Bom dia, senhor Primeiro-ministro

Olof Palme

Olof Palme, Primeiro Ministro de Suécia, assassinado em 1986.

Estamos a três dias de resolver a grande incógnita. Quem dos cinco líderes partidários será convidado ao Palácio de Belém pelo Presidente da República, para lhe solicitar que forme um novo governo ao seu nome e a nome do povo português? Cada um dos líderes partidários tem o direito a ser solicitado pelo representante da nossa Soberania, para organizar a governação do país para o povo da nossa Nação. Sem governo, a República seria uma hecatombe. O governo não reside na pessoa do Presidente da República. O governo de Portugal é a Assembleia da República, organismo que deve prestar conta, caso acontecer, ao tribunal constitucional e ao poder judicial, que fiscaliza. O nosso País é una Nação tripartida, com o Poder Executivo que manda cumprir o que acorda o Poder Legislativo ou Assembleia, que, pela sua vez, é observado pelo Poder Judicial.

Qual dos três poderes tem mais força para decidir? Parece-me que são os três por igual, excepto que os grupo parlamentar está dirigido pelo Presidente da Assembleia que ouve ao órgão governamental, formado pelos Deputados Ministros de Estado, que escolhem à pessoas que os preside e nomeia, o Primeiro-ministro. Uma instituição normalmente emanada do líder do partido político que teve mais votos para ser membro da Assembleia.

Bem sei que esta forma de organizar a Nação, é conhecida por todos, mas é bom lembrar, especialmente nestes dias. Concorrem cinco partidos, apenas três de esquerda, um outro que pretende ser socialista, mas que luta pela propriedade privada e por rebaixar os ordenados dos trabalhadores para entesourar para as arcas fiscais, partido incapaz de defender a riqueza da nação, que é francamente liberal ou neoliberal, mas tem levado ao país à ruína, como sabemos. Um quinto, que é abertamente denominado de direita, essas direitas e esquerdas que o costume tem designado aos que defendem aos pobres, e essas direitas que trabalham pelas suas indústrias ou as dos seus amigos e correligionários.

Conheci o socialismo materialista histórico, fundado por Marx e o tenho visto ser praticado, com justiça e liberdade, pelo Presidente da República do Chile, assassinado por ser…. Socialista. Por outras palavras, por lutar pela igualdade em liberdade. Mas, esta atitude significava retirar as riquezas dos que mais tinham e criar uma liberdade na igualdade da pobreza entre os que todos tinham e os que tinham apenas a sua força de trabalho para sobreviver, en conjunto com a sua família, os proletários. Conjunto de conceitos organizados por Marx na sua vasta obra. Ele próprio, burguês e aristocrata, casado com uma Baronesa da Prússia, graus sociais e títulos de Corte Real, aos que renunciam e passam a viver em pobreza, dos escritos de Marx e das correcções da sua mulher, que brilhava nas letras pela sua formação de Corte. Como académico, Marx criava; como membro da corte real, Johanna von Westphalen redigia. A minha surpresa foi saber que o Manifesto Comunista foi escritos por ela. Allende e a sua família ficaram pobres por investir os seus bens nas campanhas a Senador e a Presidente da República.

Nada disto tenho visto no nosso país. Há um partido bem a direita, que toma conta dos seus bens. Denomina-se Social-democracia. Mas, se a social-democracia da Europa luta pelos sues eleitores pobres, a nossa deve estar enganada, como se engana o socialismo português, como na sua certeza de continuar a governar a partir de esses mais três dias, narrados antes

O melhor exemplo da social-democracia é a imagem, de Olof Palme. Olof Palme, se fosse vivo faria no dia 30 deste mês de Janeiro 82 anos. Foi líder do Partido Social Democrata da Suécia e primeiro-ministro daquele país entre 1969 e 1976, sendo reeleito em 1982.

Olof Palm foi assassinado em 28 de Fevereiro de 1986. Ele e o seu partido destacaram-se por serem os arquitectos do Estado de Bem-Estar, e puseram em prática o modelo social de desenvolvimento, (negaram-se a aceitar que o dinheiro fosse tudo, e o ser humano nada). Defendeu o Pacifismo e o Universalismo, criticou a desigualdade social, criticou as ditaduras, tanto de esquerda como de direita, criticou o apartheid na África do Sul, e a política externa norte-americana, com incidência sobre a guerra do Vietname.

Foi assassinado numa rua de Estocolmo, nunca se soube o como e o por quem.

A social-democracia fora de Portugal, é bem diferente à nossa, que bate-se pela riqueza dos industriais, dos proprietários, dos que apoiam a riqueza dos deputados que ganham um largo salário por legislar.

Estamos na dúvida. É evidente que os partidos que lutam pela pobreza portuguesa, são dedicados, mas são poucos. Uma coligação dos partidos de esquerda, era bem melhor para Portugal que uma hipotética fusão de social-democratas, socialistas e esse outro que se vende ao melhor ganhador, a Democracia Cristã.

Quem ganha, nestes dias, são as sondagens. Depende da tendência partidária de quem pesquisa, é o partido que ganha. É evidente que as da Universidade Católica alarma, porque incrementou os votos do partido da sua tendência Romana do Vaticano, como andam por ai a dizer os sacerdotes que votar pela esquerda é um pecado que não tem perdão de Deus. Com Fátima e o seu beato, os que lutam pelo povo, vão ficando perdidos e o povo mesmo, assustado e não garantido por causa do pecado de ser da esquerda.

Para onde é que vamos, num país falido pelo principais partidos que correm nestas eleições legislativas?

Raúl Iturra