Outra vez a mentira dos feriados

Sendo certo que tolerância de ponto nem é feriado, volta a mentira de sermos o país da Europa com mais feriados.

Não é verdade: temos 12 feriados por ano, a média europeia é de 11,92.

Certo, não conto com as 3 tolerâncias de ponto habituais (Natal, Carnaval e Páscoa). Duvido muito é que sejam um exclusivo nacional.

Quanto ao que Pedro Passos Coelho hoje diz é de uma hipocrisia espantosa: sabe perfeitamente que se chegar ao governo fará o mesmo. Como sabe perfeitamente que o problema da produtividade tem outras causas: empresários analfabetos, por exemplo.

Comments


  1. Os feriados são os feriados, ponto final. Temos os que temos e mais nada. Já ss tolerâncias de ponto, de que neste momento estou a gozar uma, são um presente envenenado dos políticos e dos gestores da res publica. Tal como o gozo do dia de aniversário, só servem para virar a opinião pública contra os funcionários públicos. Dizia-me uma colega que há empresas privadas que também dão o dia de aniversário aos seus trabalhadores, esquece-se ela que o privado dá do que é seu, na função pública é alguém que dá do que é de todos. Acho mal. Sou funcionário público e não preciso dessas benesses.
    Não sei se o Pedro Passos Coelho está a ser hipócrita ou não. Sei é que o Cavaco em tempos tentou eliminar o do Carnaval e foi o bonito. Entretanto, vejo que a gestão PS continua a integrar boys a toda a velocidade enquanto, paralelamente, oferece estes presentes envenenados que vão minando a imagem dos funcionários. Não deixa de ser um estratégia eficiente no controlo dos funcionários e no estabelecimento das influências: arranja colocação para os afilhados mas se tiver que lhes arrear (redução de salários, despedimentos, etc) já será por imposição do sistema, da crise, ou de terceiros. Porreiro, pá!
    Concordo com o diagnóstico sobre a produtividade: “empresários analfabetos”, e acrescentaria, ” e administradores desonestos”.

    • Carlos Lopes says:

      !00% de acordo.


    • Convém lembrar que a demagogia de Cavaco, ao querer acabar com uma tolerância de ponto em cima da hora, “esqueceu” a economia: posso detestar o Carnaval, mas o Carnaval existe, e muitas localidades investem nele para terem retornos em turismo interno.

      • Carlos Lopes says:

        Tu achas demagogia querer acabar com um feriado à terça feira que, em muito lado, inclusive na administração pública, é o mesmo que dizer que na segunda-feira anterior também não se trabalha? Achas que os governos dos Países que encostaram os feriados ao fim de semana foram demagógicos?


        • Vossa Excelência quer acabar com o direito às férias? Não é que seja o que está em causa nesta discussão carnavalesca, mas vai insistir muito na mania em que as pessoas fazendo “pontes” são uma cambada de moinantes que não querem trabalhar? Ou vossa mercê no seu trabalho faz pontes que não descontam nas férias?

  2. maria monteiro says:

    pois é mas… quando foi da visita de Bentoxvi foi um fartote de tolerâncias de ponto, de desvio de verbas, de gastos com segurança…. de improdutividade. Mas claro foi tudo de graça… quem pagou foi o estado a que este país chegou. Agora ainda estamos em férias escolares mas nessa altura era tempo de aulas e … até de testes.

  3. Carlos Lopes says:

    Contaste com os feriados municipais?
    E as pontes?
    Que dizes sobre a medida de encostar os feriados ao fim se semana?
    Achas que as empresas privadas também “deram” tolerância de “ponto”?
    Na função pública ainda há ponto?
    Fico a aguardar.


    • Os feriados municipais são municipais. Para serem contabilizados era preciso que fossem igualmente referidos no estudo que citei, nos outros países.
      As pontes são mais uma ponte para a demagogia barata. Se uma 3ª feira é feriado e eu meter um dia de férias na 2ª feira (coisa que por acaso na minha profissão estou expressamente proibido de fazer), estou a usar um legítimo direito que tenho, o de ter x dias de férias por ano.
      Além disso num país onde quem gere ou administra tenha mais que o ensino básico seria sabido o que é ciência pura: férias repartidas aumentam a produtividade, férias concentradas numa única altura do ano baixam a mesma produtividade. Aceito que em algumas profissões as férias têm de ser concentradas, que numa pequena empresa a única forma de haver férias seja fechá-la. Mas isso são excepções.


    • Essa de “na função pública ainda há ponto” era a brincar, ou é mesmo ignorância?

      • Carlos Lopes says:

        Ignorância não é, pois trabalhei na administração pública. E não gosto muito de brincar com estas coisas…


        • Então aprenda a ler, e deixe de gozar com o pagode. Quem faz pontes desconta nas férias. Ponto final. Parágrafo. Leia 3 vezes, pode ser que entenda.

          • Carlos Lopes says:

            Amigo, as férias têm que ser marcadas de comum acordo entre o trabalhador e a entidade patronal. Eu estou a falar das pontes em que tudo pára, como se fosse feriado. As férias são férias e são, digamos assim, sagradas. Mas isso de dividir as férias pelos dias que “dão” “pontes” não é nada, para não dizer coisa feia. E deixe de ser grosso, para não ficar a falar só.


          • As pontes, na função pública e nas empresas privadas, correspondem a desconto nos dias de férias. Essas pontes em que não se trabalha sem descontar nas férias não existem, são uma tanga, um treta, a mentira.


  4. Concordo plenamente com este post…e muitas empresas também deram tolerância, mas agora é politicamente correcto ser-se contra os feriados , não se ouve esta conversa nos outros países; e pergunto: quem está contra por que razão não ficou a a trabalhar???… que trabalhe os dias todos, que nem tire férias nem nada , alguém os impede??? este é aliás um assunto recorrente muito caro ( de querido e gostoso ) à comunicação social… de quando em quando tira-o da gaveta, do disco rígido e toca de o pôr a arejar, não t~em notícias para hora e meia de noticiário, é o que é…