Sócrates e a escola pública a caminho da privatização

Quanto à educação, Sócrates concentrou-se no combate em torno do contratos de associação com os privados, no enorme investimento que terá feito nas escolas e nas propostas do PSD para dar ao ensino privado um papel não apenas complementar, mas de parte integrante do sistema público. (…) Sendo justo, este é o único exemplo de que Sócrates tem autoridade para falar. É verdade que, apesar dos enormes erros que cometeu na relação com os professores, investiu na rede escolar pública e tentou moralizar a mesada que o Estado dava a escolas privadas.

Isto é não é verdade Daniel Oliveira. O que Sócrates fez na escola pública foi prepará-la para a municipalização e posterior privatização. Nomeou como ministra uma especialista em sociologia das profissões com a única missão de transformar as escolas em meras empresas: a pseudo-avaliação dos professores, e sobretudo a actual lei de gestão escolar transformaram as escolas num “pronto a privatizar” sedutor. Os mega-agrupamentos fazem delas negócios apetecíveis.

Quanto aos contratos de associação deixa-me rir: até este ano lectivo, ou seja durante 5 anos, aumentaram todos os patrocínios aos colégios, ou seja à Igreja e ao grupo GPS. Houve uma pequena redução agora, perfeitamente ridícula, continuando-se a sustentar colégios no centro de uma cidade com escolas públicas às moscas onde os professores são obrigados à oração matinal, e as notas são critério da admissão dos alunos.

O investimento na rede escolar passou por encerrar escolas que encerram aldeias, por uma Parque Escolar que passa a proprietária dos edifícios e entregou o grosso dos trabalhos aos amigos do costume.

E nem falemos das Novas Oportunidades (por acaso também um negócio com que alguns se encheram), ou da propaganda magalhães (uma boa iniciativa se os professores tivessem tido formação para os utilizar, mas que se ficou por uma mera campanha à Valentim Loureiro).

O programa Sócrates para a educação reduziu-se a um único objectivo: privatizar por aí. Pode calhar a outro o golpe final, o trabalho de casa está feito.

Comments

  1. Pedro M says:

    É aterrador como nos estamos a transformar numa Venezuela ou numa Argentina, como combater isto?

  2. Maquiavel says:

    Venezuela? Querias tu! Serás Argentina e já gozas!

    Mas o que PPC e PP gostariam mesmo era de que fössemos Chile… especialmente o dos anos 70-80

Trackbacks


  1. […] Não olhes para o que eu digo, olha para o que eu fiz: […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.