O abismo

Depois de ver na televisão e ler o artigo acerca da presença de Mário Soares na universidade de Verão do PSD, tirei algumas conclusões bem preocupantes e espero que Portugal não tombe da ponta do penhasco para o abismo.
Já disse que estamos na ponta do penhasco para cairmos de cabeça para o abismo e este sentimento leva-me a pensar que uma nova revolução não vai tardar e desta vez não vai ser com cravos e com os oculta-chamas das espingardas. Desta vez vai ser a doer. Acoitem-se, vem aí o inferno ao vivo.
Os governantes têm que assumir as suas responsabilidades nos erros que cometem. Ninguém os obriga a assumir as funções que desempenham, Não podem continuar a criar situações financeiras irresponsáveis e depois virem a obrigar pela força da Lei a pagarem as suas faltas sem termos culpa nenhuma.
Na oposição não aprovaram o PEC IV por causa do aumento dos impostos, mas agora no governo isso já não é problema nenhum pois o tacho e a sede de poder já foram garantidos. O que podemos esperar destes políticos que dependendo do lado em que estão se contradizem permanentemente sem nenhum pudor? Agora dizem que é inevitável mas antes não era?! A questão aqui não é ser o partido A ou B é a falta de coerência em função da sua ambição politica sem olhar a meios. Como diz o mais ilustre jurista português “com esta gente não vamos a lado nenhum”.
Os nossos governantes em vez de carregarem o povo trabalhador com impostos, estabeleçam um teto salarial máximo de 5000 euros, e uma pensão máxima por casas de 2500 euros. Esta modalidade de pensões é seguida por alguns países que economicamente estão muitos anos-luz superiores a Portugal.
Numa economia como a nossa, baseada nas taxas de juros, o dinheiro é transferido dos mais pobres para os mais ricos, até se concentrar nas mãos de uma minoria. Actualmente a massa total do dinheiro que circula no mundo, é constituída, quase exclusivamente, pelo dinheiro proveniente das dívidas e das suas taxas de juros. Este dinheiro especulativo não assenta em qualquer valor real, isto é em bens e serviços.
É o crescimento exponencial dessa massa monetária especulativa que irá acabar por atingir um ponto de rotura e provocará o desmoronamento da economia mundial tal como a conhecemos actualmente
Meus Srs. o respeito conquista-se, não se impõe. Num País sem respeito e indisciplinado nunca poderá haver progresso.

Jorge Neves

Comments


  1. Portanto, numa casa com um casal (reformado), um filho deficiente e dois pais de idade avançada, vive-se com 2500 euros mensais?

    É capaz, afinal há pessoas a viver, individualmente, com 300.

    • Marito says:

      Logo aparecem as excepções para se não alterarem as regras. E então o amigo acha bem que um casal com os filhos criados, a casa paga, etc. faça todos os meses uma “aplicação financeira tipo poupança-reforma” com o que lhes sobra? Alguma vez descontaram para efectivamente receberem 5.000 € de reforma? Ou está toda a gente esquecida das manobras para as reformas?

  2. antónio moreira dias says:

    Se alguém apanhar um politico de ontem e lhe der uma valente sova…talvez muitos aprendam a respeitar quem luta para ser melhor, ganhar mais, e não andar a dar metade do ordenado a tipos que só estão no café aos caídos…Pouco falta.


  3. Completamente de acordo. Os políticos são criminosamente negligentes, a negligência criminosa deve ser punida. Infelizmente os partidos, todos os partidos, nunca aprovarão tal prática. Assim só nos resta mudar de regime, essa mudança é inevitável dado que os partidos não estão equipados para resolver os problemas com que nos debatemos. Só espero que a mudança não seja violenta e, já agora, que seja para algo melhor do que temos.

  4. Fernando says:

    Diz-se que estamos perante uma crise internacional e, no’s apanhamos por tabela. Nao e’ 100% verdade. Pessoalmente associo a crise internacional a uma ligadura a tapar uma ferida. Portugal tem sido uma “ferida” que de ano para ano tem vindo a piorar, não obstante os “médicos” que temos tido para a curar. Cheguei a conclusão que esses bem referenciados e abnegados “médicos” são todos iguais. Frequentassem eles uma Universidade do Povo ou privada. A “ferida” que se instalou em mim, e’ saber se péssima situação em que se encontra Portugal e’ fruto de 42 anos de fascismo, ou de 37 de liberdade?