As sondagens das legislativas 2011

Fica aqui o apanhado das diversas sondagens das legislativas 2011.

[Read more…]

Em Nome da Filha (a minha):

 

Desde 30 de Abril de 2011 fui um pai um pouco ausente. Confesso. Aceitei um desafio e a ele me dediquei de corpo e alma. Por causa dele ficou a perder, por estes dias, a minha filha. E a minha família.

 

Não estive a seguir nenhum messias. Pedro Passos Coelho, bem pelo contrário, é um homem simples, um de nós. Alguém que acredita ser possível mudar Portugal e dotado da consciência, algo tão raro nos dias que correm, de não ser possível concretizar essa mudança sem o esforço de todos, sem cortar com um passado, não apenas socialista (embora agravado pelo egoísmo daqueles que hoje nos lideram), que entende que tudo se resolve empurrando os problemas com a barriga e transformando em receita de hoje a dívida que outros vão herdar no futuro.

 

Alguém que acredita que a solução dos problemas não pode ser realizada sem (nem contra) mas com os respectivos agentes – na Educação, na Justiça, na Função Pública, na Saúde – e que todos terão de sacrificar um pouco de seu em prol do comum. Alguém que sabe que não existe qualquer solução milagrosa apenas muito trabalho e esforço para salvar Portugal e, sobretudo, para salvar os portugueses desta situação terrível que estamos a viver enquanto país, enquanto comunidade.

[Read more…]

Inspirado pela Islândia

Só é pena (já) não ter caminho-de-ferro; fora isso…

O meu voto

Depois de seis anos de campanha eleitoral, em quem votar? No que me toca, já lá irei mas antes gostaria de explicar esta da campanha eleitoral dos seis anos. Para tal, socorro-me do recorrente anúncio do sucesso frustrado, sendo o grande feito das contas públicas o último acto desta tragédia. Em Fevereiro, o governo lançou aos quatro ventos a ideia de termos um tal sucesso ao nível da execução orçamental que havia um excedente orçamental. A comunicação social nem questionou os dados embrulhados em celofane que, certamente, as assessorias de imprensa prepararam. Apresentei  na altura as minhas dúvidas e, há dias, vi-as confirmadas quando a Unidade Técnica de Apoio Orçamental nos informou que apenas se tinha adiado o pagamento de contas. [Read more…]

Eu voto BE

Bloco_de_Esquerda-logo-E22C00CAA9-seeklogo_comSem hesitações. Sou de esquerda desde sempre. Da ‘esquerda caviar’, dizem os meus amigos. Detesto caviar, mas eles não desistem do jargão. Gosto de cozido à portuguesa, de uma bela feijoada à transmontana, de mãozinhas com grão, da saborosa caldeirada  à sesimbrense ou à setubalense, de uma sardinhada em Alfama (Lisboa), Matosinhos ou Portimão e de muitas outras iguarias. Hoje, por exemplo, manjei uma cabidela de galo, no Pessoa (Rua dos Douradores, Lisboa) de se lhe tirar o chapéu – ainda por cima regada com um tintinho de Borba. Caviar nem o quero ver; o seu sabor repugna-me.

No domingo, bem lavadinho com sabonete e champô da ‘Aveia’ e perfumado pela ‘Carolina Herrera’, vestido desportiva e apropriadamente, lá vou votar no BE.

Sei que defraudo a tese do caviar e da falta de higiene forjada pela ‘direita do courato’. De barriga extensamente boleada,  essa direita arrota  a colagénio e vinho azedo, sonorizando o mau hálito com voz grave e boçal. É o tal segmento da direita retrógrada,  grosseira e repetitiva no insulto que, por entre democratas, se perfila à volta das troikas aberrantes: a interna (PS+PSD+CDS) e a externa (FMI+BCE+CE).

(Decidi publicar esta declaração por diversos motivos, entre os quais avultam a transparência da minha opção política e a demonstração de que, no ‘Aventar’, a pluralidade é um conceito que se pratica – e assim espero que continue).

Venham de lá os ‘trolls’ da minha indiferença!

Seis anos é pouco tempo?

Sócrates diz ter tido pouco tempo na televisão para apresentar ideias

Esta queixa da calimérica criatura é uma das últimas pérolas da campanha. Em primeiro lugar, durante seis anos, falou onde quis, com quem quis e como quis e teve uma comunicação social sempre pronta a reproduzir tudo o que lhe apetecesse dizer. Por outro lado, o homenzinho esteve seis anos a debitar vulgaridades e frases simples e só agora é que se lembrou que lhe falta tempo para exprimir ideias, precisamente aquilo que nunca teve? É, realmente, um “pobre político”.

A troika que se vai embora

Lamentavelmente, vão tarde e a más horas.

Sócrates, hipócrita até ao fim

Este homem que tem medo da populaça, rodeado de seguranças como nenhum candidato antes dele, ainda não entendeu que hoje só pode estender a mão para o levantarem do chão.

É, agora, apenas um vencido em fase de negação. Vai passar ainda muito tempo até que, finalmente, perceba que não o querem e que o detestam.

Apesar disso, os netos vão ter que o aturar aos domingos à tarde contando pela milionésima vez aquela velha história sabida de memória: Pois é, queridos netinhos, ainda está para nascer um primeiro-ministro melhor do que eu…

Pobres crianças. Tal como o avô, a viverem num mundo de faz de conta…

É só isto

Para mim a questão resume-se a isto: Sócrates não pode ser eleito outra vez. Não pode. Eu prefiro um macaco amestrado a Sócrates. Eu preferia o partido dos animaizinhos ao PS. Por amor de Deus, portugueses, ganhem consciência! Este homem e o partido dele destruiu o país e o problema nem sequer é esse. O problema é que ele é um mentiroso, o problema é que ele mente descaradamente todos os dias, o problema é que ele é mal formado, mal educado, sem qualquer sentido de Estado, sem qualquer capacidade para governar Portugal. O problema é que ele é inculto, sem qualquer tipo de responsabilidade democrática, sem qualquer tipo de respeito pelos adversários ou pelo país. O problema é que ele não faz ideia do que é que vai fazer do país se ganhar. O problema é que ele tem todos os defeitos que um homem de Estado não deve ter. É uma vergonha. Se Portugal fosse um país decente e maduro este homem já não era Primeiro Ministro há pelo menos 3 anos.
Mas não estamos. Portugal não é o país que eu gostaria que fosse. E é muito difícil de expressar a revolta que sinto ao pensar que esta amostra de político pode ganhar as eleições. Mas esta é uma oportunidade que temos para nos redimir. E para não eleger este homem. É nisto que devemos pensar no Domingo.

Quem escreve assim…

Sócrates é um actor que trocou o ponto pelo teleponto. Mas isso não seria demasiado defeito se ele fosse um democrata. Se respeitasse os limites do combate, as regras que fizeram do PS um bastião da liberdade. Herdeiro da ética da esquerda não dogmática, o homem busca o totalitário. O Povo? Sócrates só se respeita a si e à sua cuidada imagem. Vê o poder como fim que vale todos os meios.

Caído este chefe, o PS atravessará o deserto redentor e Sócrates poderá passar de caso de política a caso de polícia.

Octávio Ribeiro no CM

Defender Portugal

Muito bom:

Rapinado no Sapo (Henrique Monteiro)

Todos os votos são úteis, mas uns são mais úteis do que outros

Não sou grande apreciador da lógica do voto útil. Já basta o massacre informativo que tenta condicionar a nossa opção seja aos “2 candidatos 2” ou aos “5 partidos 5“, coisa que pode ser pragmática mas não é democrática.

Útil é o voto em quem confiamos, em que defende aquilo em que acreditamos. Inútil é não votar.

Circunstâncias especiais, contudo, invocam lógicas particulares. É o caso do tempo que atravessamos.

Perante a realidade não tenho hesitação possível: voto em Coimbra, e em Coimbra o Bloco de Esquerda tem um deputado que pode manter, e a CDU nenhuma hipótese de o conseguir. Estando em causa a eleição de um deputado, vou votar no BE, como votaria na CDU em Beja ou em Évora. O parlamento precisa de deputados de esquerda, que serão sempre poucos. O resto é desperdício.

Recordar para Mudar #4:

Dia de reflexão. Por quem votar

É o mais pesado dia antes das eleições legislativas, esse de por quem votar e qual é o meu partido.

Qual o meu partido, é claro para mim desde que me lembro, o socialista fundado por Marx: Socialismo refere-se a qualquer uma das várias teorias de organização económica advogando a propriedade pública ou colectiva e administração dos meios de produção e distribuição de bens e de uma sociedade caracterizada pela igualdade de oportunidades/meios para todos os indivíduos com um método mais igualitário de compensação. [Read more…]

5 de Junho: PT ganha com maioria absoluta

Por muito que as sondagens se enganem, uma coisa é certa: no dia 5, o Partido da Troika (PT) alcançará a maioria absoluta. Embora pareça tratar-se de uma coligação entre os três maiores partidos, na realidade, é uma estrutura muito mais próxima de uma conspiração.

PSD, CDS e PS passaram a campanha a fazer duas coisas: em primeiro lugar, assumiram a sua candidatura a serventes da troika, numa situação comparável à do defenestrado Miguel de Vasconcelos; para além disso, tiveram o cuidado de não informar os eleitores daquilo que os espera, entretendo-se e entretendo os cidadãos com pequenas escaramuças que não são mais do que manobras de evasão.

Entretanto, lá virão mais congelamentos ou a descida da Taxa Social Única, entre outros prejuízos que fazem parte de um conjunto de documentos que o PT teve o cuidado de não divulgar, facto que só é possível graças à falta de vergonha dos candidatos e ao laxismo cívico de um país que continua a votar com base em emoções, numa atitude muito similar ao grito irracional do adepto futebolístico.

A blogosfera e a comunicação social

As incriminações sobre a blogosfera são conhecidas. Em especial da parte de intelectuais ou ‘pseudo-essa coisa’, tipo Miguel Sousa Tavares.

