Vem-me falar em economia e eu falo em direitos humanos. Essa confusão interessa, de facto, a quem quer fugir das questões.
    Mas fique descansado, se não pertence aos cleptocratas, não tem que se sentir insultado. Se pertence, lamento, mas deve.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.