72 horas sem ser oposição…

….é complexo. Eu perdi a inspiração. Já para o CAA deve estar a ser um martírio. Compreendam, é da falta de hábito 🙂

Um homem, um voto

E cada voto vale o mesmo que outro. Simples não é? Mas complicado para os donos da democracia. Embora haja sistemas bem piores (o inglês, por exemplo) o método de Hondt aplicado a círculos distritais não passa de engenharia eleitoral, que as almas eleitas para a Assembleia Constituinte entenderam ser a melhor forma de garantir governos “estáveis”, e a ausência de minorias na Assembleia da República (convém não esquecer que essas almas foram eleitas num sufrágio onde três partidos foram excluídos, e não o sendo pelo menos um elegeria um deputado).

O Alexandre Abreu, no Ladrões de Bicicletas, deu-se ao trabalho de simular os resultados de Domingo (sem os círculos de emigração, outra ideia discutível) se tivéssemos como sistema eleitoral o mesmo método de Hondt, mas apenas um círculo nacional, e melhor do que isso, se os votos fossem mesmo todos iguais, e os deputados eleitos proporcionalmente no mesmo círculo nacional.

Desde 1976 o país mudou: os distritos do litoral encheram com o esvaziamento do interior, onde só dois partidos conseguem eleger deputados. Precisamente os dois partidos que perderiam deputados para as minorias se a engenharia fosse substituída pela democracia. A matemática convenientemente aplicada é a mãe das desigualdades. O meu voto vale mais e é mais livre do que o voto de um transmontano. Está mal.

Renegociação da dívida: e esta?

Prometi ir actualizando uma lista de opiniões favoráveis à renegociação (reestruturação) da dívida à troika e afirmei que esta lista iria, com o tempo, aumentar muito e de forma surpreendente.

Não me enganei. Agora entrou em cena, nada mais, nada menos, a Alemanha. É certo que se refere à Grécia mas, o tempo encarregar-se-á de o mostrar, nas entrelinhas pode ler-se Portugal. Nisto, os alemães são bons: adiantam-se e tentam resolver antes que tudo desmorone, não vá o deixa andar mediterrânico tecê-las e ficarem os credores alemães a arder.

Ora, com este peso-pesado, a lista está assim (e continua em construção):

PCP

BE

Boaventura Sousa Santos

António Nogueira Leite, dirigente do PSD, economista

Thomas Mayer, economista-chefe do Deutsche Bank

Alberto Garzón Espinosa, Conselho Científico da ATTAC Espanha

Paul Krugman, Prémio Nobel da Economia

Wolfgang Schauble, ministro das Finanças da Alemanha

Timor-Leste

Sempre foi um tema aborrecido para o sistema que durante anos a fio, procurou ocultar a responsabilidade por aquilo que acontecera em Timor. Quando os ventos começaram a mudar, então sim, foi vê-los – Sampaio e muitos, muitos outros – alegremente “aderirem” à “nova causa” da independência timorense.

[Read more…]

A “broika”

Se três fazem uma “troika”, dois farão uma “broika”.

Pedro Passos Coelho e Paulo Portas, já desenham o futuro Governo, tal como aconteceu nos tempos de Durão Barroso.

Oxalá desta vez, ninguém se sinta compelido a representar e prestigiar Portugal em alguma instância europeia ou internacional.

Em cima da mesa de negociações entre aqueles líderes, para além da distribuição de Ministérios, estará já a definição do que será “ir mais longe” do que o acordado com o FMI e a União Europeia, tal como Pedro Passos Coelho tem vindo a anunciar como vontade própria.

Não sei o que será “ir mais longe”, mas espero que não provoque ir mais gente para longe ou tornar mais longe para onde caminhamos.

Brutalidade policial no Rossio

Vinte e cinco segundos de cacetada à moda antiga. Um aperitivo para os próximos tempos.

Também pode ver a reportagem completa: [Read more…]

Uma premonição

premonição

Será que há justiça na vida política? Será que a justiça é parte da vida política?

Antes de responder a questões tão evidentes, devemos saber o que é a vida política. É um conceito que vem da língua grega clássica, definida por Aristóteles entre os anos 320-323 antes da nossa era, manuscrito perdido e encontrado na biblioteca de Alexandria, após o grande incêndio causado pelos invasores romanos. Recuperado e restaurado no ano 80 antes da nossa era, define o conceito como o governo da cidade e do lar.

Aristóteles foi preceptor de Alexandre de Esparta, denominado O Grande, que conquistara todo o mundo da sua época, e da excelente governante Cleópatra, Rainha e Farão do Antigo Egipto. Cleópatra VII Thea Filopator (em grego, Κλεοπάτρα Φιλοπάτωρ, Cleopátra Philopátor; Alexandria, Janeiro de 70 a.C. ou Dezembro de 69 a.C. – 12 de Agosto? de 30 a.C.) foi a última rainha da dinastia de Ptolomeu, general que governou o Egito após a conquista daquele país pelo rei Alexandre III da Macedônia. Era filha de Ptolomeu XII e de Cleópatra V. O nome Cleópatra significa “glória do pai”, Thea significa “deusa” e Filopator “amada por seu pai”. [Read more…]

%d bloggers like this: