Para onde vão os nossos impostos?

Compilo neste post alguns dados sobre a despesa do Estado.

Administrações Públicas: despesas por tipo , 1995 – 2010 Administrações Públicas: despesas por tipo , 1995 – 2010

Administrações Públicas: despesas por tipo , 1995 – 2010. Gráfico 1: 2010; Gráfico 2: evolução temporal
Fonte de Dados: INE–MFAP; Fonte:
PORDATA; Última actualização: 2011-04-06

A seguir, uma animação a mostrar a evolução do gráfico 1 no período 1995-2010:

despesa 1996-2010

As primeiras evidências são

  • As transferências correntes aumentaram continuamente
  • As despesas com pessoal estabilizaram em 2003

Donde parece se poder concluir que o actual problema da despesa já não se deve ao tamanho da administração pública. Mas o problema da despesa é uma realidade, como se pode ver nos gráficos seguintes.

Estado: stock da dívida directa Estado: stock da dívida directa em % do PIB

Gráfico 1: Estado: stock da dívida directa  Gráfico 2: Estado: stock da dívida directa em % do PIB
Fonte:
PORDATA

Em valor absoluto, a dívida directa do Estado tem aumentado continuamente e, a partir de 1996, até se observa uma curva de crescimento em forma exponencial. Já em função do PIB, há comportamentos variáveis neste período mas, novamente, de 2000 em diante, retomou o caminho crescente.

O que são transferências correntes?

Sendo as transferências correntes o item que mais cresceu, sem mesmo ter parado de crescer, no período 1995-2010, importa perceber o que inclui esta rubrica. De acordo com o Decreto-Lei Nº 26/2002 de 14 de Fevereiro, «entende-se por transferências correntes os recursos financeiros auferidos sem qualquer contrapartida, destinados ao financiamento de despesas correntes ou sem afectação preestabelecida.» Este mesmo decreto também explicita o que são despesas correntes (ver página 14  deste documento).

Leituras

Comments


  1. Mas se transferências correntes são financiamentos de despesas correntes. E se despesas correntes são:

    »Despesas com o pessoal».
    «Aquisição de bens e serviços».
    «Juros e outros encargos».
    «Transferências correntes».
    «Subsídios».
    «Outras despesas correntes».
    «Aquisição de bens de capital».
    «Transferências de capital».
    «Activos financeiros».
    «Passivos financeiros».
    «Outras despesas de capital».
    «Operações extra-orçamentai>

    Isto não significa que o estado está a engoradar astronómicamente mas atravês da criação de entidades, direcções, institutos e etc?

    • jorge fliscorno says:

      Será uma leitura possivel, parece-me. Há um aspecto que não percebi bem nos dados da PORDATA. Neles, a despesa com pessoal tem uma rúbrica própria mas as transferências correntes incluem despesas com pessoal. Não sei como conciliar estes dois dados.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.