Todavia, e o ‘Aventar’ já o provou à exaustão com a tradução do ‘memorando da troika’, o mundo da blogosfera é dinamizado por muitos, bem habilitados a prestar o serviço público da informação oportuna, íntegra e, portanto, útil.

Ontem, aqui no ‘Aventar’, já havíamos trazido ao conhecimento público os gastos faustosos de José Manuel Barroso e seus comissários, com o ‘link’ para o jornal britânico ‘The Guardian’. Apenas hoje, como este exemplo o demonstra, a imprensa escrita traz o assunto a público. A blogosfera, esse diabólico mundo, mais uma vez venceu, mesmo sem a intenção de competir.

O Regresso à Democracia

Domingo é um dia há muito aguardado. E não é, apenas, porque vamos assistir ao fim do governo que mais mal fez ao nosso País, mas, acima de tudo, porque a Democracia volta a ser mais translúcida.

Nos últimos anos os valores da comunicação política desceram para níveis inenarráveis. À pergunta “vale a pena mentir”, a resposta tem sido, invariavelmente, “sempre”. E na base deste paradigma está a assumpção quase pública de uma tese petulante que, pessoalmente, me repugna: o eleitorado é burro e come tudo.

Até domingo valia o engano, a dissimulação e o estratégico silêncio. Até domingo valia acusar os outros por aquilo que era nossa responsabilidade. Até domingo valiam as promessas vagas e fraudulentas. Até domingo valia transformar os insucessos em solicitações de aplausos e elogios. A partir de domingo, nada disto será permitido. As pessoas passarão a exigir (e espero eu, a ter) a verdade e a transparência.

No domingo a escolha nunca foi tão fácil e óbvia. De um lado temos aqueles que insistem em nada dizer acerca daquilo que pretendem fazer. Aqueles que se apresentaram a eleições, não com um programa verdadeiro, efectivo e exequível, mas, apenas, com uma mera declaração de intenções que pode ser, posteriormente, metamorfoseada e pela qual se não sentem, minimamente, comprometidos. Aqueles que apostaram num pântano ideológico que lhes permite agradarem a “gregos e troianos”, ainda e sempre, sob a premissa que o eleitorado “come tudo”.

Do outro, temos alguém que prescindiu de uma máquina de comunicação castradora e preferiu a sinceridade e a transparência. Alguém que arriscou tudo e disse sem rodeios e sem evasivas, exactamente o que iria fazer. Alguém que, aos olhos de muita gente, deu “tiros no pé” que mais não foram que as consequências da absoluta honestidade intelectual. Alguém que falou de esperança, não como uma “bacoca” forma de animação eleitoral, mas como manifestação de uma sentida fé na capacidade dos Portugueses e de Portugal.

Por isso eu e uma mole de Portugueses, no domingo, vamos votar Pedro Passos Coelho. E com isso, vamos fazer regressar a Democracia à sua forma mais pura. Sem rodeios, sem “spins” e sem perversões. Porque assim vale e valerá a pena.

 

Em defesa da honra de Afonso Henriques e dos que à sua porta acampam

Tem causado alguma indignação nos sítios do costume o acampamento, vulgo acampada, no adro de S. Cruz. Porque é panteão nacional, que está lá dentro o túmulo do rei fundador, uma pouca vergonha.

Convinha recordar aos distraídos que aos 19 anos Afonso foi acampar para S. Mamede. Três anos depois reune em Coimbra, à volta deste mesmo mosteiro que então manda construir, a jovem e em grande parte deserdada nobreza (e clero) com quem iria várias vezes acampar, sentados, a pé e a cavalo, até concluírem um país.

Donde fazem muito bem estes jovens em homenageá-lo, acampando à porta daquele que foi um jovem revolucionário, afrontou o poder então vigente, e aqui mesmo fundou Portugal.

Estou a comparar o incomparável? este pessoal está ali para fazer revoluções, não quer é trabalhar, tem mau aspecto e dali nada de bom há-de vir?

Aos 19 anos Afonso Henriques e os seus devem ter ouvidos tantas vezes o mesmo, que pelo menos nisso claro que se pode comparar.

foto tz

A Ponte

Maria Pia, de Eiffel e Seyrig (1877), algures pós-1966.

Bom dia, senhor Primeiro-ministro

Olof Palme

Olof Palme, Primeiro Ministro de Suécia, assassinado em 1986.

Estamos a três dias de resolver a grande incógnita. Quem dos cinco líderes partidários será convidado ao Palácio de Belém pelo Presidente da República, para lhe solicitar que forme um novo governo ao seu nome e a nome do povo português? Cada um dos líderes partidários tem o direito a ser solicitado pelo representante da nossa Soberania, para organizar a governação do país para o povo da nossa Nação. Sem governo, a República seria uma hecatombe. O governo não reside na pessoa do Presidente da República. O governo de Portugal é a Assembleia da República, organismo que deve prestar conta, caso acontecer, ao tribunal constitucional e ao poder judicial, que fiscaliza. O nosso País é una Nação tripartida, com o Poder Executivo que manda cumprir o que acorda o Poder Legislativo ou Assembleia, que, pela sua vez, é observado pelo Poder Judicial.

[Read more…]

%d bloggers like this: